segunda-feira, 31 de outubro de 2016

NO TEMPO EM QUE TODOS ESTAVAM VIVOS

O aniversário nunca será na fase adulta como na infância. Não haverá mais a longa véspera da meia-noite, entre dormindo e acordado, naquela vigília pelo presente. Não haverá mais o lar em completa algazarra por uma única pessoa: você no centro do mundo, uma pessoinha de pálpebras rápidas, piscando diante da mãe preparando a panela de brigadeiro, as forminhas de salgados e cuidando para o
bolo não afundar acendendo e apagando a lâmpada do forno. Não haverá mais a estranha exclusividade de provar qualquer doce antes do almoço.

Um exército de mãos rompe a rotina para dar conta das atividades domésticas acrescida de novidade de seu aniversário.

E não é obrigado a fazer nada, a não ser assistir ao espetáculo de seu nascimento a ser repetido fora do ventre. Os irmãos não lhe machucam, não implicam, oferecem um indulto abençoado de gracejos. Colegas lhe tratam bem e com respeito, existe uma veneração de brilho, tios e tias mexem em seu cabelo, roubam beijos, brincam com a demarcação de sua breve existência com a marionete dos dedos.

Você só tem que apenas esperar uma surpresa depois da escola denunciada em cada riso da família. Não passou por nenhuma dor e separação para estragar a alegria, nenhuma cadeira estará vaga pela morte ao redor da mesa. Os avós estão ainda vivos e vêm de longe com suas malas xadrez do interior e pacotes improvisados longe das lojas.

A memória não é maior que a imaginação. Desperta da cama, como se fosse um sapato de couro envolvido em papel seda dentro de uma caixinha. Você colocará chapeuzinho cônico, com o elástico apertando o queixo imberbe. Soprará as velas com a ajuda dos outros, o melhor aniversário é do tempo em que não tem força no pulmão para apagar a chama da vida.

Assim que você cresce, a festa é um fingimento – um alegre fingimento, mas fingimento –, enfrentará o trabalho de convidar os amigos e de negociar os presentes, sofrerá com alguma perda e gafe. Precisará receber os convidados e não poderá parar um minuto de servir e ver se se todos estão felizes, comendo e bebendo.

Acabou a comemoração inconsciente, acabou a sensação de medo bobo, acabou o olhar guloso ao teto repleto de balões coloridos para definir qual deles levará para voar dentro do quarto.

Quando crescemos, os aniversários são solitários mesmo de casa cheia. Casado ou solteiro, ficará responsável pela sua alegria. Ninguém mais aplacará a expectativa e resolverá a carência. Persistirá a consciência de que estamos envelhecendo mais do que inaugurando uma idade.

Publicado no Jornal Zero Hora - Caderno Donna
30.10.2016
Coluna Semanal

6 comentários:

Allan C. Zanetti disse...

Triste, mas verdadeiro. Como foi bom ter sido criança e aproveitado as festas de aniversário em casa!

Ana Carolina Cunha disse...

Perfeito! Não tenho paciência pra festa de aniversário minha, gosto mesmo é de ser convidada!

Ana Carolina Cunha disse...

Perfeito! Não tenho paciência pra festa de aniversário minha, gosto mesmo é de ser convidada!

Ana Carolina Cunha disse...

Perfeito! Não tenho paciência pra festa de aniversário minha, gosto mesmo é de ser convidada!

Varlice disse...


Mesmo já sendo uma senhora de 65 anos completados na semana passada, ainda gosto de comemorar meu aniversário.
Esse dia para mim continua sendo especial, inaugurando um novo ano, repleto de novidades boas e encontros felizes.
- Vai ver estou caduca, pensou Poliana.
...
Imagino que tenha sido seu aniversário ontem.
Parabéns! Excelente ano para você, Fabrício.

Tulio disse...

Muito bom o texto!! Essa "pitada de Bukowski" foi ótima!!