sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O MAIOR SEDUTOR

O homem que passa protetor na costas da companheira faz sucesso entre as mulheres.

O homem delira com as possibilidades de um protetor solar. Sonha ser abordado por uma desconhecida na praia. Ela deitada, sozinha e indefesa, com mínimas peças, implorando com voz rouca de tele-sexo:

– Por favor, não alcanço minhas costas, me ajuda?

Mas o mesmo garanhão não é capaz de atender ao pedido recém feito pela própria mulher. Não sustenta nenhuma fantasia com quem já dorme. Faz a contragosto, com desleixo e obrigação. Realmente envergonhado da tarefa diante dos amigos. Esfrega ao invés de passar. Como se o creme branco e cheiroso fosse um rosado e pegajoso caladryl.

– Calma, amor, senão me queimo.
– Queimado está meu filme.

Não serão os movimentos imaginados e circulares de esponja, mas gestos econômicos e rudes de lixa. Deseja se livrar da incômoda tarefa o quanto antes.

Macho acredita que seduz somente fora do casamento. Quando se fixa demoradamente numa jovem, quando pisca o olho a uma estranha, quando dá em cima de uma beldade, quando examina a bunda de uma gostosa. Confia que flertar e soltar indiretas são suficientes para garantir seu domínio territorial. Sua tese é parecer disponível em tempo integral, ainda que comprometido.

O conceito masculino é esquisito, feito de verdades parciais. Há sutilezas inacreditáveis em seu raciocínio. Não enxerga problema em pular a cerca desde que não visite a casa. Alega que não tem segundas intenções, mas troca sorrisos abobados com terceiras.

Suas desculpas mudam de acordo com o contexto.

Grande parte dos varões erra na arte da conquista. A falha é reforçar a caricatura, confundir ficha corrida com reputação, cair na cilada de provérbios populares como “fama de rico e comedor não se desmente”.

Carrego, portanto, a certeza de que o maior sedutor não é o malandro, não é o esperto, mas o monogâmico. O fiel. O que tem olhos apenas para sua a patroa.

Ele não pescará decotes mais profundos na vizinhança. Deslizará protetor em sua mulher, com calma oriental, comovido, o olfato sinceramente interessado. Acompanhará as mãos com o corpo. No fim, se aproximará dos ouvidos para sussurrar uma barbaridade. O arrepio feminino produzirá um maremoto de cangas nas proximidades.

Não precisa de mais nada para chamar atenção, toda a praia estará suspirando por ele. Abrirão uma comunidade no Orkut para homenageá-lo.

Nada mais ostensivo e perigoso do que um homem amando sua esposa.

Ninfetas, trintonas, lobas e septuagenárias vão se derreter por aquele barbado gentil e romântico. Vão concluir que ela é uma felizarda. Vão arrastar as pálpebras e tirar binóculos da bolsa para acompanhar detalhes de perto.

Diferente da piada, a fofoca nunca vem inteira, ocorre em capítulos:

– Meu Deus, ele puxa a cadeira.
– Repara como ele a acompanha nas caminhadas?
– Não desgruda um minuto da mão dela!
– Foi buscar água de coco. Não duvido que sirva café na cama.

A conclusão é que ele alcançou a glória, certo?

Não, ainda é uma decisão precipitada. O público feminino não se apaixona pelo homem, mas pela mulher do sujeito. Pretende estar em seu lugar. Ocupar sua posição. Desfrutar de igual admiração. O início do amor é sempre lésbico, depois é que pode ficar heterossexual.

Não custa avisar. Cuide de sua mulher antes que ela se interesse pela vida de outra esposa.





Publicado no jornal Zero Hora
Foto de Adriana Franciosi
Editoria Geral, p. 85, seção Estrelas do Mar
Porto Alegre (RS), 12/02/20010

27 comentários:

Ana E disse...

excelente e preciso, as always. bjao

HNETO disse...

Talvez, numa relação heterosexual, a mulher busque a parte feminina no homem (embora o homem não o faça); assim como alguem sempre busca ele mesmo no outro. Os iguais se atraem.

Samyta disse...

