sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

TOQUE

Arte de Egon Schiele


Masturbação feminina é inconciliável com a masculina.

Se a senhora tem alguma dúvida sobre orgasmo múltiplo, não pode negar seu inegável talento para a excitação prolongada. Não diga que é natural, não humilhe seu parceiro, tampouco menospreze o dom. O homem não conhece esse controle remoto do corpo.

A mulher é bem capaz de se masturbar no chuveiro, transar no quarto e não haverá nenhuma diminuição do ritmo. Sua nudez é insaciável. Assim como demora mais para se excitar, demora muito mais para abandonar a excitação. O homem facilmente se prontifica, porém larga a atmosfera com enorme rapidez.

O orgasmo liquida o homem e reinventa a mulher. Virtude de um, defeito do outro.

A fêmea ama na volta (o homem somente ama na ida). Não negará o sexo mesmo que tenha se violentado secretamente. Ficará inflamada. Desejosa. Sequiosa.

Sua libido é narração. Pretende continuar com a fantasia, aumentar a trama, propor encruzilhadas.

Caso seu parceiro pedir e merecer (as duas operações são complementares), ainda que já tenha gozado sozinha, seguirá adiante, procurando ir além do gemido. Os braços masculinos serão a continuidade dos seus dedos.

Tanto que o homem é tarado antes do ato, a mulher é tarada depois dele.

Levando o fôlego como parâmetro, mulher na cama é romancista, homem é poeta, isso quando ele não inventa de fazer haicais.

A excitação dos machos é monotemática. Até hoje supõe que bater uma é anular a chance de sexo no dia. Sua masturbação é como uma saída de emergência. Não é um aperitivo, uma preliminar, mas a aceitação do fracasso. É como um desabafo, algo como não deu para aguentar.

Nenhum adulto confessa com orgulho para sua namorada ou esposa: bati uma punheta. Tem receio de receber um olhar piedoso, de Seguro-Desemprego.

A fase adulta traz a imperiosa necessidade da transa para ser feliz. Superada a adolescência, o homem se masturba a contragosto. Lamentando que não tenha um resultado melhor. Provável que isso demarque toda sua conduta psicológica. Vive a resignação, uma espécie de solidão indesejada. Acha que se tocar é o deserto da agenda, a absoluta falta de aventura, um sinal de rejeição, que ninguém o quer, nem ele.

Na hipótese de se masturbar e transar no mesmo turno, sofrerá de retardo mental. Sem pressa alguma. Sem volúpia. Com dificuldade de concentração. Seu objetivo é um só: gozar de novo. Não é de continuar gozando. Pensa que traiu sua companhia com a ejaculação solitária.

É um processo semelhante quando escolhemos uma música como aviso de chamada do celular. Nunca mais teremos condições de apreciá-la, apesar de ser a nossa balada favorita. Os ringtones matam a leveza imaginária da canção. O toque lembrará agora trabalho, prazo, incomodação, urgência. Ao ouvir os acordes no rádio, mergulharemos em pânico, tentando localizar o aparelho.

O que me faz crer que a punheta do homem é seu ringtone do sexo.

29 comentários:

Anônimo disse...

Poxa Fabricio... Essa dava mais outro Jabuti. que isso... Vou ter que ser vulgar: Botou a rola na boca dos leitores e mandou mamar!

Ana Clara Otoni disse...

O Arnaldo já tinha adiantado um pouco disso no "ela goza com a mão não precisa do seu pau...". Enfim, você fez uma boa explanação sobre o assunto.

Clauky Boom disse...

hahahaha, vim lendo sem saber onde ia dar... trim trim... ;-)

Thaina Rosa disse...

A última frase foi comovente,deu até pena dos homens.
Ringtones banalizam as músicas preferidas,eu me arrependo até hoje de ter posto All my loving dos Beatles como alerta do despertador.

