terça-feira, 12 de junho de 2012

CALMARIA

Arte de Marc Chagall

Dia dos Namorados está todo errado. O pessoal entendeu errado a data.

Não é para provar amor. Não é show para demonstrações de quanto se ama e se quer a namorada.  Não é uma competição de quem dá mais, de quem pode mais, de quem arma o maior escândalo.

Não é concurso de sósias de Amado Batista. Não é Festival de Cannes de publicitários para eleger a melhor propaganda. Não é disputa de serenatas na janela.

Amor não se prova, amor se é. É um dia para oferecer mais atenção do que os demais, como um feriado religioso.

Ouça meu comentário na manhã de terça (12/6) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Antonio Carlos Macedo e Daniel Scola:

3 comentários:

Michele Santti disse...

Sempre bom aqui.

Bjs

Fabíola Lopes disse...

O amor como uma colcha de retalhos:
" Descobrimos que aquilo que sentimos é amor quando olhamos a colcha 100% aberta e apesar dos tecidos que não combinam, dos rasgos que insistem em abrir, do desbotamento e da costura que se desfaz, gostamos e aceitamos o que vemos sem a necessidade de buscar nossas caixinhas de costura; é quando nos habituamos ao conforto daquele desgaste, ao cheiro daquele bolorzinho, à visão daquela manchinha e aquilo não nos incomoda mais; ao contrário, traz alento. É quando enfim sentimo-nos em casa e nos permitimos ser vistos por inteiro também..." Visite meu blog, o texto completo em http://asomadetodosafetos.blogspot.com.br/2012/06/colcha-de-retalhos.html
Um abraço! Feliz dia dos namorados!!!

Anônimo disse...

Vc estaria na Rd Gaucha a fim de prencher alguma cota destinado aos jornalistas homossexuais?