quarta-feira, 25 de maio de 2011

INJUSTIÇA

Arte de Cínthya Verri


— Não confie na frase de sua avó, de sua mãe, de sua irmã de que um dia encontrará um homem que você merece.

Não existe justiça no amor.

O amor não é censo, não é matemática, não é senso de medida, não é socialismo.

É o mais completo desequilíbrio. Ama-se logo quem a gente odiava, quem a gente provocava, quem a gente debochava. Exatamente o nosso avesso, o nosso contrário, a nossa negação.

O amor não é democrático, não é optar e gostar, não é promoção, não é prêmio de bom comportamento.

O melhor para você é o pior. Aquele que você escolhe infelizmente não tem química, não dura nem uma hora. O pior para você é o melhor. Aquele de quem você procura distância é que se aproxima e não larga sua boca.

Amor é engolir de volta os conselhos dados às amigas.

É viver em crise: ou por não merecer a companhia ou por não se merecer.

Amor é ironia. Largará tudo — profissão, cidade, família — e não será suficiente. Aceitará tudo — filhos problemáticos, horários quebrados, ex histérica — e não será suficiente.

Não se apaixonará pela pessoa ideal, mas por aquela que não conseguirá se separar. A convivência é apenas o fracasso da despedida. O beijo é apenas a incompetência do aceno.

Amar talvez seja surdez, um dos dois não foi embora, só isso; ele não ouviu o fora e ficou parado, besta, ouvindo seus olhos.

Amor é contravenção. Buscará um terrorista somente para você. Pedirá exclusividade, vida secreta, pacto de sangue, esconderijo no quarto. Apagará o mundo dele, terá inveja de suas velhas amizades, de suas novas amizades, cerceará o sujeito com perguntas, ameaçará o sujeito com gentilezas, reclamará por mais espaço quando ele já loteou o invisível.

Ninguém que ama percebe que exige demais; afirmará que ainda é pouco, afirmará que a cobrança é necessária. Deseja-se desculpa a qualquer momento, perdão a qualquer ruído.

Amar não tem igualdade, é populismo, é assistencialismo, é querer ser beneficiado acima de todos, é ser corrompido pela predileção, corroído pelo favoritismo. É não fazer outra coisa senão esperar algum mimo, algum abraço, algum sentido.

Amor não tem saída: reclama-se da rotina ou quando ele está diferente. É censura (Por que você falou aquilo?), é ditadura (Você não devia ter feito aquilo!). É discutir a noite inteira para corrigir uma palavra áspera, discutir metade da manhã até estacionar o silêncio.

Amor é uma injustiça, minha filha. Uma monstruosidade.

Você mentirá várias vezes que nunca amará ele de novo e sempre amará, absolutamente porque não tem nenhum controle sobre o amor.



Crônica publicada no site Vida Breve

38 comentários:

JasonJr. disse...

Falô e disse! :D

Por que você faz poema? disse...

Algo mais para eu não confiar.

LUZIA disse...

Pra mim, isso não é amor, e sim, paixão.

Bjos

O umbigo da Beagle disse...

ahhaha, muitas verdades ditas, adorei o texto!

Karine Melo disse...

Que perfeito, Carpinejar!
Assino em baixo!

Anônimo disse...

É amor!

Letícia Palmeira disse...

É. Amor é tudo isso e um pouco mais. Contravenção e injustiça, meu filho.

Até.

Talita Prates disse...

Amor é foda.

Bisous.

Talita

Lisieux disse...

Me identifiquei DEMAIS com o texto. Muito bem (e sinceramente) dito.

Lih Figueiredo disse...

Meldeus nunca ví uma definição tão perfeita e realista do amor, de se amar... Outra temporada na minha vida a partir da sua crônica.

Fernzndo disse...

amor?? o.O
Aqui não tem disso não: http://www.youtube.com/watch?v=f35HluEYpDs

Michele Leite disse...

Texto lindo lindo lindo... me tocou bem lá bem no fundo! :'-)

Fernanda Magalhães disse...

É tudo o avesso do avesso.

Bjos meu guru...

Monie disse...

Seus textos nuncam deixam a desejar. São sempre ótimos! E esse não é uma excepção. :)

Anônimo disse...

