terça-feira, 31 de janeiro de 2012

EU JÁ SABIA

Arte de Wilfredo Lam

Teremos sempre gente nos julgando.

Os vizinhos, os parentes, os colegas de trabalho, da academia e do inglês, quem nos tirou no amigo-secreto, quem nos viu no cinema.

Chamados para opinar, vão demonstrar uma intimidade surpreendente.

Não é paranoia, todos só estão esperando que eu faça algo realmente grande para confessar que me conheciam.

E pode ser agradável e pode ser nocivo, não importa, as maçãs podres partilham a cesta com as frutas sadias, o joio e o trigo são irmãos gêmeos, a maldade e a bondade são mais parecidas entre si do que o amor e a amizade.

Diante de uma atitude boa, dirão que já sabiam que eu era sinônimo de retidão.

Diante de um fato ruim, também dirão que já sabiam que eu não prestava.

O sonho da maioria é desfraldar a faixa: “Eu já sabia, Galvão”.

O fofoqueiro deseja ser profeta, pretende dar a notícia em primeira mão seja lá qual for e como for.

Os conhecidos guardam meus antecedentes negativos e positivos numa pastinha na área de trabalho do Windows, prontos para a impressão.

Ao me tornar santo, não será complicado encontrar testemunhas dos meus milagres. Citarão coisas inacreditáveis. Quando pulei o muro de três metros da Escola Imperatriz Leopoldina aos 11 anos e fui suspenso, avisarão que nada me aconteceu porque meu corpo é protegido pelo Nosso Senhor Jesus e que a direção me castigava injustamente e não compreendia meu dom.

Ao me tornar louco, comentarão que o mesmo pulo já dava provas da possessão do demônio, que meu apelido Chuck indicava a liderança negativa na turma, que merecia expulsão da diretora.

De um lado da moeda, a santidade. De outro, a ausência de sanidade. Em ambos, a mesma efígie.

Somos influenciáveis. Há a ânsia em definir o próximo para nos poupar da encrenca de assumir as próprias ambiguidades.

Em caso de me converter num herói salvando criança de atropelamento, a opinião pública tecerá elogios de minha conduta familiar. Lembrará do amor incondicional aos filhos.

Na hipótese de atropelar alguém, o público me enxergará como uma máquina mortífera desde a infância. Desde quando andava de triciclo e amassava formigas. Puxarão os pontos da carteira de habilitação, e o zelador do meu prédio, Carlos, descreverá minhas dificuldades para tirar o carro de ré.

Teremos sempre gente nos condenando. Viver é uma execução sumária.

Certo que, um dia, termino no paredão.

Pelo menos, vou pintando os muros de meu fim. Verdes de esperança.

Mas não faltará amigo supondo que isso é ironia.



 



Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 31/1/2012
Porto Alegre (RS), Edição N° 16964

15 comentários:

Anônimo disse...

Olá caro blogueiro .sou seu fã,Será que pode me informar o que estes valores se refere.Eu tenho blogs e vejo meu ma snao sei sobre estes valores.Se possivel ver.Pode copiar o link e ver pelo google se acha que isto é virus.Mas tenho a concvicção que não é.Grato
http://urlpulso.com.br/www.carpinejar.blogspot.com

Minha Casa - meu corpo disse...

Carpinejar copie sua postagem toda e coloquei no meu blog.
Porque define o que eu sinto no momento. E tudo isto por causa de uma porta.

Chegadas e Partidas disse...

Oi Carpinejar, adoro suas frases e suas crônicas não perco. Esse seu texto caiu feito uma luva pra mim hoje pois tive um dia bem complicado e em que fui "executada" por vários ângulos. Acho que viver é isso, mas não deve ser apenas isso....

Beijos!

Gabriela Guimarães disse...

Genius.

Michelle disse...

ARTO de WILFREDO LAM...JORNAL ZERO HORA...
And don't forget CRONICA!
It's called desperation in a blog for KID - FUCKS.
And all that BACEN is getting smoked with DEMETE in QCOW.
And it's coming out NAZI with the QUEEN!
And RICK the WERPRIC ...my brother, is coming out in whatever HYDICA he has left after POONSTO and is taking a royal KIDDOMP on MP3 and SYMICR .
It was SYRIA that enabled all that LOUISIANA filth with OIL DISASTERS and it's still SYRIA with the QUEEN in
OSIRIS- PETWOOD- HYDRA.
CHOMME- CHUMUN- COCHOUN and tons of CHOWN.
And it's all about KANSAS and HM.
TEXAS- TOOTT- SCHAR 169 and MASTESPANKER 69.
They 're delivering what's left of the pizza in BAZZLECO and ACCING and MOEBACO .
METTETAL- RICE- RICK HERSED it all with RELMESE .
And GATORS to CROCODILES ate it up with ADA.
They called it CHOCOLATE.
With the STARZ.

Anônimo disse...

Fala sério né Fabro, é bem isso mesmo. Não dá vontade de mandar todo mundo pra Ponte que Partiu??? Como vc consegue lidar com isso e ainda manter essa sua leveza e bom humor???? Como vc pode ser assim tão inabalável????

J. disse...

Não conhecia e gostei consideravelmente.
Passei o dia lendo coisas dispensáveis, encontrando pseudo-escritores que falam, mas não dizem.
Definitivamente não se aplica a seus textos.

J. disse...

Peço licença para seguir.

Anderson Mattos disse...

Acho que ouvi sobre você +- 1 ano atras, primeira impressão definiria como estranho, depois de ouvir seus comentários:Tartufo. Depois comecei a entender melhor e hj sou seu fã te acompanho nas redes socias pela rd gaúcha. Acho que estou aprendendo a ficar mais sútil e ter uma melhor reflexão com seus textos.

Parabéns pelo seu trabalho!
Anderson mattos

A Ex de Murphy disse...

É verdade... Haverá sempre alguém observando, o sucesso ou o fracasso, mas sempre haverá um "público".
E em troca, como seres humanos inevitáveis, certamente vamos parar pra observar também, e pra citar o tal do "Eu já sabia".
Post fantástico! =)

Daniele Cezar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniele Cezar disse...

sim, teremos sempre gente nos condenando. mas quem nos condena, geralmente, tem uma vontade danada de fazer o que fazemos. e, por medo ou vergonha, não faz nada.

condenar é mostrar a inveja disfarçada de educação.

genial teu texto!

Captain Purple disse...

E vale o ditado "julgamos nos outros o que condenamos em nós mesmos"...

Izabella Viana disse...

Conheci o seu trabalho hoje, pois o perfil no facebook do site Skoob postou um trecho do seu livro do twitter (nossa, quantas redes sociais em uma frase só haha). Eu como twitteira viciada me interessei bastante. Vi seu blog e realmente gostei, e estou gostando, de tudo que leio aqui. Acho que finalmente encontrei um escritor que diz coisas que eu penso. Continuarei acompanhando =))

Luciana disse...

O ser humano sempre acha que conhece o ser humano, assim julgando-o.
Abraço