domingo, 13 de dezembro de 2015

ONDE ESTÃO OS OVOS?



Nunca vi nenhum homem no supermercado demonstrar preocupação com o destino da caixinha de ovos nas sacolas. Nunca vi nenhum homem controlar o seu lugar no carrinho. Nunca vi nenhum homem orientando o empacotador para não colocar nada pesado em cima da caixinha de ovos. Segue junto das garrafas de litro de cerveja e não se importa, segue debaixo da melancia e não sofre com o erro. Nunca vi nenhum homem monitorando a caixinha dos ovos na hora de pôr as compras no bagageiro. Nunca vi nenhum homem levando consigo a sacola da caixinha de ovos, tal bebê de colo. O homem despreza a integridade da dúzia, é apenas mais um item da lista. Larga para a mão de Deus ou culpa simplesmente o azar.

Já a mulher tem as fôrmas de papelão como o seu primeiro e o seu último pensamento no mercado. 
Dispara um alarme biológico, e não relaxa até guardar na geladeira.

Para o homem, são simplesmente ovos. Para a mulher, já são pintinhos indefesos. Agem como donas da granja, chocadeiras emprestadas.

A minha esposa não cansa de reiterar o cuidado, assim como a sua mãe, assim como a minha mãe, assim como a minha irmã, assim como a minha avó. Realizam uma hierarquia apurada do mais leve ao mais forte na distribuição dos produtos.

- Onde estão os ovos?, é a pergunta constante delas no momento do caixa.

O que denuncia a predisposição maternal feminina. A maternidade, ainda que não se revele em filhos, está no sangue. Está consolidada na visão de mundo. Está espalhada nos seus costumes. Está dentro da generosidade do seu olhar. Está no formato de cesto de seus braços.

A mulher desenvolve uma doçura inadiável diante de cenas de orfandade. Seu radar é incansável: seja com os ovos quebradiços, seja com uma criança sofrendo, seja com um cão maltratado, seja com uma injustiça a um idoso.

Jamais é indiferente ao pouco e ao fraco. Ela se fixa na fragilidade para proteger, acolhe o que é vulnerável, não abandona o que pode se quebrar, permanece atenta e firme dando colo para tudo o que carece de atenção.

A caixinha de ovos é banal para o homem - tanto faz. Para a mulher, é a prova de que não escolhe nada em vão nesta vida.



Publicado no jornal Zero Hora
Revista Donna, p.59
Porto Alegre (RS),  13/12/2015 Edição N°18384

8 comentários:

Francéli Duarte disse...

Adorei adorei!

Francéli Duarte disse...

Adorei adorei!

Anônimo disse...

Generalizações...

ana disse...

Esta lendo no seu face "quando a alegria chora e chorei... de inveja.
Queria escrever tão bem assim.
Eu te amo Fabrício.

Robson Muller disse...

Papai sempre se preocupou com as duzias como mamãe e outras mulheres.

Valéria disse...

Meu marido tambem

daiane lima disse...

Eu marido pergunta "Mô, cadê os ovos", não sei se com a mesma preocupação que eu , mas pergunta.
Que texto delicioso!!

Vanessa Javarotti disse...

Acho que o instinto maternal do meu marido é maior que o meu próprio. Visto que ele jamais confia a cartela de ovos a mim. Talvez eu já tenha dado motivos para tanta falta de confiança.