sábado, 15 de outubro de 2011

MINHA HOMENAGEM AO ÚLTIMO PAYADOR

A cidade visitada na edição de hoje é São Luiz Gonzaga, terra de 34,5 mil habitantes, distante 465 quilômetros de Porto Alegre, berço do músico Pedro Ortaça, lenda da trova missioneira. Fotos de Rogério Sartori.

Põe o cavalo a correr.
Se é fiel, ele volta.
Se é triste, ele morre.
Se é vento, ele sonha.
Enche o pulmão para ler
e não se afogar na neblina.
Depois de Jayme Caetano Braun,
Noel Guarani e Cenair Maíca,
o único que está vivo
é Pedro Ortaça, um dos quatro
troncos do protesto, arisco,
febril, nosso estado pelo avesso.
Pedro Ortaça não é um nome,
mas uma condição missioneira.
Payador, bruxo solto, árvore
à sombra das catedrais jesuíticas.
Pedro Ortaça é uma joia da ofensa,
sessenta e nove anos de bem com a maldade,
quando canta sua voz é outra, tão diversa
da sua, usa a aspa do cavanhaque
a traduzir o Rio Uruguai.
Baixa em si o espírito dos Sete Povos,
pomba-gira é Sepé Tiaraju,
índio de secreto mundo
exorcizando massacres sem fim.
A terra colorada é o poncho que cobre a ave
de São Luiz Gonzaga. Por favor, com licença,
Pedro Ortaça é a cidade reunida na estância,
aquece os olhos como quem serve o mate:
não deixa esfriar a raiva,
o coração sempre está além
daquilo que se entende,
só pede perdão lutando.
O maior riso surge do desespero,
a dor brilha mais do que ferro puro,
mais do que carência de espelho,
mais do que dente de ouro.
Pedro Ortaça não é flor que se cheire,
é pedra andando, campo encilhado,
desarruma o pago e os limites
tocando violão com arames das cercas.
Ostenta o bigode afiado
contando aflições antigas
de um jeito alto, desaforado,
próprio do galpão de amigos.
Não foi fácil desatar o grito,
montar guarda em centenas de letras.
Recebeu de um pescador sua faca;
do avô Quintino, o acordeão;
da mãe Cândida, as modinhas fraseadas;
e do pai Alberto, a fome de pirão e pão.
Os nervos custaram a desmanchar
na carne dura, magra, cigana.
Por mais que se monte banda,
por mais que se apresse o dom,
a montanha demora a devolver o som.
Vendeu sangue para conseguir viagem,
quatrocentos gramas de veia
foram seus bilhetes de trem.
Ele bem sabe, o verso faz história.
Pedro Ortaça é uma figura esguia,
de origem ilusória, mínima,
brincava para esquecer a falta de comida.
Passava acordado de madrugada
espiando o baile dos adultos.
Mais do que o café do medo,
não dormia pela beleza dos timbres.
Tirou a morte a dançar, mascou todo gengibre.
Não teve cadeira de letrado,
não botou sua honra no penhor,
não procurou nada emprestado,
não disse amém ao senhor.


Ortaça, feito de taipas e relâmpagos,
transforma as ruínas em tambores,
veste crepúsculos, manto guarani aos ombros,
suas mãos escrevem galopes.
Ortaça, Ortaça, a chuva não cala o fogo.
Quem inventa nunca chega atrasado
na lembrança. A guitarra é campo santo,
não terminam os ouvidos de pampear.
Quem inventa nunca chega atrasado
no parto. A rédea é aceno do canto,
não terminam os ouvidos de guerrear.
Ortaça, Ortaça, Ortaça já viu o demo,
o redemoinho, no meio da colheita:
nuvens negras de gafanhotos
roubaram sua infância.
Ninguém mais assusta Pedro Ortaça,
ele jamais duvidou do instinto
que vem do passado cancioneiro.
Não desistiu de ser bicho,
da valentia de sua gente,
de brigar por improviso, matreiro.
Pois aquele que nada tem, nada deve,
nada teme, vive por inteiro.






Publicado no jornal Zero Hora
Série semanal BELEZA INTERIOR
(Em todos sábados de 2011, apresentarei meu olhar diferenciado sobre as cidades, as pessoas e os costumes do RS)
p. 32, 15/10/2011
Porto Alegre, Edição N° 16856
Pedro Ortaça canta como quem duela. Veja o vídeo feito em São Luiz Gonzaga.