Enfim, um homem que entende e diz a pura e simples verdade.
Tá tudo aí, gente!!!
Genial, Fabrício! Parabéns mais uma vez!!!

Mulheres de Atenas disse...

Cada vez que a gente entra aqui, suas palavras deixam-nos deliradas. Mas não é somente por você dizer o que se quer ouvir/ler, é porque sábias são elas, suas palavras. Não, você não é um guru, mas um ótimo observador. Sempre bom te visitar.

Rennasx Guimarães disse...

Tamanha sensibilidade literal e verdadeira. Admiravelmente você matou a charada que talvez, nem nós mulheres ainda havíamos nos dado o direito de analisar.

Congratulations!!

Lia Neves disse...

Eu, quando era mais nova, sempre quis estar na pele da mulher que pede para passar o bronzeador. Nunca tive coragem.

IMA disse...

CARALHO, disse TUDO!

Alice Reis disse...

absolutamente incrível! adorei...

Amanda Guimarães disse...

Fantástico!

elizabahro disse...

Licença moço...sou nova aqui!
Depois dizem que agente que é exigente,
quem dera as pessoas fossem observadoras como vc!

Inté

Maria Tereza disse...

Texto divino, como sempre! =)

Ana Paula disse...

Ahh se eles soubessem e ahhh se elas soubessem...
vale para os dois na minha visão!
:)

Marinha disse...

Perfeito!!!
Fico feliz por acompanhar teus escritos e mais feliz por ser a esposa de um homem igualzinho ao companheiro gentil narrado no post. :)
Sem me preocupar em parecer tola, ingênua ou o que o valha (na tentativa de desmerecer ou criar descrédito na opinião de mulheres felizes com seus relacionamentos, tentam fazer-nos idiotas), pergunto: Conheces meu marido? hehehe
Adoreiii, Fabrício!
http://construtoradepalavras.blogspot.com/

Violeta disse...

O texto é maravilhoso!
Observação perfeita e sincera!!
Adoro seus textos..

Ana Pellegrino disse...

Fantástico!!
Adorei...

Rosália disse...

Adorei a definição de sedutor e a definição de Liberdade!
Rosália

Anjo K disse...

Boa noite! Gostaria de parabenizar o blog...
Primeira vez que o estou vendo, e realmente incrivel! Parabéns.

Anônimo disse...

Tive caimbras, saí da cama, abri os e-mails e conheci você. A caimbra sumiu, o sono também.Uma notícia boa neste país de iletrados: um poeta novo na praça. Vivo e jovem. Jovem e bom! Mario Quintana, Carlos Drummond fizeram escola e você foi bom aluno. E no humor, L.F. Veríssimo foi seu colega.
Que bom, Brasil. Vou dormir agora. Feliz.

Maria Alice

disse...

casa comigo, fabrício!

Bruna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruna disse...

Incrível sua delicadeza com as palavras, elas parecem deslizar a cada linha que você produz, dizendo tudo o que deve ser dito na medida certa. Que precisão!

Leonardo Xavier disse...

Eu acho que essa postura de seduzir só na questão do flerte. Eu acho que as pessoas em geral adotam essa postura num primeiro contato e quando ocorre de fato um relacionamento elas passam a se sentir donas do outro e esquecem que amor como todo os outros sentimentos precisa ser alimentado.

Polliana Araújo disse...

Concordo.

Principalmente levando em consideração que nós, mulheres, agimos em função da competição que temos com as outras mulheres.

Diferente dos homens, nós temos inveja. E sim, a vida dos outros sempre nos parece melhor.

=)

disse...

Fabrício, adoro tudo que tu escreve, apesar de ter que confessar que leio pouco... mas nenhuma letra tua se perde!
Amei este texto, grande percepção, acima do que qualquer mulher poderia ter pensado, e até mesmo sobre os conceitos dos próprios homens! :)
Tomo a liberdade de partilhar com meus contatos via email.
Sorte, saúde e sucesso sempre!!

gomes disse...

pessoas iluminadas...

Anônimo disse...

Amo tudo que vc escreve a amei isso também
mas o que é monogâmico??
:)

Anônimo disse...

Excelente!