quarta-feira, 14 de abril de 2010

APELO SEXUAL

Arte de Tereza Yamashita


Toda mulher cria seu fetiche: um detalhe pessoal e intransferível que ela adora num homem. Uma atitude que vai diferenciá-la de qualquer estratégia varejista.

Talvez você, macho leitor, só desvendará o segredo pela convivência, e olhe lá, talvez nunca descubra. É um trejeito que executa de modo inocente e que perturba violentamente sua cara-metade, realmente a excita mais do que um beijo e um abraço. Aquilo que é imperdoável para a ex será visto como estimulante para a nova companhia. Não há como repetir ou patentear. Pode ser um tique nervoso, uma manha, uma feição contrariada ao longo do aceno. Ou algo que nem gosta e procura esconder.

Não é uma piscadela ou um beiço consciente, elimine o repertório básico de sedução, diz respeito a uma postura ou um gosto discreto, vadio, que não nasceu para pose.

Juro que não tenho como ajudar, não existe padrão. Muda conforme o histórico escolar da moça.

De repente, é um acessório de sua aparência, não duvido que seja o modo como deixa a camiseta para fora da casa ou sua inclinação à porta no instante de suportar um atraso. O complicado é detectar o atrativo durante o relacionamento. Caso localize, gozará de um poder especial de tirá-la do sério quando quiser e de escapar ileso de uma briga.

Enquanto procura, é uma bomba-relógio instalada em seu corpo. Já foi acionada a contagem regressiva. Trate de iniciar a investigação. Onde está seu apelo sexual? Onde?

Convivi com uma colega que se emociona com cadarço desamarrado e longo. Bem longo. Alucinada pelo tipo que não amarra e pula corda com seus próprios calçados. Arrepia-se diante do fio arrastado; as serpentes no chão; a língua bifurcada antecipando o bico. Não procure compreender, fantasia não se explica, cresce no mistério. Quem usa velcro está imediatamente descartado. Ela escolhe seus parceiros pelos pés. Lamento que perdeu a época do kichute, organizaria um leilão de pretendentes.

Outra amiga baba por motorista que emprega uma única mão para estacionar de ré, girando os dedos como uma enceradeira. Sem direção hidráulica, então, o cara ganha amor eterno. Ela se enxerga dominada pelo movimento. Arrebatada. Confessa que suas pernas tremem, os cabelos deslizam para os seios. Mas não dá mole, entabula regras rígidas de autoescola, cobra baliza no primeiro encontro: não admite que empregue a mão esquerda como apoio. Uma mão! Sonha com o que ele será capaz de aprontar apenas com uma mão.

Uma terceira repara no pulso. Homem graúdo, legítimo, tem que ostentar relógio grande, o pré-histórico cebolão. Considera grave afronta a variação digital, destinada aos analfabetos amorosos. Desdenha também das pulseiras de plástico, endereçadas para as barbies. Caça o ponteiro muito mais do que uma aliança. O relógio é a cabeceira frondosa da cama. Em sua fantasia pontual, o pertence de ferro sugere superdotados incansáveis que perderiam a hora.

Já a minha namorada nutre uma paixão pelos meus ombros. Acho que careceu de exigência ou foi mesmo falta de opção. Eu me envergonho deles, pelos ossos saltados. Não exibo forma de escravo romano, não curto musculação, sou magro, quase um cavalete de quadro. Mas Cínthya passa os dedos com volúpia na pia batismal do pescoço, muda a respiração, engole o sopro de volta num suspiro invertido.

Sua admiração produziu até neologismo. Inventou de chamar meus ombros de pollockianos, uma homenagem a arte de Jackson Pollock.

O que me intriga é que o americano somente fez pintura abstrata.




Crônica publicada no site Vida Breve

35 comentários:

Beatriz disse...

é assustadora a sua capacidade de nos desvendar nas pequenas coisas.

Ciça Ferreira disse...

