terça-feira, 19 de julho de 2011

Q'BOA

Arte de Raoul Dufy


Após infidelidade, Fernanda jogou as roupas de meu amigo Felipe pela janela do prédio. Apareceram todas espalhadas no jardim, na piscina, no telhado do estacionamento.

Aquilo não foi vingança. Ele nem se vestia bem – nunca deu valor para o próprio figurino, capaz de sair com um tênis laranja da Nike e outro azul da Adidas.

Felipe não mexeu o traseiro, não se desesperou para recolher suas coisas. Fez de conta que era uma chuva de mantimentos da ONU no bairro.

Não compreendo por que as mulheres insistem em rasgar nossas roupas ou despejá-las andares abaixo. Não há sentido na atitude. Elas é que sofreriam com isso, não a gente. Cometem a imprudência de nos castigar com dor alheia.

Felipe ficaria fulo e possesso se Fernanda queimasse seu álbum completo da Copa de 82. Seria imperdoável. As figurinhas vinham dentro dos chicletes, ele estragou os dentes, sacrificou bolas de gude no recreio, roubou moedas da bolsa da mãe para finalizar as imagens das seleções.

Homem não tolera perder a infância de novo. É mexer na sua infância que ele esperneia – pode ser na forma de uma coleção de selos, de camisetas de futebol, de bolachas de chope, de LPs. Não há um único macho no mundo que não guarde um acervo emocional. Quer matar seu marido de susto? Põe fora sua nostalgia de guri.

Já a mulher teme agressões contra seu closet (homem não tem closet, mas guarda-volumes). O coração feminino é uma delegacia contendo abusos como desfiamentos, rasgões e puxões. A meia-calça é a vítima mais recorrente da força e falta de jeito dos parceiros.

Portanto, uma das represálias mais diabólicas consistiria em derramar partículas de Q’boa nas calças, camisas e saias da esposa. Pequenas gotas de água sanitária, o suficiente para estragar um tecido pelo resto da vida e transformar qualquer Ocimar Versolato em lembrança de Fátima.

E, de modo nenhum, alardear a maldade. Executar o ato em silêncio, a sangue-frio, deixar que ela encontre uma por uma das máculas ao longo dos dias. Haverá gemidos de pânico quando alguém apontar a descoloração nas peças. No ranking de horror da mulher, a Q’boa surge em segundo lugar, atrás apenas das baratas e seguida das traças.

Mas, sinceramente, eu não teria coragem. Não gostaria de ser um inseto esmagado por um salto 15.




Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 19/07/2011
Porto Alegre (RS), Edição N° 16766

10 comentários:

Sexo c/ Amor? disse...

Adorei!!! Mas, está dando munição pra muita gente. Tenho uma amiga que cortou as cerdas da escova de dentes, o cara bebia demais...

Jefferson Reis disse...

Você está errado.
Me preocupo sim com as minhas roupas.
Se alguém jogá-las na rua ficarei
muito bravo.

Pink disse...

Muito bom.
Quando eu tiver um novo marido saberei o que fazer...rs

Mariana disse...

Quanta crueldade... tsc...tsc...tsc

O Amador Online disse...

Estou torcendo pra minha namorada não ler. Ela adora experimentar novas ideias, "porque não pensei nisso antes"... Misericórdia rsk

...Gotas... disse...

hahaha...agora entendi, jogar coisas da infância...então um golpe de sorte, colocou nas minhas mãos os jogos de vídeo game do "sujeito infiel"...joguei; a intenção era que batessem contra a parede, mas entre minha raiva e a parede, havia uma janela...hahahaha..enfim

Caroline Delgado disse...

ADOREI!!! Mas isso coitadinho do meu pai sempre fez, ele gosta de ajudar nos afazeres domésticos e sempre ele acabava fazendo umas manchinhas nas minhas roupas!! heheh Adorei Fabrício, gênial!

Gisa disse...

Ser esmagado por um salto 15 tem lá seu charme, acho que deverias repensar...
Um bj

Wayla Zardo disse...

Adorei a dica! Acabar com a coleção de rotulos de cervejas raras seria um vingança pra eternidade...rsrsrs
Beijos

Anônimo disse...

Experimente cortar os fios daquele maravilhoso home theater. Umas figurinhas de infância serão apenas papel picado. hahahaha