quarta-feira, 5 de junho de 2013

DUAS CAMAS DE SOLTEIRO FORMAM UM CAVALHEIRO

Arte de Eduardo Nasi

A privação cria um cavalheiro.

A renúncia prepara românticos.

O egoísta jamais será educado. O narcisista jamais será educado. O megalomaníaco jamais será educado.

A virtude masculina consiste em ser o segundo, em vir depois, em não priorizar os próprios luxos.

Quem procura se beneficiar antes não será um macho de verdade. Sempre vai abandonar ou fugir de um romance.

Amor é ter altivez dentro da humildade. É ceder sem medo de existir.

Homem que nunca lavou louça não saberá o que é se cortar no amor. O homem que nunca cozinhou não saberá o que é se queimar no amor. Homem que nunca passou roupa não saberá o que é rasgar uma promessa.

Só podemos oferecer o que somos. Só podemos imaginar o que um dia tentamos.

Nas pequenas tarefas, surgem os grandes maridos. Não subestime a epopeia da banalidade.

É difícil ser gentil. A gentileza é uma coragem, um refinamento da experiência. Árduo quem não depende do medo para ajudar, quem oferece o que tem antes que alguém precise.

O heroísmo amoroso começa na adolescência. Exatamente quando o jovem dormirá pela primeira vez com a namorada em seu quarto e decide juntar duas camas de solteiro.

Ali nasce a delicadeza no rosto barbudo.  Ali germina a sutileza na feição baldia.

A cena fundadora do lirismo viril reside no momento em que o homem abandona o posto de filho, de dependente, e assume a independência de cuidar do outro.

Não há nada mais comovente do que um garoto que adormece no meio da madeira para permitir que sua amada durma no canto acolchoado.

É um gesto carinhoso de fazer e não falar.  De zelar e não cobrar na manhã seguinte.

Diria que é neste instante que o adolescente se torna adulto.

Ele disfarça a dificuldade material com seu gesto, contorna sua pobreza com ternura.

Não está se destacando nem aparecendo. De modo inédito, mergulha na sombra, conhece o valor da retaguarda, sofre calado para não vê-la sofrer.

Com seu corpo, cobre o descompasso, o desnível, a divisão entre os dois colchões.

Não reclama da frieza da brecha, não lamenta as dores nas costas.

O que valoriza é estar junto, respirando perto, soprando os sonhos para o mesmo lado.

Um homem se mostra sensível quando não pensa somente nele, e passa a levantar de sua nudez uma ponte dos suspiros dela.




Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira

7 comentários:

ana disse...

Premio telecon de literatura será pouco. Aguarde o Premio Nobel...

Cacá disse...

Lindo, perfeito, delicado!

Manoela souza disse...

Como sempre usando o que há de melhor em cada entrelinha da vida. Sou sua fã Carpinejar nunca deixe de escrever.

Nicole Zeghbi disse...

não é do ser homem... é do ser sujeito! Ser e querer ser gente!

Nicole Zeghbi disse...

Você arrasa!! Pronto falei

Anônimo disse...

Lindo! E a menina, quando ela se torna adulta? Quais seriam as delicadezas e as gentilezas de uma mulher para a pessoa amada?

Fanzine Episódio Cultural disse...

Participe do ( Grupo Academia Machadense de Letras ). Publique seus poemas, contos, crônicas, livros, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo:
https://www.facebook.com/groups/149884331847903/