terça-feira, 24 de setembro de 2013

LOJA DE HORRORES

Arte de Lauren Hamilton

Confesse que já aconteceu com você!

Experimenta um vestido na loja, adora, decide comprar, levita com o pressentimento de usá-lo, imagina qual será a ocasião, sonha com os movimentos do quadril, cogita onde irá estrear e com quem, mas o feitiço não dura nem duas horas. É como penteado em salão. Na hora em que aterrissa na residência, o vestido não é o mesmo. Não adere como antes. Não tem o mesmo efeito hipnótico. Não parece raro e indiscutível, você não alcança o que gostou tanto no caimento e nas costas, parece normal e trivial, não vale a metade do investimento, bate uma raiva de que gastou à toa e agiu por impulso consumista, jura que foi enganada pela pressa ou pela carência do armário. O que entrava fácil custa esforço, tempo e paciência e transmite a incômoda sensação de que pegou o número errado sem querer.

Este é o tormento de minha amiga Claudia Tajes. E o martírio é coletivo, responsável por destruir a maior parte das fantasias românticas.

Chegamos à conclusão de que o espelho da loja é diferente do espelho de casa. Não vieram de igual fábrica. Não pode ser de idêntica fibra. Deve conter algum ondulamento salvador, um reflexo de circo, uma profundidade espírita. Algo ocorre que não se prevê.

Não é loucura, não é histeria – os terapeutas também padecem desse sofrimento.

Há uma mudança de ares certamente, de atmosfera que ajuda a miragem. Talvez a iluminação da loja privilegie a tez da pele, assim como os filtros da câmera salvam fotos desfocadas. Testemunha-se um impacto alucinógeno no provador. Talvez seja obra das cortinas. Abrir e fechar as cortinas confere um andamento de teatro que melhora a roupa. É como um abracadabra, um passe de mágica, um aviso de que o espetáculo vai começar. As mulheres se enxergam como personagens, livres dos limites da própria vida e da cintura. Uma ideia seria colocar mais cortinas no apartamento, e não somente nas janelas. Cortinas nas portas para perpetuar a ficção e o palco. Seria uma saída, não uma solução.

A certeza da aquisição que se torna dúvida no lar é um mistério inviolável, como a fórmula da Coca-Cola e da Minancora. O provador possui um esquema de lambe-lambe, de câmera escura, isola aquele momento do mundo e dos barulhos familiares. É como uma cabine de desmaterialização. O corpo é outro, emagrece milagrosamente, como os lutadores do UFC na véspera do enfrentamento no octógono.

Uma das hipóteses é que a respiração fica mais tranquila. É quase uma aula de ioga, uma saudação ao sol. Todo mundo está cabeludo de saber que prender a respiração é o melhor zíper do jeans – a fobia asmática apenas surge em casa, quando se está sozinha novamente e o desespero paga para ver.

Claudia Tajes não cansa de devolver suas roupas, nem tira mais as etiquetas. Vive colecionando tíquetes de estacionamento dos shoppings.

Só a poesia para ser fiel à beleza feminina.






Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 24/09/2013
Porto Alegre (RS), Edição N° 17563

8 comentários:

ana disse...

É o confronto da imaginação com a vida real. Na loja, é o eu idealizado que olha para o espelho. Em casa, o cenário
familiar dilui qualquer fantasia, e o vestido fica brilhante demais, o sapato fica alto demais. E às vezes nem é preciso chegar em casa. Já na saida da loja sentimos o ar frio da realidade .
Sou como sua amiga. Eu nem tiro mais as etiquetas, pois sei que vou trocar por uma coisa mais operacional, digamos assim...

camila barbieri disse...

Eu sempre penso assim quando me olho nos espelhos das lojas. Mais magra, mais alta, cintura mais fina...E quando chego em casa a verdade é desoladora... O vestido não entra... está muito curto... Ai ai ai ... Mulheres!

NetDaniels disse...

Antes de chegar aqui estava lendo sobre um batalhão israelense chamado Caracal. É um batalhão de infantaria que opera na fronteira do deserto do Sinai. 70% dos membros são mulheres. Todas de camuflado, caindo dentro, mandado ver e lindas.
Li a crônica, comparei com as mulheres do caracal. Começo a pensar que que o feminino espartano é mais interessante que o feminino ateniense dos vestidos.

A Ex de Murphy disse...

Realmente uma descrição precisa da relação feminina com os provadores.
Concordo que tem algo na iluminação e no formato dos espelhos que mexe com a percepção da gente... E acho que quando existe uma etiqueta de promoção a coisa tende a ficar ainda mais grave...

Anônimo disse...

Olá Sr. Fabrício Carpinejar sou uma estudante da EMEF Arthur Pereira de Vargas e queria saber como ficou a olimpíada de português la da ULBRA, já faz um mês e nós alunos que passamos para a final queremos uma posição,a nossa diretora ja entregou medalhas pela nossa participaçao e ninguem fala nada com nada nao dao uma posiçao concreta e ficou como caso encerrado,você acha que é justo nós alunos que nos esforçamos ficarmos no prejuizo?Queremos a sua opiniao.
Atenciosamente/Aline

Azideias disse...

Escrita inigualável, admirável, invejável.

Suélyston disse...

Olá, Quer ganhar dinheiro com seu blog?

Participe de nosso site onde nossos membros se cadastram em programas de afiliados, inserem o banner do programa no blog e trocam cliques com os demais membros, assim todos saim ganhando.

Funciona mesmo! Então não perca tempo pois nosso site é limitado a 500 pessoas. Garanta sua vaga!

*Estimativa de lucro de R$400,00 por mês
*Você faz seu próprio horário
*Você faz seu trabalho diário em menos de 1 hora
*Não precisa ter experiência
*Não se trata de marketing multi-ní­vel
*Não se trata de pirâmide
*Sem nenhum custo inicial
*Sem mensalidades fixas
*Sem precisar indicar pessoas
*Sem precisar comprar nem vender nada

Acesse e cadastre-se: www.grupotcb.com

Se tiver alguma dúvida, pode nos enviar um e-mail: contato@grupotcb.com

Att,
Grupo TCB

Simone Ramos disse...

Olá Carpinejar!

Sou sua seguidora de n°10000 \0/

Vivaaaaaaa!!!!!!!!

Eu poderia ganhar um livro seu autografado nerá? Pra comemorar.

Abs