segunda-feira, 4 de abril de 2011

SOU TODO SAUDADE

Arte de Lauren Hamilton

A saudade é uma separação que inventou o casamento.

Não é reencontrando minha mulher que desfaço o mal-estar de ter estado longe. Ainda que seja uma hora, um dia, uma semana.

Sentir saudade agora é sentir as saudades de minha vida com ela.

Saudade é uma experiência que não termina de terminar.

Com a saudade, não sinto falta dela, mas do que sou com ela.

Saudade é vaidade. Lamento a própria ausência, apesar de parecer preocupado com a ausência dela.

Saudade é o luto do meu pensamento, a morte do meu pensamento. É nunca mais pensar como solteiro; é pensar como casado daqui por diante. Jurarei que minha risada é mais extravagante em sua companhia, de que sou mais elegante em seus ombros, de que o mundo gosta de nos ver abraçados.

Saudade é não se bastar mais, é depender de alguém para continuar sendo. Depender de alguém até para deixar de ser.

Com a saudade, finjo que me preocupo com minha amada, mas é apenas um jeito de me preocupar comigo. Ela não está mais perto para me melhorar, me antecipar.

Não é que posso perdê-la, eu é que posso me perder longe do que já fui com ela.

Saudade é uma soma daquilo que não somos quando o outro se afasta e daquilo que somos quando o outro está junto. É a certeza de nossa insuficiência. Representa um desfalque da personalidade. Passo a me dar conta de que somente existo para me exibir à ela. Isolado, tenho a sensação de engano, de boicote, de que não nasci inteiro, de que não morrerei inteiro. Minhas palavras ficam tímidas; meu rosto, desafinado.

Saudade é imaginar por dois não sendo mais nenhum. É agir solitário no plural.

Não é uma generosidade, mas seu contrário: um profundo egoísmo; não queremos que amada se distancie para que ela não descubra nossa desimportância. No fundo, é o medo de que a nossa companhia não sinta saudade. O receio do fim. A primeira histeria. A primeira crise de nervosismo.

Saudade é uma covardia corajosa, uma ansiedade cheia de paciência, uma preocupação despreocupada. É se ofender elogiando outro, é se elogiar ofendendo o outro.

Saudade é uma antecipação do abandono. Uma despedida provisória que dói igual a um desenlace definitivo. É um aceno que não entrega a mão ao ar, um cumprimento que não fecha os dedos.

A saudade é acordar na sexta como se fosse sábado. É vestir nossa roupa predileta para permanecer em casa. É arrumar a cama para dormir no sofá.

A saudade surge antes da saudade. Definimos dentro do fato qual será a lembrança de que sentiremos saudade. Sentimos saudade no meio da experiência.

Saudade é uma alegria entristecendo.

Porque toda alegria só será definitiva depois da saudade. Depois da tristeza.





Publicado no jornal Zero Hora
Segundo Caderno, coluna quinzenal, p. 5, 04/04/2011
Porto Alegre (RS), Edição N° 16660

30 comentários:

tyz disse...

Incrível!
Sério, não tenho palavras para descrever o que senti lendo a tua visão, só sei que me identifiquei muito!
Saudade é isso...
bjos vc é muito talentoso

Bianca Godoi disse...

quem ja doeu de saudade, há de se emcionar!! excelente texto!

Andreia disse...

Nossa! Perfeito! Fiquei emocionada, lágrimas nos olhos...

Anônimo disse...

Não vou nem comentar o texto. Você mexeu em um monte de dores ao mesmo tempo. Deu-me vontade de chorar e continuo com vontade de chorar. Fabrício, peço, por favor, que nos responda aqui no blog, não para mim, mas para seus fãs, como é que se expondo tanto você se mantêm inteiro? Eu teria algo a dizer se minha vontade de chorar não fosse ainda maior...


Ass: Fã

Caroline disse...

"Saudade é vaidade. Lamento a própria ausência, apesar de parecer preocupado com a ausência dela."

Anderson Borba disse...

