sexta-feira, 17 de outubro de 2014

DA BOCA PARA FORA, DE FORA PARA A BOCA

Arte de Giacomo Balla

Quem quebra a promessa de viver junto para sempre quebrará a promessa de ficar separado.

É uma questão de coerência.

Aquela pessoa que diz que nunca mais vai lhe procurar,  que vai sumir, que vai desaparecer, é a mesma pessoa que disse que jamais lhe abandonaria, que estaria para sempre ao seu lado.

Como ela não cumpriu a primeira promessa, é certo que não cumprirá a segunda.

Ela perdeu a longevidade da palavra. Suas palavras ora são ameaças ora são convites e tem a mesma tendência de persuasão.

As frases morrem: o que resta é o sentimento que elas escondem.

Não dá para acreditar na maldição da separação se o voto de amor eterno não foi respeitado.

Ela não conseguirá ficar longe, assim como fracassou para se manter perto.

Nem precisa sofrer por antecedência. Ela voltará.

Como a eternidade do relacionamento não vingou, a eternidade da separação seguirá idêntico caminho: logo estará diante dela de novo.

Não tem como confiar em alguém que afirma que abandonará o passado se antes ela já assegurou todo o futuro.

As casualidades são maiores do que a nossa consciência. O amor é maior do que as nossas ordens, o amor é um desmando.

O curioso é que, rompendo a jura de nunca mais se ver, ela termina regenerando o juramento de sempre ficar junto.

A vida é estranha. Não tem como consertar, que é somente piorá-la.

Ouça meu comentário na manhã de sexta-feira (17/10) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Leandro Staudt e Jocimar Farina: 

2 comentários:

Sidnea Barbosa Flores disse...

É mais ou menos como um vaso trincado, jamais terá o mesmo valor! Mt inteligente o seu texto! Parabéns!
Gd abraço

DIVAneios disse...

não tem um texto seu que eu leia e não sinta vontade de te abraçar e agradecer.