Anônimo disse...

nossa... hoje no horário do almoço eu e meu marido vivemos uma boa experiencia do casal... e com tanta inspiração, voltei ao trabalho bem com a sensação de querer mais... leio vc e entendo um pouco mais o que se passa com os sexos, na guerra e no amor, no meio de tanta diferença, a nossa busca por momentos de harmonia e encaixe! que delícia tudo isso!

Lilian disse...

Hummmm
que sorte eu ter nascido mulher então!...
rsrs

Antônio disse...

Bah... fantástico! Conseguiu descrever a situação exatamente como ela é.

juliana disse...

Você realmente conhece a alma e o corpo feminino.
Bjos Fabro.....sua eterna fã.
Juliana

provocateur disse...

muito legal o texto. so achei uma coisa meio diferente da maioria. o homem não fala q se masturbou pra mulher pq a reação dela será, na maioria das vezes, achar que o homem está querendo traí-la. consequentemente, ela se sente diminuída por não satisfazê-lo e desconta essa raiva no marido, que fica sendo visto como o "homem safado".

Renata Luciana disse...

'O orgasmo liquida o homem e reinventa a mulher'. Tú tens um só corpo mas tua alma.... atravessa os gêneros.

Katia Mota disse...

Muito interessante... legal mesmo.. Mas já ouvi de um homem adulto que bateu uma... e confesso que gostei.

Alinhavando idéias disse...

Tem uns que dizem com a boca cheia q bateram uma viu! Sabe "bati uma pensando em vc" Ainda n sei se gosto, tô ainda pensando, acho q depende, td na vida depende né. Tem cara q dá nojo só de eu pensar que bateu uma pensando em mim, agora tem cara que ahhhh, dá um certo prazerzinho...

bjo Carpinejar!

Carlos Filho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Filho disse...

Este seu texto me trouxe pré-conclusões a respeito do caos que são os relacionamentos homossexuais masculinos. Tudo normalmente gira em torno de transas quentes e rápidas, depois tchau, o contato não passa muito disso.
E serve também para as frustradas tentativas de relacionamento mais duradouro, pois não existe o desejo por um depois. Convenhamos, o homem tanto hétero quanto gay, depois de gozar realmente fica imprestável enquanto parceiro, sim, realmente "o orgasmo liquida o homem", e daí, como manter uma relação entre DOIS liquidados?

Anônimo disse...

mera masturbação mental.
(à moda feminina, há que se dizer)

Textos variados disse...

Texto excelente Fabrício, gostei muito!

Marco Hruschka disse...

Meus parabéns pelo texto. Você trabalha a relação entre os sexos como poucos. Tem uma visão muito interessante. Eu também sou escritor, mas amador ainda. Ficaria muito feliz de ver um "alô" teu no meu blog. Um grande abraço de alguém que se tornou um fã.

p disse...

que texto. é incrível como você consegue falar de todo e qualquer tema com MUITA delicadeza.
o que li não é "masturbação mental" (sic) mas é o que acontece mesmo. a siririca é antes de tudo um exercício de fantasia. é sempre um prazer, e não sintoma de falta de companhia, de aventura, de amor. realmente quando o homem merece conseguimos continuar mesmo depois do orgasmo. mas é o que você disse, são corpos diferentes. beijo!!!

angela disse...

Os indios riem das mulheres que se masturbam, para eles significa que não conseguem mais ter um parceiro. Quem sabe acontece algo parecido com os homens que após passarem da época de competir quem ejacula mais e mais vezes e mais longe e etc... passem a só valorizar o sexo a dois.
Quanto a musica lembrei do Laranja Mecanica e na criação da aversão com a musica que o excitava.
Não quero me alongar, gostei do artigo tem coisas muito bonitas.
Bom fim de semana
abraços

REGINA GOULART SANTOS disse...

Caríssimo poeta, Fabrício Carpinejar.

