quinta-feira, 28 de outubro de 2010

DESPACHO DA ESQUINA

Arte de Allen Jones

Conservo algumas pistas sobre a acidentada existência masculina. Pistas!, pois não tenho caminho, só o morto tem.

Antecipo uma delas. Na ausência de culpa, o homem reage mansamente quando sua mulher mexe no seu e-mail, no seu celular ou revista sua carteira. Não fará drama, não subirá no palanque para prometer pena de morte. Ficará ofendido, claro, mas não acabará com o relacionamento, muito menos despejará frases cortantes como “não dá mais”. Acompanhará o que ela tem a dizer e tratará de explicar ponto a ponto, redimindo enganos e distorções.

Marido inocente tem paciência. É incrível, sente-se feliz pela rara chance de exibir a ficha limpa e protagonizar merchandising da aliança. Desenvolverá uma generosidade imprevisível, vai dar colo ao choro e pedir que ela esqueça o desentendimento.

Ele é uma fera apenas quando sabe que tem alguma coisa de errado. Ao aprontar e fazer jogo duplo. Ao manter mensagens duvidosas e insinuações comprometedoras das outras. Não está magoado porque ela fuçou seus pertences (já perdoou a mãe por procurar toco de maconha em suas roupas), mas porque é bem provável que ela encontrou uma prova.

O pânico é a manifestação do crime. Tentará reverter sua posição defensiva em alucinado ataque, encenará a sina de vítima, com a ladainha de que viver assim é doentio ou de que amor nada é longe da confiança.

Quem não deve não teme e paga antecipado. Homem culpado é mais afetado do que mulher histérica. Uma ópera de leques e bufos. Negará antes mesmo de ouvir tudo. Ameaçará antes mesmo de sustentar o contraditório.

O infiel também experimenta uma TPM. Já entra em crise perto da data de receber a fatura do cartão de crédito e da conta do celular. Muda a respiração com o barulho do torpedo. Sofre muito antes de tudo eclodir, cheira a comida com medo de se entregar diante de silêncios demorados. Exagera nos modos e nas portas batendo. Não quer conversar, quer sair logo de perto. De tanto adiantar explicações desde que acorda, sofre de um cansaço mental. É a primeira vez que ela toca no assunto, porém é a centésima que ele pensa.

Homem que traiu age como se ele fosse o corno. Troca os papéis. Como está enganando em segredo, intui que será enganado sem perceber. Delira que ela é igualmente dissimulada. Por receio da vingança, toca o terror a cada questionamento. É a criatura mais possessiva que existe, conhece com domínio suas versões falsas e projeta na companhia as escapadas que vive criando.

Sujeito de consciência tranquila não se apavora com a crise, respeita os despachos da esquina. Pega emprestada uma vela para iluminar a próxima briga.





Publicado no jornal Zero Hora
Interino de Luis Fernando Verissimo, p. 2, 28/10/2010
Porto Alegre (RS), Edição N° 16502

29 comentários:

Professora Carla Fernanda disse...

Olá! Bom dia! Blog muito legal o seu. Estou te seguindo.
Carla Fernanda

Por que você faz poema? disse...

Um grande criminoso não manifesta emoções,
um marido infiel pode ser tão tranquilo quanto uma tarde silente e modorrenta no interior.

Deborah disse...

bom dia querido. que fantástica sua revelação, porque é a mais pura verdade.


beijos

Deborah

karen disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maraguary disse...

Concordo contigo, mas concordo também com o "Por que você faz poema?"... Homens infiéis são imprevisíveis. De uma coisa estou certa, se o tal nunca liga pra saber como estás, se nunca chama no skipe pra saber como vai seu dia, e de repente, sem mais nem menos faz isso, pode ter certeza: ele só quer saber "onde" ela está e se está seguro pra sua pulada de cerca... Triste e verdadeira constatação.... Triste demais que as pessoas mantenham relacionamentos quando há a vontade de estar solteiro e livre pra outras aventuras. Não me canso de perguntar: por que não separa?
PS.: Você existe? Se não tivesse te assistido no Jô diria que não, raridade!

Maria Julia disse...

Incrível... somos exatamente assim, mulheres histérias que sempre que podem fuxicam na vida dos outros e homens apavorados se estão com rabo preso :)

Orianna R. Alves disse...

Excelente texto.
Adorei.

Tania Aires disse...

Mais uma vez, sensacional esta crônica!!!! O título então... Vida longa!!!

Vampira Dea disse...

É bom ver isto escrito por um homem pq sempre tive a certeza de que é isso mesmo que acontece.
Parabéns por ser assim assumidamente vc, gostei de te ver no Jô

Jacelena Dourado disse...

