terça-feira, 28 de junho de 2016

FRANCESCA

Não quero vê-la sofrendo, minha irmãzinha. Eu assumiria o seu lugar e me colocaria como escudo de suas dores, espuma de sua raiva. Mas não há como: a dor é uma ilha rodeada pelo oceano de lembranças absolutamente pessoais.

Não acharei conselho para afastar os maus pressentimentos e a sensação de ter vivido à toa. A separação é cruel de qualquer jeito, para os fortes e fracos, para os corajosos e covardes, é fazer nascer a própria velhice, tolerar a perspectiva assustadora de ficar sozinha e envelhecer sozinha, sem ajuda de parteira. É esvaziar a casa para descobrir o que ainda é seu. É colocar para fora do ventre alguém que já é grande demais para o nosso corpo. Leva tempo, só não quero que leve o seu riso ingênuo e a sua vontade de amar de novo.

Que não morra no parto da separação. Muitos ficam viúvos dos filhos que não tiveram, dos sonhos que não cumpriram, das viagens que não decolaram.

Não sei como convencê-la de que você é belíssima. Não existe colo que restaure a vaidade. Não enxerga o seu brilho porque se acostumou a se enxergar pelos olhos de quem foi embora e apenas mantém à frente uma imagem distorcida de sua estatura, impregnada de carência, pequeneza e orgulho ferido.

O que posso dizer é: amarre a sua sapatilha, que enfrentará o seu mais complicado salto, saltar sobre si.

Você é uma bailarina acostumada a torcer o calcanhar pela obediência acrobática do voo. Quantas vezes quebrou o pé e seguiu dançando mesmo assim? Voar é segurar o corpo com as mãos. Não pense no sofrimento, pense em terminar os movimentos: tendu, jenté, rond de jambé, grand battement...

Um de cada vez, esqueça a ferida, siga a elasticidade do gesto, complete a coreografia, este quebra-cabeça feito de pesada leveza. Às vezes não dá para andar, mas dá para dançar. É dançando que não doemos.

Não contará com a parceria para o pas de deux, apoie-se em sua respiração, nos seus projetos, não deixe os dias livres e vazios para esperar uma reconciliação que não virá, senão vai cair, crie o seu apoio. Será agora o passo de um. Terá que flutuar no palco com o terceiro pé da persistência. Espante as dúvidas e incertezas, não é momento de vacilar, um espetáculo a aguarda, permita o que aprendeu nas barras vir à tona, o músculo é o nosso melhor conselheiro, atenda aos pedidos do corpo que não cansa de levantar toda manhã apesar dos pesares.

Estarei no fundo do público, naquela cadeira que reservou para mim, com os dedos estirados em sua direção, prontos a disparar aplausos. Você não cai, minha bailarina, você muda o chão com os seus passos.

Publicado no Jornal Zero Hora
Coluna Semanal
28.06.2016

4 comentários:

Maria Teresa Valente disse...

Boa tarde, Fabrício, belo texto para encorajar e esperançar as mulheres, que se perdem depois da separação. Tantas Marias, tantas Fracescas, tantas Luisas, esperando pela salvação.
Palavras que nos fazem acordar para a Vida, são sempre muito bem vindas...
Você me permite publicar este texto no blog www.teceramor.com ?
Agradeço, abraços carinhosos
Maria Teresa

Maria Teresa Valente disse...

Gratidão, Fabrício, Deus te abençoe!
Já publiquei http://www.teceramor.com/2016/06/francesca-marias-luisas.html
Abraços carinhosos
Maria Teresa

Olvidia Romano disse...

eu estou bem perdida...depois de 23 anos de luta. Eu o chamei de ladrão de sonhos...reerguer-se é fundamental, mas me sinto num quarto escuro sem porta e janela...recomeçar de onde?????
ass Olvidia

redonda disse...

Um texto lindo.
Lembrei-me do livro "Os homens (às vezes infelizmente) voltam sempre" de Penélope Parker apenas porque me pareceu que pode ser bom para quem sofre com uma separação assim