Olá!
Adorei seu texto. Adorei a maneira como descreveu a importância de alguns detalhes masculinos para as mulheres.
Talvez aí, você tenha feito mtas perceberem que são assim, e homens entenderem q conquistar uma mulher requer não apenas dedicação, mas um pouco de sorte em despertar os desejos escondidos de cada uma...
Parabéns!

Adélia Carvalho disse...

Essa é a busca constante por aquele algo especial no outro, onde aquele corpo, parece se comunicar com o nosso ao nos dar aquilo que nos atrai, aquilo que ele adivinha pelo instinto e não pela razão.
Parabéns por ontem no terças poéticas. Encantador seu trato com as palavras e a sua presença. Foi uma alegria assisti-lo.
Grande abraço.

Lúcia disse...

Pollock...??!! Sem dúvida, absolutamente romântico...!
Ótimo texto!
Abraço!

Pri, uma Barbie Girl de Porto Alegre disse...

Fico doida quando vejo um homem gesticular com as mãos. Perco a concentração.
Se estiver me explicando algo e gesticular, aí já é meio caminho andado.
Mãos grandes, com dedos longos me fazem pensar em tanta coisa... hahaha! Beijos!

juliana disse...

Sempre tive admiração e atração por homens inteligentes, que brincam com as palavras....Bjos Fabro, amis uma vez você leu nossos pensamentos.

Monike disse...

Carpinejar, sempre um praze ler seus textos, e mais uma vez me vi decsrita e um pouco descoberta plas suas palavras. Fã!

Lúcia disse...

Aliás, belíssima a frase de chamada do blog, aparentemente psicografada em uma mistura de árabe, grego e japonês!
Eis aqui outra fã!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

E ainda 'há pêlo' sexual... :D

Fabrício disse...

Não sei sobre os demais homens, mas eu também me apego a detalhes sutis no corpo, postura ou "modus operandi" das mulheres. É onde se esconde a razão por que apaixonar-se.

Ótimo texto, como tantos outros.

Tati Pastorello disse...

Ah, se mais homens parassem para prestar atenção à nossa subjetividade... Mas muitas vezes o que nos tira o fôlego é justamente sua objetividade, mesmo que continuemos negando!

Anônimo disse...

Acho que sua namorada deve te achar fisicamente parecido com o Pollock :)
Gostei muito do texto e concordo com ele. Meu fetiche são as barbas expressivas e viris. Adoro uma barba que arranha hehehe.

Maria Tereza disse...

"Sem direção hidráulica, então, o cara ganha amor eterno." = gargalhadas! ÓTIMO como sempre!
Minha fixação é sorriso, qt mais alinhados, melhor! =D

Mulher de Fases disse...

Preciso olhar pulsos e joelhos.
Mais ainda os pulsos.
Eles precisam ser fortes, másculos.Verdadeiros pontos finais de um braço bem torneado.

Zélia Guardiano disse...

Você, num abracadabra, desvenda tudo! Já não preciso ficar anos luz a investigar...
Um abraço

Pah disse...

Uau! Primeira vez que visito e já me encantei! Confesso que me identifiquei com o segundo caso, com certeza perco (ou ganho) alguns minutos admirando tal feito!
Quanto a características físicas, tenho uma queda, ou melhor um abismo pelos homens orientais, os belissímos olhinhos puxados me deixam louca, com braços grandes (normais sem abusos de musculação) e acolhedores e belas mãos completam o pacote!

Anônimo disse...

pois é... a gente se apaixona assim , sem explicações lógicas mesmo, e sofre, quando não se pode viver isso!

Violeta disse...

Meu Deus... Quanta sensibilidade e compreensão deste universo feminino!!!!
Fico sem chão com aquele ar de mistério, aquele jeito de olhar e não olhar, talvez uma coisa mais pós-moderna!!! Mas também o "falar com as mãos"...
Perco o chão, perco o ar, perco a fala e inclusive a razão!

Parabéns!!!

Anônimo disse...

