sábado, 8 de janeiro de 2011

UM PASSEIO PELA ALMA DO ESTADO

Fotos de Mauro Vieira, Diego Vara e Daniela Xu

A série Beleza Interior vai percorrer o Rio Grande do Sul à procura de histórias inusitadas, personagens inesquecíveis e pontos de vista especiais. Será uma cidade por semana até o fim do ano. Traçarei um mapa poético e engraçado da família gaúcha.

Viajar é um hábito que herdei de casa. Meu pai, Carlos Nejar, também poeta, era promotor de Justiça. Cada filho nasceu numa comarca. Aparecia a promoção e pimba!, comemorava-se com um filho. Não posso reclamar. Não surgi do vazio do desemprego, e sim da pressa da alegria.

Lembro das longas viagens por Itaqui, Erechim, Guaporé e Livramento. Estradas de chão batido, curvas apertadas e um terço branco no retrovisor. Havia a tradição de parar na estrada para encontrar o pastel perfeito. Mantenho a caderneta surrada com a avaliação da massa e do recheio, a nota máxima foi 9,4 em São Lourenço. Naquele tempo, as crianças iam atrás na cachorreira, forrada por um pelego vermelho. Bem coisa de gaúcho. Brincávamos de descer pelo porta-malas. A mãe segurava o chimarrão no banco da frente e os manos brigavam para se apoderar da janela.

É emocionante ver que a trupe inteira tomou gosto pelo destino cigano do Direito. Carla já esteve em São Borja, Camaquã, Taquara e Alvorada, hoje é promotora em Porto Alegre. Rodrigo passou por Agudo, Lajeado e Nova Prata, hoje atua no Ministério Público de Gravataí. Miguel incursionou por Novo Hamburgo, Salto do Jacuí e Agudo, agora é juiz em São Sepé. Arriscado definir qual integrante tem a maior quilometragem no carro.

Eu segui pelo caminho torto da literatura. Mas o destino é o mesmo: o amor ao sotaque.

A estreia é Caxias do Sul, minha cidade natal. Afinal, não é fácil ser gringo. Há toda uma arte, uma costura de rituais e de temperamento. A terra da Festa da Uva, pérola das colônias, pode revelar o segredo milenar, explicar essa existência apaixonada e febril, que envolve em especial os descendentes de italianos.

VIDA DE GRINGO

Para ser gringo, um pré-requisito é contar com uma nona como Dona Ilha, 84 anos

O gringo é um estado de espírito espalhafatoso, evidenciado pelo senso de humor, princípios morais fortes e aspereza afetuosa.

Não age, reage, sai discursando no cumprimento. Sempre está se explicando. Não pergunta se vai chover, faz chover. Fala com os gestos, as mãos prolongam as cordas vocais. Tem razão quando não tem razão. O que interessa é ser ouvido.

Como graceja o livreiro Arcangelo Zorzi Neto, o Maneco, 54 anos, a última palavra sempre é do marido:

– Sim, senhora!

O gringo gosta tanto de si que suas manias escapam das críticas e assumem o aspecto simpático de eufemismos: não é gritão, é passional; não é fofoqueiro, é preocupado.

– É preciso comer muito, colocar religião no tempero, preferir macarrão colorido e molho ao sugo, ser ciumento, provocar quem ama, gritar palavrão quando o dicionário não basta – explica Terezinha Onzi Sperafico, 70 anos.

Gringo não fica sozinho, está eternamente recrutando parentes. Abusa de cores fortes: verde, vermelho, laranja. Alterna as tintas das paredes para mostrar que a morada nunca é a igual, mas variada por dentro. Também não joga nada fora. Adora colecionar cacareco. A residência terá um quartinho, para conservar objetos e móveis antigos. Segue à risca o mandamento de “guardar, pois pode precisar um dia”.

Seu sotaque é uma assinatura no vento. Troca o “ão” do final das palavras pelo “on”: Manson, monton, avion, televison. E os dois erres por um somente, numa simplicidade infantil: Caroça, gara, Sera, churasco.

O gringo criou uma coreografia peculiar nos passeios pelo centro da cidade. Famílias andam engatadas pelos braços nas ruas Júlio de Castilhos, Sinimbu e Os 18 do Forte. Como se fosse um arrastão, um cabo de força. Tomam a lateral da calçada.

– É uma forma de se proteger e de estar próximo dos ouvidos para falar bem ou mal dos outros – ri Renata Paim Bossardi, 26 anos.

As esquinas funcionam como uma seção de achados e perdidos. A tática é parar numa delas quando um familiar some nas andanças pelas lojas. O trio de baianas, formado pela mãe Eliana Debon, 54 anos, e suas filhas gêmeas Thaís e Thaína, 24 anos, adotou o hábito.

– Quando a gente se extravia, esperamos na esquina, é um caixa 24h de pessoas – afirma Thaís.

Em Caxias, a base é a família, a identidade é o trabalho.

Numa conversa, a pergunta “Em que você trabalha?” vem em primeiro lugar. A segunda questão refere-se à família: “Já casou? Tem filhos?”. Descobrir o nome é de menos, inclusive porque gringo tem apelido.

– Não ter família aqui é ateísmo. Até hoje há a prática de interromper qualquer tarefa para almoçar em casa – pontua o escritor Paulo Ribeiro, 50 anos, professor da Universidade de Caxias do Sul.

A refeição é farta, em grandes porções. Não é somente nas galeterias que ocorre um rodízio faraônico, mas pela rede inteira de restaurantes. Talvez seja o único ponto gastronômico do mundo em que o bauru é um bufê.

– A gente almoça pensando na janta – descreve a artista plástica Mara de Carli Santos, 56 anos.

A preocupação com emprego se deve às grandes indústrias da região, o segundo maior polo industrial metal-mecânico do país.

