quarta-feira, 21 de novembro de 2012

SAINDO DO ARMÁRIO

Arte de Eduardo Nasi


— Mãe, tenho que conversar sério.

— O quê?

— Não aguento mais viver assim, meu coração está apertado, cansei de mentir.

— Desembucha, meu filho, estou preocupada.

— A senhora já deve ter me visto com a Raíssa estudando no quarto.

— Sim, o que aconteceu?

— A gente estava revisando Matemática, preparando cálculos da prova e a gente beijou na boca.

— Ai Ai Meu Santo Pintor Caravaggio…

— Mãe, eu não consegui me controlar, sei que é errado, mas ela cheirou meu rosto e eu…

— Chega, por favor, não faço questão de saber. Não mereço tamanha humilhação.

— Mas mãe…

— É errado, é contra a natureza, contra as regras de Deus.

— Mãe, por favor…

— Vou pegar meu remedinho.

— Mãe, não vem pôr remedinho na língua, impossível conversar desse jeito.

— Coitada da menina, você se aproveitou dela?

— Não, não foi, é amor.

— O que você quer dizer com amor?

— Estou tentando dizer que sou heterossexual.

— Um filho heterossexual? Não, você não foi educado em escola de padre para sair heterossexual.

— Mas eu gosto de mulher.

— O que seu pai dirá disso, Aurélio? Tem ideia do que está propondo? É uma crise passageira, coisa de adolescente.

— Eu não fico interessado por meninos na escola, não posso ir contra meu desejo.

— É fase, querido. É só cortar os cabelos, fazer chapinha, que passa.

— Mãeee!

— É vontade de ser especial, logo some. Que tal comprar maquiagem no shopping hoje? Há todo um estojo de esmalte, sombras e delineador da Marilyn Monroe, novidade da Mac, acredita?

— Não está me ouvindo, ajuda!

— Eu compro um armário novo para você se esconder, mais espaçoso, com luzes embutidas e espelho, será seu camarim, que tal?

— Vou enlouquecer.

— Isso também aconteceu com o filho da Bete, durou três meses e ele já se veste de Lady Gaga de novo.

— Me ouve. Preciso de seu apoio, não dá para me entender? Não complica.

— Para de falar bobagem.

— Não é um momento, mãe, é uma decisão antiga. Colocava as cuecas do pai em segredo.

— Roubava as cuecas de seu pai?

— Sim, e a bombacha, e os moletons rasgados, e as alpargatas.

 — Alpargatas? Eu eduquei você para salto 12. Por que nunca me contou?

— Nunca prestava atenção em mim, apenas se preocupava em comprar sapatos e bolsas.

— Filho, você somente tem 16 anos, é jovem para decidir que é heterossexual. Calma, espera um pouco, muita água vai rolar por debaixo da ponte.
 

 




Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira

12 comentários:

Everton Maciel disse...

claro, claro. Porque ser heterossexual é um problema nessa sociedade heterofóbica. Os dados rolam. Um. Avança. Volte três casas e tente outra vez.

Anônimo disse...

Gostei da sátira.

Marcelo Ramos disse...

Gostei da cronica... Nice...

Roseli Vaz disse...

Gostei do alerta! Precisamos cuidar + da educação de nossos filhos homens, em especial. Só assim,quem sabe, no futuro teremos homens +seguros, bem +resolvidos e +felizes, homens que amem, mesmo sem compreender, uma mulher.
Brisei!

Roseli Vaz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Muito bom seu blog amigo.

Hana disse...

Ninguém aqui entendeu a real intenção da crônica.

Nati disse...

Sendo o que quer ser é o que importa. Beijo

Felipe Junior melo disse...

Estou aqui denovo comentando,por que adoro esse blog,bom demais,muito bom msm!!!!!!me recomendaram e até hj acompanho,mais ai queria tirar uma duvida sera que esse site é bom http://detetive-particular.com ? se alguem souber me falar,e continue com mais post!! fuuuuuuuuui

ganhar dinheiro disse...

parabens pelo belissimo blog, acompanho o mesmo desde 2010, recomendo a muitas pessoas. Parabens

Anônimo disse...

Ri bastante, embora eu ache que tem alguma crítica velada à reação das mães ao saber que tem um filho gay...
Mas do jeito que o mundo está indo, não muito longe daqui será um espanto saber que o filho é heterossexual. Existe quase uma obrigação da pessoa engolir goela abaixo que é melhor se gay que ser hetero.
Parece que um homem gostar só de mulher é quase uma afronta, uma discriminação a todo e qualquer tipo de prazer. Um preconceito até...
Eu respeito os gays, mas não suporto essa apelação, esse quase incentivo à homossexualidade...
Abraços da Ana Maria

Dama da Triste Figura disse...

Li como uma crítica ao posicionamento dos pais ao descobrirem que seus filhos têm relacionamento homossexual. O Carpinejar só inverteu o problema. Excelente reflexão. Ao ler me questionei, como um jovem de 16 anos hetero, para os pais, sabe o que quer e um jovem da mesma idade homossexual é considerado imaturo.
Essa é a minha leitura do texto.