quarta-feira, 17 de outubro de 2012

EU LÍRICO

Arte de Eduardo Nasi
 
Sou filho de dois poetas.

Os enfrentamentos domésticos traduziam Bucólicas, Geórgicas, Éclogas.

Os pais gastavam o dicionário em ironia e sarcasmo. Palavras velhas, aforismos, citações serviam para cutucar o outro na mesa durante o almoço.

Não usavam palavrões, entretanto se ofendiam igual, com raiva e espuma.

Trocavam o baixo calão pelos arcaísmos.

Nós, os quatro filhos, dedicávamos a decifrar as indiretas. Mas os pais, escolados e chiques, não admitiam discutir.

— Estamos apenas debatendo — avisava o pai.

Sim, fingíamos acreditar, desde quando o divórcio era Curso de Literatura?

O “eu lírico” predominava como principal recurso para disfarçar o atrito.

— Não é briga de verdade, nossos eus líricos divergiram.

— Eu lírico, pai?

— O eu lírico é a voz do poema, não significa a voz do escritor. É um sentimento que vem do texto, e que não foi vivido necessariamente pelo autor. É um “eu” poético que se diferencia do “eu” real.

Aquilo nos irritava duplamente: pelo moralismo e pela mentira.

No fundo, o eu lírico é uma esquizofrenia de gente culta, só isso.

Toda conversa que cheirava mal vinha com a desculpa do “eu lírico”.  Uma espécie de “brincadeirinha”.

Ninguém assumia a responsabilidade das suas teorias. O pai escapava do peso das afirmações, a mãe escamoteava da gravidade das acusações.

Dois adultos livres do julgamento e de veneno irrefreável.

Foi neste tempo, tinha oito anos, que acho que comecei a me masturbar.

Já me preocupava muito mais em saciar o corpo do que acalmar a loucura do matrimônio deles.

Pena que não havia privacidade sexual numa residência de um único banheiro.

Precisava escolher o momento mais pacato e sem concorrência para me tocar. Costumava ser 15h, depois do congestionamento do almoço. Até para se masturbar tinha que marcar hora, e reservar sala.

Numa tarde pacífica, municiado de Playboys antigas, eu batia punheta com calma quando a mãe forçou a porta e a tranca automática cedeu.

Ela me pegou em flagrante. Em vez de olhar e desaparecer, abriu a porta e congelou seu rosto em mim. Fixou seus olhos na minha pose de banquinho.

Ainda perguntou à queima-roupa:

— Filho, o que está fazendo?

Diante do óbvio, me restou responder:

— Nada, mãe, é o meu eu lírico.
 





Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira

6 comentários:

Unknown disse...

Olá Fabrício, meu chará ...


fiz o primeiro e segundo gráu em colegio militar no interior do estado de Minas Gerais, e me lembro de ter tido 3 ou 4 disciplinas associadas à lingua portuguesa, eram respectivamente Português, Literatura, Redação e Gramática, todas sempre no mesmo ano letivo, da quinta série ao terceiro ano cientifico. Além de Inglês e Francês.

Em paralelo, enquanto outras crianças iam para a aula de futebol ou judô, eu ia para a datilografia e mais futuramente, a informática, área que me formei a alguns anos e construi solida carreira.

Era uma avalanche de informações linguisticas, uma tentativa quase sobrehumana por parte dos educadores em formar cidadãos cultos e capazes de escrever e ler com desenvoltura e traquejo.

hoje, lendo seus textos, fico feliz por ter tido professores que lutaram por ensinar. Pois seus textos me são as vezes tão claros que em algumas ocasiões leio e releio, para ter certeza se realmente entendi a intenção de suas palavras.

Robson Ribeiro disse...

Oi, Fabrício!

Se você puder, dê uma força votando no www.poesiaemblog.blogspot.com.

É rápido e fácil!

Basta acessar http://www.topblog.com.br/2012/index.php?pg=busca&c_b=346387 e votar através de todos os seus e-mails, do twitter e do facebook!

Um abraço!

Ana Paula disse...

Isso é o que pode chamar de efeito positivo da educação.
Abraço Fabrício

C. Besen disse...

Tenho um amigo, completamente decepado do eu lírico, em quem a mãe também deu um flagra desses. Ao contar seu episódio, ele se orgulha em dizer: "não quis nem saber, não parei: gozei!". Não é bárbaro? Abraços, Besen.

Maria Gabriela disse...

HAHAHHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHA
cô-mi-co!

ganhar dinheiro disse...

parabens pelo belissimo blog, acompanho o mesmo desde 2010, recomendo a muitas pessoas. Parabens