Caro Fabrício, estava inspirado hein!
Belíssimo texto!
grande abraço
Anderson Borba
www.andersonborba.blogspot.com
www.twitter.com/afborba

Erica Gaião disse...

Fabrício,

Já li várias definições de saudade: saudade como dor, como lembrança. Eu já escrevi sobre a saudade, definindo-a como uma dor aguda por dentro; mas as suas definições me tiraram o fôlego... A sua definição de saudade é completa. Essa coisa de ser frágil diante do outro e de sentir saudade do que a gente efetivamente é quando está ao lado de quem ama. De ser uma alegria que se entristece na ausência. PERFEITO! Assim defino o seu texto.

Beijos

Claudia disse...

Oi Fabricio, amei seu texto, como todos os outros que vc escreve e eu amo. Sabe que uns meses atrás escrevi sobre a saudade dedicando uma pequena poesia a um grande e velho amigo. Se me permite, aqui vai pra você ler se puder:

Saudade em Tempo Real (by C.F. / for M.B.)

A saudade em tempo real
se sente antes mesmo de partir
antes de o outro acenar adeus.
Ela aperta o peito enquanto a mala ainda é refeita
enquanto lágrimas aguardam afoitas pra rolar
enquanto o nó ainda não se formou na garganta
É a saudade que se pode apalpar no corpo do outro que está para partir
que começa a lançar no ar um certo odor rançoso de baú de lembranças
que sinto na ponta dos dedos dele quando me despe.
A saudade em tempo real não mata, mas envenena
é aquela que a gente vê espelhada nos olhos do outro a poucas horas da despedida.
é aquela que testemunha o quanto dois desejam continuar um.
é ela que faz lembrar que o melhor momento da vida com alguém está prestes a acabar.
É ela que adverte: o já é só agora, não deixe escorrer pelas mãos.
Cruel, é ela que só sai para dar lugar à saudade em tempo total e essa sim,
essa toma conta de tudo, dilacera, se metastiza
e como um furacão voraz e implacável, engolirá tudo que eu tinha por dentro.
Essa faz querer de volta a saudade em tempo real
que se fazia presente quando o aceno de adeus era só um constante, inocente, inútil adiar.

Um beijo,
Claudia F.

Leandro Lima disse...

Um daqueles textos em que me perco...
"Saudade é imaginar por dois não sendo mais nenhum. É agir solitário no plural."

Rêveur disse...

Me fez lembrar de um poema do Pessoa:
"Quem ama é diferente de quem é.
É a mesma pessoa sem ninguém"

Cristiane Girassol disse...

Ai.... sem comentários... apenas suspiros!!!

Re disse...

Nossa, Fabrício! Sempre gosto muito dos textos que você escreve. Enquanto leio, é como se você tivesse traduzindo meus pensamentos para o papel.

Ainda esse fim de semana eu escrevi:

AUSÊNCIA
A lemrança não basta. Quero a presença.

Reformulando, pensei:
Ausência: quando a lembrança não basta.
Mas creio que a melhor palavra não seja "ausência" e sim "saudade". Mesmo que seja a saudade de sentir saudade.

Cáh disse...

Fabricio, o que seria meu elogio no meio de tantos?

sejam abençoados teus dedos, e tua mente para que continue nos presenteando assim...
e quando um dia acabar?

já sinto saudade.

marta rodrigues disse...

chorei, chorei, chorei... cachoeira mesmo!!! meu momento

Anônimo disse...

Desculpa,mas nao gostei.
Achei um tanto limitada essa tua definicao. Misturou saudade com amor. Os dois sentimentos estao entrelacados,mas nao necessariamente dependentes um do outro.
No mais,gosto muito do que escreves. Abcs!

Margareth disse...

