quarta-feira, 28 de agosto de 2013

CASULO

Arte de Eduardo Nasi

A carreira hoje está acima do amor.

Fico delirando o que me tornou tão diferente das novas gerações.

Não que seja velho — sou antigo.

Na minha visão, a profissão está em segundo plano, por mais que ame escrever.

Eu amo o amor mais do que escrever; sou casamenteiro de raiz.

Os cabelos da mulher amada são o travesseiro ideal. O sachê do quarto. O afrodisíaco de minha gana.

Sair da casa dos pais cedo, aos 19 anos, determinou o meu comportamento.

O que mais procurava era independência, morar fora, criar um apartamento com a minha cara. Passei a trabalhar aos 15 anos e, desde lá, não parei.

Juntava o soldo do mês e sorteava o que iria comprar: liquidificador, cadeira, pratos. Meus móveis foram rifas do meu salário.

Não concebia uma vida com os pais, atrelado aos pais, refém dos pais.

A aventura era ter uma pobreza somente minha, uma pobreza pessoal, mas que pudesse dividi-la com os amigos.

Enfrentei quatro casamentos, morei em dez casas, eduquei dois filhos. Não posso ser chamado de acomodado.

Jamais retrocedi, jamais desisti. A estrada não tem volta após a curva dos dedos do adeus.

Se entro em falência, me empresto dinheiro. Atravesso um mês economizando, não existe a hipótese de regressar ao ventre.

Os pais estão simbolicamente mortos para me dar a chance de viver com soltura. Minhas neuroses são próprias do relacionamento, não da infância. A infância é tarde demais, longe demais.

Entendo que o ninho está mais no voo do que na árvore. Meu temperamento não combina com a época.

Os filhos dos amigos ficam com os pais depois dos 30 anos, depois dos 40 anos.

Nunca abandonarão o lar, aguardam a herança do imóvel com animada resignação. Não sofrem com pressa ou com ambição doméstica.

São despreocupados com as despesas, como se estivessem sempre de passagem em sua própria residência.

Guardam suas economias para gastar com viagens e boemia. Para os prazeres pontuais da semana.

O quartinho de adolescente é quartinho do adulto e será quartinho de velho. A reforma é a única mudança possível.

Não se interessam em morar com o namorado ou a namorada. São visitantes ilustres. Hóspedes circunstanciais.

Seguem com seus trabalhos em primeiro lugar, realizam cursos e pós até a exaustão, colecionam mais diplomas do que desastres.

O paradoxo é que desejam a liberdade, não se prender a ninguém, mas não soltam as abas dos vestidos da mãe.

Como amar alguém sem se divorciar dos pais antes?






Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira

10 comentários:

Flávio P. Reis disse...

Puxa vida, Fabrício...
Você me fez repensar muita coisa nesse texto maravilhosamente perdido.
Obrigado!
Grande abraço!

Anônimo disse...

Nossa! Você conseguiu expressar tudo que define minha trajetória mas que eu não conseguia verbalizar. Só não tive os filhos, nos demais itens me identifiquei completamente. Sempre que as pessoas me olharem com o costumeiro estranhamento que acontece qdo tomam conhecimento da minha história acho que vou lhes entregar cópia desse post com seus devidos créditos claro. Abç Sara Rodrigues

Sheila Rodrigues dos Santos disse...

Tenho pensado muito sobre isso.... Hoje aos 26 anos tenho a certeza de que não devia permanecer nem mais um minuto morando com meus pais. Tenho essa agonia de ser tratada como criança com quase trinta... Vou me desprender... Suas palavras foram o sinal... Sim, eu acredito em sinais e no amor também!!

Bandys disse...

Cortar o cordão umbilical é mais difícil do que se pensa. Muito bem colocado seu texto.

Parabéns pela entrevista no Jo, gostei demais.

Beijos

krocha disse...

Cara, tu é um gênio!!!!!!!!!!!
Ontem no Jô, como sempre, deu um showwwwwwwww!!!!!!!!!!!

Franco de Paula disse...

Não dá mesmo para caminhar com as próprias pernas sendo dependente dos pais. Quem mora com os pais, também, raramente consegue viver um grande amor. Parabéns!

EVANI disse...

Texto incrível, muito bom...
Te vi ontem no Jô, e amei a entrevista, acho muito legal essa sua maneira de falar sobre coisas tão simples, tornando-as especialmente belas.
Sucesso sempre!
:)
Evani

Raquel Cascaes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Gregório Naves disse...

Suas experiências são apenas suas, blogueiro. E se vc as torna públicas e permite comentários, eu posso bedelhar por aqui e dizer que o que vale para vc só encontra eco em outros "encasulados" - não na casa dos pais- mas nas desculpas repetitivas dos que carregam neuroses vivenciais profundas. Aquelas que ñ podem ser disfarçadas nem com plásticas radicais, nem com um esforço sobrehumano em parecer bem resolvido. A vida é bem simples e satisfatória para aquele que ñ se preocupa em impressionar seu vizinho...

Natália Lopes disse...

Eu não acredito em amor ou casamento.
Se ter amor de seus próprios pais já é uma enorme vantagem,quase rara.
justo estes, que deveriam apresentar amor incondicional muitas vezes não o fazem em realidade.
Entretanto,acho que devemos ter o minimo de gratidão,ao menos financeira ,por quem nos sustentou por mais de 18 anos.
Afinal,eles não eram obrigados.Poderiam nos jogar no rio ou enviar-nos para a adoção.
Não é uma questão de amor,e sim de retribuição.Quitação de contas.

Tenho conceituado interna e pessoalmente que casamento é uma mentira,um impulso,uma febre que logo passa.
os interesses e utilidades mutuas se acabam e então não há mais nada.

:*