sexta-feira, 16 de novembro de 2012

SENHORA MINHA MÃE


Foto de Leonardo Brasiliense

Ouvi meu amigo Manoel Soares conversando com sua mãe.

— Sim, Senhora
— Não, Senhora

Aquilo me arrepiou. Não me emociono quando um filho chama sua mãe de mãezinha, mainha, mamãe.

Eu me comovo quando um filho chama sua mãe de Senhora.

Não importa que ele esteja apressado, paciente, psicótico, nervoso, aflito, carente: chamará de Senhora em qualquer hora.

Dirigir a palavra para mãe como Senhora pode sugerir distanciamento, formalidade, solenidade. Pode indicar uma relação de frieza e ausência de diálogo.  Por que não o nome? Um apelido? Ou simplesmente mãe?

Não vejo assim. É mais do que respeito: é reverência. É mais do que intimidade: é cuidado.

Senhora é um “com licença” e “eu te amo” misturados. É segurar o braço para atravessar a rua e as palavras.

Senhora é uma demonstração de afeto, uma homenagem às lições do passado, prova que fomos bem educados.

Quem usa nunca levantará a voz para a mãe. Nunca vai desrespeitar os mais velhos.

Só filhos muito chegados e próximos chamam a mãe de Senhora.

Preservam a influência maternal dentro de casa. Obedecem à sua opinião. Confiam nos seus conselhos.

Mãe que é senhora nunca termina abandonada num asilo. 

Mãe que é senhora pede para falar e a família escuta com silêncio.

Senhora é dizer para a mãe que ela é muito importante. Que ela é insubstituível. Que ela nunca será dispensada.

Obrigado, senhora minha mãe.

Ouça meu comentário na manhã de sexta-feira (16/11) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Antonio Carlos Macedo e Daniel Scola:
 

9 comentários:

{ Scrappiness } disse...

Também me comovo quando pedem bênção, hoje em dia isso também é raridade e acho que se se enquadra na sua categoria de reverência. Lindo texto!!

Vê disse...

Lindo e verdadeiro!! Ótimo texto!! Parabéns!!!

Nati disse...

Não fui criada chamando a minha mãe de senhora, acho que é muito formal, muito respeito que até nos afasta, chamo ela de mãe sempre.
Beijo

Bibiana Davila disse...

Li o texto para minha mãe e a senhora gostou muito dele, haha :D

O senhor escreve muito bem mesmo, adorei o blog! E não recuse o elogio, hein ;)

Abraço e bom fim de semana!

C. G. Chrestani disse...

Bravo!

Franco de Paula disse...

Também acho muito legal quem chama a mãe e o pai de senhora e senhor. Infelizmente a minha família não tem essa tradição. É difícil eu agora, com 21 anos de idade, mudar esse costume, e começar a chamar a minha mãe de senhora, mas ainda me admiro muito quando ouço alguém tratando a mãe dessa forma.

ganhar dinheiro disse...

parabens pelo belissimo blog, acompanho o mesmo desde 2010, recomendo a muitas pessoas. Parabens

Tamires disse...

Oi!
Estou aqui fuçando esse blog, tenho 22 anos e há poucas semanas comecei a chamar minha mãe de senhora, ainda causa certa estranheza, mas passei a achar estranho quando vejo alguém chamar a mãe de "tu" ou "você". Não afasta de forma nenhuma, pelo contrário, é como reverenciar, como demonstrar toda a importância que essa pessoa tem. Pense que não chamaria a uma autoridade de "tu", e sim de senhora, pois minha mãe é autoridade máxima dentro de minha casa. Tive o prazer de conhecer e trabalhar com o Manoel Soares, e não somente ele como todos os irmãos chamam a Dna Ivanete de senhora, e não é exigência dela não, eles cresceram assim. Ela mesmo quando a conheci perguntou porque eu a chamava de senhora. São uma família linda!

Unknown disse...

Chamo minha mãe de senhora, meu pai de senhor e peço a bênção a ambos...
No entanto, não passei esse costume à minha filha. Até porque eu era jovem e solteira e não me sentiria bem sendo chamada de senhora. Minha filha me chama de "tu" e agora com 12 anos, há tempos deixou de me chamar de "mamãe" para dizer simplesmente "mãe".
Porém apesar desse tratamento informal, exijo dela o mesmo respeito que sempre tive pelos meus pais. Ela jamais ousou me levantar a voz ou desobedecer minhas ordens. Mas como eu sempre a criei com profundo amor e imenso carinho, ela nem se esforça pra ser educada comigo. Sou mãe à moda antiga,e embora eu cobre bastante, temos um relacionamento de amizade e diálogo. Se fosse hoje, ensinaria minha filha me chamar de senhora. Gosto disso!
E certamente todos nós,filhos, jamais abandonaremos nossos pais. Apesar de não termos sido criados com manifestações de afeto, temos profundo respeito pela senhora nossa mãe e pelo nosso velho pai... Lindo texto!!