É, a verdade é que quem não deve não teme!!
srsrrs

Cacá disse...

É bem verdade que os que não devem dormem o sono dos justos. Mas tem os que traem profissionlamente e estão chegando ao crime quase perfeito (pelo menos em dissimulações.rsrs). Abraços. Paz e bem.

Anônimo disse...

Já tive um assim, fazia drama, dizia que a mulher era louca por este tipo de comportamento:tocar no celular, olhar a carteira ou abrir correspondências até mesmo olhar para o computador quando estava usando era motivo de escândalo...
Diga-se escândalo!
Se você e casada com o dito o mínimo é poder pelo menos abrir as contas , mas se tinha o nome dele, Jesus o homem virava outro ser.
Mas enfim, amei você ontem em Caxias

Ketlin disse...

Adorei!!! parabéns!! tenho te acompanhado e a cada dia gosto mais do seu trabalho!! abraços e mto sucesso!!

Anônimo disse...

À Anônima das 14:41. Veja bem, se você acredita que a individualidade inexiste em uma relação, é preciso rever os seus conceitos. Ao mesmo tempo, aposto que você, quando usava o computador, o colocava de lado para que "o dito cujo" não visse o que estivesses fazendo. E, também, é preciso destacar que, devido a esta individualidade, as correspondências destinadas a ele não tinham o seu nome. Portanto... Para ser respeitada, é preciso respeitar, acima de tudo, e não invadir a privacidade do outro sob o disfarce da "vida conjunta". Menos, bem menos. Se você deseja uma pessoa que não tenha individualidade alguma, esta pessoa será uma nulidade para ela e para você...

Aninha disse...

Obrigada pelas dicas nobre escritor. :-)
Se não se importar vou compartilhar seus textos com meus contatos! Claro que com os devidos e merecidos créditos!!
Que você tenha mais e mais e mais inspirações para agradar os nossos olhos!Abraço!!!

Regina VR disse...

Vc não teme ser odiado e perseguido por entregar os truques dos traidores de carteirinha, dos falsários do sentimento que dizem sentir?
Você é LINDO rapaz!!
Que Deus faça zilhões de réplicas suas e espalhe por ai!!!
Vc é NECESSÁRIO!!!!!!!!!!
Um abraço!!!

theresa brahm disse...

crônica deliciosa!

Dizem por aí... quando um homem casa, ou trai sua natureza, ou trai sua mulher. hehehehehe

Juliana Souza disse...

Os homens negam até a morte,de forma tranquila ou não, uma traição.Pelas pistas não o condenaria,mas pelos olhos talvez se entregasse.

Anônimo disse...

Parabéns. Como sempre textos inteligentes,com humor... Agora, aqui pra nós; Papo Canalha, prá seduzir Mulher Perdigueira, Serial Killer e sua legião de fãs, que confundem ficção e realidade. Por que só os amadores ficam fora da casinha quando tem sua privacidade devassada! KKK

onzepalavras.com disse...

PQP...como é difícil escrever o óbvio. E como é bom, quando bem escrito.

Em sua próxima oficina no b_arco estarei lá. Absoluta certeza.

Abraço, Ana

A Mina do cara! disse...

gostei daqui, é a primeira de muitas visitas.

um abraço

Suzana disse...

E quando ele reage calmamente diante de provas, alegando que é justamente a calma a prova da inocência?

Claudia disse...

Monogamia é viável? É possível? Ocorre por escolha própria ou imposição social? Pergunto porque também não sei. Como é essa questão em sociedades não ocidentais, onde não houve queda do paraíso?

Rossana disse...

Post! Maravilhoso como sempre!
Abraço!

Ana SS disse...

Vc é o "mister m" dos homens, revelando segredos!
:)

L.M. disse...

Gosto muito da sinceridade com que escreves.
vou seguir o seu blogger com certeza. :)

L.M.

Anônimo disse...

Muito interessante e verdadeiro. Toca no fundo de quem já fêz isso, muito bacana.

Gabriela. disse...

AI Fabricio, vc que é sempre tão consolador, hoje vai ser tema duma DR!

Eu SEMPRE pensei e desconfiei disto, era lógico, pensava: vc devia estar rindo da minha cara e da minha desconfiança e não bater a porta.

Que bom que logo vc disse isso, nunca ninguém de cacife escreveu sobre para que eu tivesse gabarito de citar, obrigada, hoje aquele safado me paga! rsrsrsrs

Juliana Oliveira disse...

adorei de mais, simplismente PERFEITO e super verdade.
VOCÊ arraza! parabéns!