sexta-feira, 9 de novembro de 2012

HIDROMASSAGEM VAZIA

 
Arte de Leonardo da Vinci
 
Não gosto de mulheres magras demais.
 
Mulheres esqueléticas. Mulheres excessivamente pontudas. Mulheres que transformaram a delicada saboneteira em banheira de hidromassagem.
 
Mulheres-osso, obcecadas no controle das calorias. Mulheres que não podem fazer nada, que esqueceram o que é espontaneidade ou vexame.
 
Mulheres que só desejam aparecer bem na foto, que fogem de relacionamentos para não se explicar.
 
Mulheres magras demais não são felizes. Não sabem rir de si.
 
Estarão com fome. Estarão com mau hálito. Estarão irritadas porque não podem descontar a raiva no chocolate.
 
Mulheres magras demais pensam naquilo que não estão comendo. 
 
Elas não sentem prazer em almoçar ou jantar. Nem em tomar café da manhã. O que é viver sem essas três refeições?
 
Mulheres magras demais deixam de conviver para não chamar atenção ao prato vazio.
 
Mulheres magras demais não sentem tesão, o sexo deixou de ter importância.
 
É preciso gostar de lasanha para gostar de sexo, gostar de pizza para gostar de sexo.
 
Sexo começa na mesa.
 
Não gosto de mulheres magras demais.
 
Mulheres magras demais têm complexo de cinderela. Não querem crescer. Não querem abandonar o corpo de menina.
 
Não gosto de mulheres magras demais. Que não tenham uma gordurinha para queimar. Não tenham uma celulite para reclamar. Uma estria para lhe garantir humildade.
 
Não gosto de mulheres que não quebram a dieta para comemorar o regime.

Ouça meu comentário na manhã de sexta-feira (9/11) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Antonio Carlos Macedo e Daniel Scola:
 


17 comentários:

Srta. Vihh disse...

Texto original, Fabrício! Que facilidade é essa em escrever, me ensina? Beijos

Izabela Cosenza disse...

bem dito.

beijo!

iza =)

Anônimo disse...

´´...Não tenham uma celulite para reclamar. Uma estria para lhe garantir humildade...´´

Não acho bonito mulher esqueletica.. seca.. tipo modelete... mas isso esta parecendo algum cara com baixa auto estima, meio recalcado... que precisa de uma mulher assim para se sentir bem...


Joanna.

ana disse...

Fantastico esse texto. Estou passeando pela Italia e quebrei o regime. Já
engordei uns tres quilos e nunca estive tao feliz. Bravo !

Odara disse...

Meu Deus, Fabrício.. é a MINHA cara esse texto!! Risos..

Adenisia disse...

òtimo, nos tornamos escravas do modismo, da opnião alheia.

mARa disse...

Gostei imenso!

Até que enfim alguém rompe o silêncio, nesses tempos de ditadura da magreza.

Outro dia analisando fotos das modelos de antigamente, quanta diferença, e sabe que os sorrisos eram mesmo de alegria! Faz sentido, massa, mesa, sexo, uau!

Vanderley José Pereira disse...

me ensina escrever, mesmo que seja virtualmente.

Anônimo disse...

Legal, e quem é magra por natureza? Sofre pelo alheio?

Júlia.

Anônimo disse...

Deixa de ser chata e desocupada, Júlia. Ele não está se referindo às magras de natureza. Acho que está lhe faltando praticar interpretação de texto.

Anônimo disse...

Sei interpretar textos muito bem e ainda assim mantenho minha opinião. Em alguns trechos isolados percebe-se tranquilamente o que pode ser uma interpretação generalizada, não somente direcionada para mulheres que controlam a alimentação. "Não gosto de mulheres magras demais" pra mim já basta pra generalizar. Sou fã do Carpinejar, caso contrário não estaria no blog, mas como fã tenho direito de ter certos pontos de vista diferentes do que ele usou e acho que aí está a graça da interpretação. Discordar sobre um texto não é motivo para agressão verbal e sim expor opiniões diferentes, pense sobre isso, quem sabe está lhe faltando praticar a eduação. Abraço, Júlia.

Anônimo disse...

Concordo com a Júlia,sem preconceitos mas a impressao eh o que o texto veio para agradar a insegurança da amada em relação ao peso.

Franco de Paula disse...

Texto ótimo! A alegria de alguns momentos está, muitas vezes, na espontaneidade, no descontrole momentâneo, na falta de vergonha durante uma noite inteira.

Adi disse...

Não concordo!!! Pois sou magra demais, e não deixo de comer nada, pelo contrário....então não pode generalizar. Genética...você conhece???

Anônimo disse...

sou magra, me esforço para ser magra, mas não recuso um bom jantar com os amigos. Prefiro me olhar no espelho e amar o que eu vejo, do que comer de tudo todos os dias. Prefiro, também, não estar toda hora reclamando de gordurinhas, as pessoas reclama tanto, de tantas coisas no dia a dia, que uma reclamação a menos é um alívio. Ainda sim escreves ótimos textos.

Anônimo disse...

*reclamam

ganhar dinheiro disse...

parabens pelo belissimo blog, acompanho o mesmo desde 2010, recomendo a muitas pessoas. Parabens