Delícia tudo isso, vc diz td q eu gosto de ler, pq talvez esteja td isso dentro de mim. bjo Fabro

Solange Mazzeto

Nice disse...

Espetacular!!

Paloma disse...

Mas e então...Você fala de amor ou de doença?

Jéssica Caramori disse...

Leio isso bem nessa semana que meu humor tá azedo por conta desse tema...

Ju Leiria disse...

Já escrevi mais ou menos sobre isso. Amor fanfarrão http://juleiria.blogspot.com/2011/04/amor-fanfarrao.html

Ramiro Conceição disse...

“O amor não é censo, não é matemática, não é senso de medida, não é socialismo. É o mais completo desequilíbrio.”

Por isso…


PECADO ORIGINAL
by Ramiro Conceição

O Amor
é fruto, pele
e conteúdo!


JURAMENTO DA VIDA
by Ramiro Conceição

“Após milênios,
vinda de longe,
cheguei à mera conclusão
de qu’estou apta a decifrar
esse mistério de tudo
onde sou nata e grata…
Eu juro!”

Ramiro Conceição disse...

Tonho,
li seu e-mail,grato.
Então...


JURAMENTO DA VIDA
by Ramiro Conceição


“Após milênios,
vinda de longe,
cheguei à mera conclusão
de qu’estou apta a decifrar
esse mistério de tudo
onde sou nata e grata…
Eu juro:
o Amor
é fruto, pele
e conteúdo!”

Ramiro Conceição disse...

Fabro, me desculpe!
Cometi um erro operacional, no computador, na última mensagem...
Se for possível, por favor, apague...

'Cotidiano' disse...

Aii aii o amor , só o amor !!

Simone Schuck disse...

Maravilhoso, maravilhoso... Carpinejar, provavelmente sustentas várias apaixonadas!

Anônimo disse...

só quem vivenciou esse louco e maravilhoso desequilibrio é capaz de entender a intensidade!
tânia

Diana disse...

sinto que este texto foi escrito para mim...muito obrigada

Anônimo disse...

rsss... axo tão engraçado as pessoas questionarem se isso é amor, se é paixão ou se é doença... qdo o limite entre td isso é tão tênue... axo q todo texto e toda definição de amor são válidas... afinal, vc nãoo ama exato e constantemente todo sia e sempre... pra poder questionar e estabelecer o q é e o q deixa de ser o tal sentimento, alegre patologia! paradoxos mil sempre
gde bjo, paz e luz!
Carpi, parabéns por cd palavra de tds os textos.

naty hartz disse...

gosto muito dos seus textos e gostaria de te pedir um favor da uma olhadinha nesse blog http://questionamentosdeadolescentes.blogspot.com/e me diz o que você achou dos meus textos.

Carolina disse...

Muito bom!

Carolina disse...

doi.. e doi muito!
lindo texto.
Pessimo momento pra ler.

Também quero falar disse...

Sim, sim, sim!! Curti este texto, queria só aquele link que tem no facebook para facilitar a vida...

Helena Reis disse...

Só Kundera fala melhor do amor que você. Só Milan Kundera.

Está fantástico!
Amei.

Zi Figueiredo disse...

Simplesmente... perfeito ^^

Anônimo disse...

"Quando imagino que chego ao limite, você vem e surpreende como nunca. Expõe pensamentos óbvios de uma maneira linda e nada comum, gosto de como brinca com as palavras, como um jogo de verdade e amor, onde o objetivo final é apenas mostrar o que sente de uma maneira poética, mas sem ser repetitivo, rebuscado ou antigo. Fabrício Carpinejar para mim pode ser mais do que o nome de um escritor contemporâneo famoso, é um verbo. Vamos todos CARPINEJAR então."
Att: Claudinha Santos
claudia.publicidade@hotmail.com

Madah disse...

É tudo verdade isso eu não tenho dúvida! mas diariamente procuramos um amor, uma boca para beijar e um corpo para amar! qual será o fim disso tudo então?

Anônimo disse...

Falar em vovó, ela disse pra neta: "minha querida, não acredite nesse negócio de só a cabecinha porque pinto não tem ombro..."

Lívia Noronha disse...

Perfeito...lindoo.. verdadeiro..sem mais comenta´rios, pois sem palavras fiquei..

Anônimo disse...

essa cronica esta em algum livro dele??