8 comentários:

Gisa disse...

Beleza estampada na letra é beleza perene.
Um bj querido amigo

Vinícius Ribeiro-Escultor disse...

Que lindíssima definição Sr. Carpinejar! Alma emotiva e observadora descrevendo com genealidade essa lenda viva chamada Pedro Ortaça. Como São-luizense, receba meu Muito Obrigado.

Nayara Prediger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ramiro Conceição disse...

Ufa!...

Fabro, após muitos meses de leitura e de espera, que bom vê-lo novamente, onde pulsa a vida. Viva o pampa poético! Feliz retorno!

EVOÉ!


AS FACES
by Ramiro Conceição

A inocência… é a Face de Deus.
A vaidade e o poder são aquelas
sutis e vis… dos demônios.


JARDIM DOS CASTANHOS
by Ramiro Conceição

Não tenho casa
porque a tenho
sob os cabelos.

Meu jardim dos castanhos
será o que verei, vejo e vi:
uma celebração ao existir.

Assim, quando vier o medo
em que o senhor é o escuro
da certeza de que - se é só,

uma alegria terei de dizer, ao olhar ao lado:
obrigado por te amar até o dia que findará
pela falta de sorte, que será a nossa morte.

vervedirlass disse...

Fabrício, realmente uma bela homenagem. Tanto é que, voce me fez lembrar, quando declamei na escola. Meu pai compôs letra e música para mim. Permita me mostrar, ao menos a letra.

EU SOU A PRENDINHA MIMOSA
ISSO QUEM DIZ É MEUS PAIS
NÃO GOSTO DE GENTE VAIDOSA
SOU GAUCHINHA LÁ DOS TRIGAIS

GOSTO DA TRADIÇÃO
DO MEU TORRÃO GAÚCHO
FANDANGO, CHURRASCO E CHIMARRÃO
QUE FAZ O GUASCA SEM LUXO

À TÍ, MEU DEUS BONDOSO
AGRADEÇO DE CORAÇÃO
POR NASCER NESTE GLORIOSO
RIO GRANDE DE TRADIÇÃO!

-Sinceramente, vervedirlass.

Jerlley disse...

Bom.

Visite (siga): antimateriadonada.blogspot.com

Natália Lescano e Vanessa Garcia disse...

Olá Carpi!
Somos psicólogas da Fundação Thiago Gonzaga - Vida Urgente, coordenamos um grupo de apoio a pais que perderam os filhos e admiramos muito teu trabalho.
Todo ano inauguramos uma placa com 30 nomes de jovens que se foram em uma praça em frente ao cemitério João XXIII, chamada Praça da Juventude Thiago Gonzaga.
Este ano a placa será inaugurada no dia 05/11, e seria uma honra para nós se tivéssemos uma frase sua na placa, antes de virem os nomes.
Até demos uma olhada na tua crônica para sua amiga Dora,mas não encontramos bem o que queriamos.
Gostariamos de uma forma de homenagear esses jovens, e temos certeza que tuas palavras seriam um presente!
O que achas?
Deixarei três e-mails para contato:
cidada@vidaurgente.org.br
transportadoradavida@vidaurgente.org.br
natalialescano.psi@gmail.com

Agradecemos desde já!

Natália Lescano e Vanessa Garcia

Anônimo disse...

'Toca,Gauchinho Toca, que o amor nos faz amar. Canta Missioneiro,Canta, tua voz me faz Sonhar...a Música do Pedro Ortaça é Retrato, é verdade levada a quem não sabe escutar...Dá sentido ao que eu digo há tempos...'Ninguém pode contigo quando Tu diz o que sente,desde que seja amor,tá tudo certo...Desde que cante as Raízes com Sonora realidade tá tudo certo também'
Aiai e esse jeito 'Guaranítico de cantar, me faz sonhar, me faz sonhar...nostalgia de um tempo que se foi, que não vivi e mesmo assim me volta as retinas...Canta Don Pedro Canta !
(Lisi Fernandez)

Bela Homenagem, Carpinejar ! Certamente através do reconhecimento ao trabalho alheio que Enxergamos os Grandes Homens ! és um deles meu querido !!