– É incrível, enfrentamos engarrafamento às 5h, com o pessoal indo para fábrica – avisa Ribeiro.

Para ser mesmo gringo, um pré-requisito inadiável é contar com uma nona. Vó recebe a promoção ao completar oito décadas.

Ilha Facchin Mantesso, 84 anos, atingiu o estágio. Viúva, vive cercada dos mimos de seus dois filhos e dois netos, que se enraizaram no bairro Panazzolo de propósito, para vigiá-la.

– Não tem como fazer segredo em família de gringo, as coisas são às claras.

Deitada no sofá ou secando a louça, ela não se descola da elegância. Sente-se viva em movimento, cuidando da ordem doméstica. Diz que gringo não pede desculpa, agradece a Deus.

– Graças ao bom Pai, não fiz maldade, a não ser afogar gambá – brinca.

Uma das catequistas pioneiras de Caxias do Sul, contadora de histórias de quatro gerações, não reclama da falta de infância e dos sacrifícios na roça e no plantio de uvas. Seus olhos claros são o álbum da família. De imigrantes de pés descalços e uma vontade férrea de repetir a Itália do outro lado do oceano.

– Ser gringo é carregar enxada que nem louco: saco vazio não permanece de pé – confessa com a convicção de quem tem a alma extraordinariamente cheia.







Publicado no jornal Zero Hora
Série semanal BELEZA INTERIOR
(Em todos sábados de 2011, apresentarei meu olhar diferenciado sobre as cidades, as pessoas e os costumes do RS)
ps. 4 e 5, 08/01/2011
Porto Alegre, Edição N° 16574
Participe no Facebook

9 comentários:

Loira da Pasta disse...

Coisa linda tudo isso!!! Pude sentir o cheiro da casa, mesclado às plantinhas nos vasos improvisados de extrato de tomate... Saudades do que já passei bem perto, mas não viví. Os que testemunhei, cujos obstáculos da vida pareciam ser só brisa de mar, disseram: vento minuano é só pra gente de verdade.

Seu artigo me fez muito bem :)

BsVoxx disse...

Fantástico, Acabei de descobrir mais uma nova identidade ... de onde vem o sotaque inexplicável daqui de casa quando estamos nervosos ... Somos Gringos ...

Lenir M.Silva disse...

Puxa! me senti uma "gringa" vivendo no RJ, que insiste em dizer "Uai!" quando fico irritada ou espantada com algum absurdo. Adorei o artigo..me deu saudade da minha Minas Gerais, Uai!

DIREITO PENAL disse...

Queridos amigos, "passeando" pela net, me deparei com este blog, naveguei um pouco lendo algumas matérias, achei interessante e, digamos, de utilidade pública, porque tem assuntos de interesse de uma grande maioria da sociedade, estou me inscrevendo para receber novas notícias e artigos pelo email, e aproveitando a oportunidade faço-lhes um convite para que entrem nos meus blogs: http://ramosdodireito.blogspot.com neste blog estou postando artigos de direito e; http://coutoviana.blogspot.com, neste estou disponibilizando o Código de Processo Penal, onde estou postando um artigo por dia, comentando-o, os artigos estão sendo postado como: O PROCESSO PENAL NO CAMPO DAS NULIDADES", além disso, poderemos discutir assuntos de seu interesse e de interesse geral.

Às mulheres em geral formulo o convite para visitarem o blog destinado principalmente a vocês, independentemente da profissão que exerçam, assim não deixem de clicar em http://produtinhosnocabelo.blogspot.com tenho certeza de que encontrarão sempre algo novo que as deixarão ainda mais bonitas... por fora, porque por dentro já o são.

Colocamos também no ar um blog destinado às pessoas e empresas que tem problemas com restrição ao crédito, onde tentaremos ajudar aconselhando e mostrando o melhor caminho para resolver o problema, deixando um canal de comunicação diário onde o seguidor do blog: http://reabiliteocredito.blogspot.com, poderá expor o seu problema que em seguida daremos a resposta.

Aproveito para desejar a todos um FELIZ ANO DE 2011

Cristiane Pagnussat Cechetti disse...

Sou uma gringa mesmo, me vejo assim como vejo minha família em cada palavra. Somos realmente isso: com a nona, com a mesa farta e com as gritarias. Que orgulho!


Sou ainda mais fa depois desse texto. Fiz um post sobre o Carpinejar e a Cynthia no meu blog... Sao partes do meu dia-a-dia, com certeza.

www.tudooquemeatrai.blogspot.com

Anônimo disse...

No mundo literário seu caminho é torto, mas suas passadas aprumam seus arquivos do saber, deixando-o a cada dia aditivo para o correto, apaixonado e apaixonante. Diante da vida com todos os seus acessórios, disponha olhares atentos, mas voltados para as mãos que cultivam nas plantações das mentes, belas palavras para assim todos colherem excelentes textos e poemas. Herdeiro genético, viajante sem malas, deixe nesse espaço suas bagagens poéticas literárias, enquanto os tempos registram outras histórias.
Margareth.

Cacá - José Cláudio disse...

Admirável este trabalho, tanto pelo conhecimento que nos agrega quanto pela lírica que você imprime nas histórias e personagens. Um Guimarães Rosa aí no sul. Isso é muito bom! Abraços. Paz e bem.

lisandropessi disse...

O Gringo, sem as mãos para gesticular, fica mudo.

Malu Giaffone disse...

Sou nascida em Santos, litoral de SP, filha de um paulistano de ascendência italiana e de uma mineira mezzo italina mezzo caipira. Não temos ligação com o Rio Grande, mas posso dizer que em casa também somos gringos. Viva as taças e copos derrubados ao gesticular, sempre em volta da mesa cheia! Lindo texto, como tudo que já li seu.