domingo, 1 de junho de 2014

A MÃO DA FILHA

Arte de Salvador Dalì

Rituais me comovem. E ainda mais quando são desnecessários.

Um deles é quando o jovem pede a filha em namoro para os pais.

Ninguém usa cerimônia para começar um relacionamento. Namoros se iniciam com um clique no Facebook e terminam com o bloqueio no Facebook.

Por isso me espanta quem enfrenta a família da pretendente. Quem se importa com a opinião dos mais velhos, em empenhar a palavra, em olhar nos olhos, em indicar firmeza de laços.

Não é tarefa pequena criar um compromisso com o futuro, transparecer intenções sérias, evidenciar que não está brincando, admitir que está apaixonado e arcar com as consequências da escolha.

Há uma tendência em ser imediatista e descomprometido, em privilegiar o presente e a independência do desejo. É cômodo manter o romance a dois, qualquer ruptura não terá efeitos públicos, é sair e se desligar com facilidade. Os segredos ficam restritos e não interessa aos demais.

Sou absolutamente sentimental com a coragem dos românticos.

O adolescente que rompe com o egoísmo e divide suas expectativas é um louco de minha mais completa admiração. Olha que coisa estranha de se dizer: loucura hoje é ser tradicional, é se apegar, é honrar o núcleo familiar, é oficializar o arrebatamento.

Quem pede em namoro diante da família não pode fugir de repente, mudar de ideia e desaparecer. Declara o endereço de seu coração, o CEP, o CPF, mostra quem é e o que deseja.

Quem tem essa ousadia de não voltar atrás em seus próprios sentimentos e honrar promessas? De se incomodar em ouvir o que os outros pensam, em suportar o constrangimento do primeiro encontro e a secura da garganta?

Ficar na sala aguardando o momento certo de abrir a boca entre o comercial e a novela. Escolher as frases mais sensatas e tentar encontrar clareza para expor pensamentos confusos e emaranhados da paixão.

E não é somente falar, é estar receptivo a um sermão, a uma negativa, a restrições, a represálias. É se colocar dentro de um convívio, com regras e ritmo desconhecidos.

Mais do que educação, significa respeito. É cuidar daqueles que cuidaram dela antes. É proteger aqueles que dedicaram a vida a protegê-la.

É valorizar o passado da mulher, abrir um novo ciclo e arcar com as expectativas dos atos.

É avisar a família antes do mundo — quer uma prova maior de reverência?

Meu amigo Claiton teve essa dádiva. Quando o rapaz pediu sua filha em namoro, ele baqueou pelo reconhecimento, surpreendido pelo tamanho cuidado.

Recebeu o candidato para um café. Aguardou que ele falasse, falasse, falasse de toda sua fé e o quanto estava sendo feliz.

Assim que ele pediu a mão de sua filha, Claiton não facilitou. Emudeceu longos minutos. Encarou ambos, respirou fundo e confessou:

– Não lhe dou a mão de minha filha, deixa a mão comigo, tá? Você já tem todo o corpo e alma dela, a mão é minha. A mão é do pai se ela precisar voltar, se ela precisar que eu a puxe de volta. Combinado?

Quando o homem faz um pedido formal de namoro, ele oferece algo muito importante e inesquecível à sua namorada: a declaração de amor do pai.

Permita essa delicadeza para sua mulher.

  
Publicado no jornal Zero Hora
Revista Donna, p.6
Porto Alegre (RS), 1/6/2014 Edição N° 17815

3 comentários:

ana disse...


Mas como você é bonito, Fabrício !

Jennifer S. e Daiana P. disse...

Chorei. Vou pedir ao meu pai que leia isso. Você é incrível Fabrício.

Anônimo disse...

Bonito, pensar sob esse aspecto. Mas por outro lado, por que é sempre o homem pedindo a mão da mulher? Por que não a mulher pedindo a do homem? E por que é para o pai, e não para a mãe ou para ambos? Eu acho que é por um pensamento de que a mulher tem que ser tutelada, primeiro pelo pai, depois pelo marido, sempre por um homem. Por essa ótica, é machista. Prefiro que meu futuro genro venha me dizer, se os dois já forem grandinhos pra decidir por si mesmos: olha, estou namorando sua filha pq nós dois quisemos e estamos dizendo aos pais pq os respeitamos e os queremos ao nosso lado. E que se eu tivesse uma futura nora (se tivesse um filho homem) tb acontecesse dessa maneira. Prefiro assim.