Oi Fabrício, sondada pela dúvida, não sei se sou mole, frouxa ou romântica, pois se coração chorasse, hoje o meu estaria aos prantos. Sinto-o partido, partidinho de tantos cacos, não sei se de pena de você ou vergonha de mim. E ai Fabrício, Sexto sentido ou falou um pouco mais com o senhor? Você e suas certeiras flechas hein! Que texto recado é esse menino? Nossa, adorei. Vou guardar-lo, com sua licencia, na pasta dos favoritos, pois sinto que é meu. Obrigada. Pra você ter uma idéia, recebi dois e-mails, nesse final de semana, que tem haver com isso. Um de uma amiga, onde resumi nos links, que a distância estar com pena da saudade, querendo saber a que pé andam os meus sentimentos, que a lembrança estava brava, confirmando assim, que gostava muito de mim. O outro foi da minha querida nega irmã, mostrando as fotos do sol nascente, percorrendo as famosas ruas da minha terra natal, festejando o aniversário da sua existência. Ela também se queixava da saudade, cobrando um oi. Só pra lembrar, o último boa noite, da passada, foi o da nega(pelo celular). A distância não faz bem ao bem. O problema da saudade é à distância, que quando sofre, manhosa pede colo. Isso prova que a distância não tem muita culpa não, o problema é que a saudade tem suas manhas, quando quer estar perto. Saudade é como amizade, tem que estar perto para espantar o sofrimento. Saudade é como o amor, só quer bem, bem perto também. A distância não manda no fim dos relacionamentos, só se enxeri com a saudade, que nada mais é que o sentimento da lembrança. A saudade é amiga da lembrança, talvez até um grande amor, pois juntas lutam por qualquer existência. No desespero da ausência a lembrança chora de saudade. A saudade chora e sofre com as incertezas do abandono, mas com um oi já se acalma. Há dias em que me sinto um pouco egoísta, principalmente quando a saudade reclama, pois uso todos os minutos e nenhum segundo deixo para o oi. Olha Fabrício deixo claro para os meus queridos amigos que enquanto houver momentos oratórios, sol, lua, estrela, um bom livro, uma boa música, cafezinho, pão, queijo, doce, banana, abacaxi, chocolate sorvete, rede, internet e água na beira do mar, (essas coisas dificilmente acabará, por isso as escolhi como exemplo, é tudo e mais um pouco que gosto) luto por cada existência, pois todos os dias penso neles e agradeço ao senhor, pelos laços que faço nos ligamentos da vida, os quais só dão bons motivos para sorrir, viver e continuar amando. Fabrício faz como eu, deixa a distância implicar com a saudade, toma um cafezinho que acalma até o próximo encontro, liga, escreve, aparece, sei lá faz alguma coisa, o que não pode é você ficar triste. Vai que os textos vêm chorando, e ai o que pode acontecer com os seus leitores e com esse doce terraço? Não Fabrício, você não pode ficar triste por causa dessa malvada saudade, ela demora muito para passar, lembre-se a distância é longe de tempo. Pra diminuir as queixas divinas, confesso, senti saudade não desse livro que você cuida com muito carinho, pois ele é como um espaço bíblico, sagrado e necessário de leitura, mas do seu terraço, do papo Fabrício. Fabrício, você já é um excelente livro ambulante, mas para mim também é como um bom cantor, uma boa música, uma poderosa oração, enfim você faz bem, desculpe, já o tenho como amigo, pois também tenho saudade. Amigo ficar junto, tem saudade, tem lembrança, e sofre com a distância. Será que saudade é amiga? Acho que não, pois na diferença dos detalhes ela não fica junto, ela quer ficar, mas a distância impede. Na realidade ela é amiga da lembrança, pois as duas andam e sofrem juntas. Acredito que sejam duas irmãs, duas amigas, um grande amor, preso na distância. A vantagem da lembrança é não deixar a saudade esquecer os melhores momentos, e a vantagem da saudade e não abandonar os melhores sentimentos.
Abraços de saudades.
Margareth.

Anônimo disse...

"Saudade é imaginar por dois não sendo mais nenhum. É agir solitário no plural"
Conceituação muito boa!
Fabricio, és o escritor que vai ficar na história do nosso século!
Parabéns pelos excelentes textos!
Bjs

@fernahh disse...