Tive a grata satisfação de o encontrar através de um blog de uma amiga, Norma Villares, Blog "Ecos da Alma", e o que me chamou a atenção foi o título de sua crônica: "HOMEM PERFEITO".
À princípio, pensei ter sido escrita por ela, mas logo apareceu seu nome, e ainda a incrível entrevista com Jô Soares, que francamente, me fez chorar de tanto rir.
Meu amigo, você é tão profundo conhecedor da alma feminina e seus anseios, que de repente, quem sabe, sem ofensas, não foi mulher em algum lugar do passado ?!
E vou repetir aqui o que afirmei para minha amiga:
Seus textos são tão profundos, em perfeita sintonia com os desejos das mulheres, sob todas as óticas, que entoam como uma linda canção, quase uma oração, e por isso mesmo, nada mal seria, se viessem a constar de forma obrigatória em todas as certidões de casamentos e demais relacionamentos, para melhor sinalizar, harmonisar e dar vida aos relacionamentos.
Seus artigos são prá lá de maravilhosos, seu bom humor, indispensável, e a abordagem de temas ligados a sexualidade, é na medida certa.
Virei visitá-lo muitas vêzes, e indicarei seu blog para todos amigos e amigas.
Tenho certeza que vão amar ( as mulheres, com toda certeza ).

Meu blog é "Entrelinhas" - http://reginagoulartsantos.blogspot.com/

Tem sido muito gratificante compartilhar sentimentos e emoções com os amigos de nossa blogosfera.

Muitos beijos de luz no coração e alma

Regina Goulart

Jééh disse...

nossa nunca tinha visto alguém expor tbm as diferenças, eu adorei o forma que você escreveu tudo ^^

nesse caso que bom que eu nasci mulher[+1] :D~

Maria Tereza disse...

Salve as diferenças! I'm so sorry for being woman! rs.. Texto muito bom! =)

Poliana Paiva disse...

deus nos livre desses haicais!

Adélia Carvalho disse...

Eis um texto que deixa claro: você conhece (e muito bem) além da alma feminina: o corpo feminino! Belo texto. Abraços

Adélia Carvalho disse...

E talvez, exatamento por isso,o amor das mulheres perdure por mais tempo que o da maioria dos homens.

Ivi Medau disse...

Que sorte tem a sua namorada!

Um beijão, Fabrício!

Anônimo disse...

Olá

Bem... Ao ler tive um sentimento ambíguo! Concordo com algumas coisas, mas discordo de outras e isso, acho, tem a ver com identificação!

Me identifiquei com os trechos que diferenciam a excitação feminina da masculina... poético, firme, denso!

Mas a questão da masturbação eu não encaro dessa maneira: ouvir de alguém que te excita muito: Hoje "bati uma" pensando em vc! É formidável!

Mas, mesmo que a frase não seja essa e ele se masturbe em silêncio, pensando na gostosa do BBB ou do elevador, não considero uma anulação do sexo ou desprezo pela mulher que com ele está! Assim como no caso da mulher tb!

Gozo na transa (delícia; gozo na masturbação (delícia tb)cada um no seu momento!

O que não pode ter é ausência de gozo, aí não!

Beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeijos

Verônica

Renata de Aragão Lopes disse...

Só você para vincular
masturbação e ringtone! (risos)

Mil vezes,
se assim fosse,
eu viria ao mundo
como mulher...

Um beijo,
doce de lira

Anônimo disse...

passado o encantamento com o texto - pq êle é encantador, eu me perguntei a quem êle se dirigia; ao romantismo das mulheres é claro, sempre sedentas de ter alguém q as entenda. Homens a-doram bater punhetas, confessam, mesmo: estou cansado de bater punheta pensando em vc. Se êle nos atrae ou pq é bonito ou outra coisa secundária, este é um golpe fatal. Se for feio ou outro defeito secundario,é um nojo. Queremos homenagens e não infâmia. O seu texto é uma cantada querido, e às vezes, cola.