quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

COMO O HOMEM E A MULHER FALAM QUE BATERAM O CARRO

Arte de James Ensor

- Amor?

- O quê, como está o passeio, gostando?

- Sim, os amigos estão gostando bastante...

- O que foi? Tua voz está estranha.

- É que eu passei pelo Parcão, tomei chimarrão com Cássio e Helena no lago, está um dia ensolarado, lindo mesmo, muitas crianças brincando, uma alegria de árvore balançando, pena que não veio, conversávamos sobre a importância do bigode na construção de ditadores. Sem bigode, o homem deixa de ser tirano, não concorda?

- Concordo, há exceções barbudas, mas a barba não deixa de ser um falso bigode... Mas qual o problema?

- E também descobri que cachorro tem olhar de mendigo e gato de voluntário de uma ONG.

- Hahaha, só você para pensar isso.

- Entramos de volta ao carro e tomamos a Hilário Ribeiro, a Luciana de Abreu, eu tentei colocar Vitor Ramil no CD novo, não achava o buraco e queria manter o interesse deles pela cidade, falava e tentava encaixar o CD e segurar o volante, não podemos desperdiçar nenhum momento, nunca sabemos ao certo quando o casal de Sampa poderá voltar, né? Pena que não veio.

- O que houve?

- Eu me distraí um pouco e lembrava o Puppi Baggio, o restaurante que nos conhecemos, aquele em que pediu a garrafa mais cara da adega para me impressionar. Depois que o garçom abriu e tu provou os R$ 500 de sua conta, eu contei que não bebia.

- Hahaha, é verdade, a gente somente passa a amar quando os sonhos improvisam e mudam os planos.

- É isso que eu desejava falar, amor.

- O quê?

- Eu bati o carro!

* * *

Mulher nunca é objetiva, raciocinou Francisco, escutando o longo blábláblá ao telefone daquela senhora.

Manuela ligou para o marido e dizia coisas que não tinha conexão com o tenso momento, que poderiam ser postas de lado.

E Francisco estava louco para retornar ao Bom Fim, mas estava parado no meio da rua porque aquela mulher bateu de leve na traseira de seu Gol.

Como todo homem, odiava esse escândalo de parar o trânsito, as buzinadas, a curiosidade mórbida dos passantes. A vontade era gritar: - Não fui eu, pare de olhar! Porque todo homem teme que seja culpado por um acidente, parece que fere sua masculinidade, destrói sua reputação.

Ele pegou o celular, já estava atrasado para o encontro com Cris.

- Cris?

- Sim, tá chegando?

- Não, bati o carro. Vou resolver aqui e depois te conto.

Não sei o que é pior, a preliminar feminina para dizer que bateu o carro ou o jeitão direto e seco masculino que não explica mais nada e abandona o familiar com o coração na mão. Com o tutututu da chamada desligada.

(Textos gigantes de minha autoria foram espalhados por diferentes pontos de Porto Alegre e depois reunidos no livro "Conto a Céu Aberto" - Fiateci/Rossi)

12 comentários:

Elaine Andrade disse...

Muito bom!!! rs

Vou ter esse texto sempre a mão, quando pintar uma " urgência" recorro a ele antes do anuncio final.

Bjão

Mai disse...

Lendo aqui, os dois são engraçados.

O enrolaenrola é um pé no saco, mas a sutileza do rinoceronte também emputece.
Enfim, ainda bem que somos diferentes.
[mas nem toda mulher é assim.]

Muito bom!

Kauana Maria disse...

(:

Tatiana Lazzarotto disse...

Sempre fui mais objetiva. Confirmando o ditado, meus namorados sempre foram de enrolar mais. E poucas coisas tendem a me irritar mais que isso.

Yohana d'Arc disse...

Rs...verdade, tb não sei o que fica pior...não sou provida de paciência para grandes introduções ao assunto central mas a notícia dada sem tempo para demais explicações tb é digno de um clássico descontrole feminino!rs... abraço e sucesso!

Ludmila Rohr disse...

rss...muito bom!

bati o carro uma vez e liguei para o meu marido na hora, aos prantos!!! O detalhe é que ele estava nos EUA trabalhando....

..acho que chorando é a melhor forma de contar...rss

Layla Barlavento disse...

Muito bom mesmo!

Abraços!
Layla Barlavento
culpadowalter.blogspot.com

priscila lima disse...

que ótimas coisas ainda encontramos pela internet. deixa até o dia mais feliz. =)

edneiamota disse...

Uhm, bem melhor a forma feminina de contar. Mais simpática, parece uma pequena novela da vida diária. É a parte que esgota a poesia da crônica :)

Milena Gomes disse...

Mulheres, seres cheios de delongas! FATOO!

F.S.S disse...

O pior dos dois é o homem, pô! Francisco já tava atrasado pro encontro e a Cris, pior que ter que ficar esperando, ficou esperando SEM EXPLICAÇÕES.

Há algo mais angustiante que ser cúmplice sem saber do que se trata?

Anônimo disse...

Adoro as coisas do cotidiano. Alguns Homens são de vênus e algumas Mulheres são de Marte mesmoooo
Mas as vêzes se invertem os papéis.Concordo com
F.S.S Pobre da Cris!
Amei a crônica!

ARLETE.