Caralho. Tu é o cara mais auto-involuntário-psicólogo do Brasil.

Baita texto.

Bruna Fávaro disse...

Estou completamente apaixonada por cada linha desse seu post.
Maravilhoso e verdadeiro!

"Saudade é uma soma daquilo que não somos quando o outro se afasta e daquilo que somos quando o outro está junto."

Lindo!

Priscilla disse...

Veja como o universo é.

Semana passada, enviei um e-mail a ti com um convite para participar de um documentário que estou produzindo como TCC. Sobre a saudade.

Na semana seguinte, produzes uma crônica justamente sobre o assunto!

Já que és todo saudade, és a fonte perfeita.

Veja bem. A vida, o universo e tudo mais conspiram para que você me conceda uma entrevista. Por mais breve que seja...

Seria um presente para uma quase colega jornalista. =)


A propósito, belo texto.

Abraço.

Robs disse...

Concordo com a Bruna acima, está sem sombra de dúvida, resumen 80% de tudo "Saudade é uma soma daquilo que não somos quando o outro se afasta e daquilo que somos quando o outro está junto". Eu sinto tanta saudade ultimamente de um conterrâneo teu, que meu peito parece que vai explodir. Mas é uma saudade egóista, minha. Não posso negar que meus olhos ficaram bem tristonhos ao ler tais palavras, mas meu coração, tão irradiado com tão belo discurso. Sinal de que a humanidade tem salvação.

Um forte abraço e muita, muita paz e inspiração.

És um iluminado.

Sandra Lopes disse...

Já senti tanta saudade que pensei não suportar. Ainda hoje sinto a sua presença ausente a me rondar. É inegável: a saudade transcede o tempo, as diferentes situações, os diferentes planos... A saudade transcende a alma!!!
Parabéns, maravilhoso este texto como tudo o que escreves.

www.prosapoesia-profesandra.blogspot.com

Anônimo disse...

Estou há um ano casada e separada do meu marido, ele vive em São Paulo e eu em Porto Alegre, o que sinto sobre isso você bem escreveu: saudade! sentimento complexo, angustiante, mas que também conforta pois só existe quando amamos e muito! Obrigada pelo texto, duplamente aprovado (maridão e eu!).

paolla disse...

Vim ao seu blog por indicação de uma amiga, primeiro texto que leio seu, e já estou totalmente apaixonada! Obrigada por essa dose de felicidade!

Anônimo disse...

caro Carpinejar! O Que vc escreveu é umaobra prima sobre saudade. A partir de agora sou seu fã!

Sexo c/ Amor? disse...

Lindo texto!
Saudade é a mistura de prazer e dor.

milah disse...

Belo texto, e me fez lembrar do surpreendente Rubem Alves: "A saudade é o bolso onde a alma guarda aquilo que ela provou e aprovou. Aprovadas foram as experiências que deram alegria. O que valeu a pena está destinado à eternidade."

Kel Ornelas disse...

Lindo texto, parabéns!
"Saudade é não se bastar mais, é depender de alguém para continuar sendo."

Anônimo disse...

Estava pensando sobre saudades q sinto de várias pessoas, de situações, de momentos, de algum passado q é tão bom lembrar... Qual será o significado da saudade? è o signo do afeto? do acalento? do aconchego? da fuga? do preparo emocional para o presente e futuro?
Pq a saudade faz doer? Tem gente q nao sente saudades? Tem gente q só sente saudades?
Saudades é um sentimento paradoxo... um sentimento que fez sentido na vida e depois vivê-lo novamente faz doer e dor não é confortável.. mas é possível controlar a saudade? Dá para quantificar? Existem pesquisas sobre dor, os tipos, a intensidade... será q existe tbm para a saudade?

Saudade é a marca que alguem deixou em nós?

Para uma menininha, Saudade é amor q ficou...

Anônimo disse...

esse cara é simplismente tudo de bom.um ser que contem destreza na palvras!!!!!!