é...o ar de mistério excita...

Halime disse...

Perfeito!!! Vc explicou algo que nunca consegui pôr em palavras...

Camila Perlingeiro disse...

toda mulher vai deixar um post se identificando com seu texto :-) realmente sensacional. enquanto lia, fiquei lembrando de todas as vezes que ainda suspiro pelo meu amado, depois de tantos e tantos anos, nas pequenas coisas, nos pequenos gestos e nas pequenas palavras. O cotidiano ainda me encanta. Beijo

Pam disse...

nossa, maravilhoso!
Realmente Fabro, tem coisas que não tem como explicar, e cada amor, a gente ama de uma forma diferente, neste au amo isso, naquele eu amava aquilo...
adorei...ficarei pensando no que eu gosto..
beijo, Pam

ana disse...

Me fez lembrar do filme Encontros e Desencontros,numa cena onde Scarlett Johansson olha para os pés de Bill Murray e dá a entender que ela se apaixona.
Bjs

Anônimo disse...

Parabens,
tens uma sensibilidade incrível! Uma compreensão e empatia com universo feminino!

Tenho tara por antibraço quando o homem dirige;
Panturrilha;
Quando o homem está distraído e você chama e ele faz aquele 'hã?' hehe

Poderia listar várias situações um tanto quanto bizarras!

Parabens, sou sua fã!

Kalina disse...

muuuuuuuuuuuito bom!

Dalva Maria Ferreira disse...

O cara é bom, gente. Invejinha...

analuuiiza disse...

entendo cinthya. o ombro é a parte mais sexy do homem. exatamente porque foi feito para o encaixe perfeito de nossas cabeças, quando nos sentimos bem ou mal. para saber se a relação com o cara tem futuro basta observar se o recostar nos ombros se dá naturalmente. :D

voce capta os detalhes mais lindos do cotidiano dos relacionamentos. eu e minha mãe adoramos seus textos. obrigada pelas palavras!

Jééh disse...

o meu fetiche muda de homem pra homem, mas em geral as mãos me chamam a atenção ^^

cronicasdumasviagens disse...

Conheci uma que era apaixonada pelo tamanho dos cílios. Outra que só sobrancelhas grossas lhe serviam. Vi algumas que só servia se levasse óculos. Ainda tem aquelas que gostam das mãos lisas como de outra mulher e suas opositoras, que não podem ver um calo.

Mayara Almeida disse...

Adoro seus textos.
Entro sempre no blog da Cyntia, adoro o modo como ela escreve também. Posso seguir o seu?!
Abçs,
Mayara Almeida.

Ramiro Conceição disse...

Caro Fabro,
estou petrificado com muitos dos comentários femininos acima. Lembraram-me da recomendação que uma velha fez ao sábio Zaratustra quando este, depois de longa meditação na montanha, resolve voltar à cidade para reencontrar os seus “quase” semelhantes: “Vais ter com mulheres? Não esqueças o chicote!”

* Vanessa * disse...

Olha, ficar desvendando nossos segredos assim é golpe baixo!! Mas valeu pela sensibilidade, mais uma vez nota 10 pra ti!! Principalmente por deixar claro pra muitos homens que nem mesmo nós mesmas conseguimos explicar essa nossa fascinação por determinadas coisas ou partes de vocês...

Ivi Medau disse...

Que coisa, isso existe mesmo! Já me disseram que sou apaixonante fazendo café, assim, distraída na cozinha,manuseando objetos.
Diante deste comentário, espero não perder a distração nunca!

Beijos!

anna emilia disse...

Tem uma coisa no andar, nos gestos, nos movimentos, sim, mas a inteligência, a visão de mundo, o tipo de humor e a expressão através da palavra, estes são meus maiores afrodisíacos!

Anônimo disse...

Eu subo um pouco mais nos pulsos. Fico loucas com antebraços. Casei uma vez com um antigo professor, mas acabou o amor depois que vi o restante rs