sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

SEPARAÇÃO CRIATIVA

“Relacionar-se é vocação, difícil e rara. A concentração é contínua, o trabalho é de artesão. Um desafio delicioso”
Cinthya Verri


Arte de Sir Sidney Nolan



Eu adoro a palavra. Sou fascinado pela palavra, não é nenhuma novidade isso.

Mas não coloco mais a palavra em primeiro lugar. Não sou mais coletor de ofensas.

Se meu filho explode e avisa que não me ama não irei castigá-lo ou obrigarei que ele desminta em minha frente. Não o puxarei pelos braços, não responderei para procurar um pai diferente, não subirei no púlpito e ordenarei maldições. Tem a liberdade para me odiar. Eu sei que ele me ama. Eu sei que ele me quer.

A sabedoria não está em evitar o sofrimento, e sim ao não fugir dele

Já observei casamentos desfeitos porque um falou para outro que acabou e não voltava mais. E nenhum dos dois cedeu e insistiu e perguntou de novo. Passaram a história inteira para provar o que ele ou ela desperdiçou e o dano irreparável de suas frases.

Enterremos logo nossas maldades para velar as injúrias. É só oferecer ao nosso par a mesma capacidade que temos de nos perdoar. Desapareceria metade dos problemas. Os inimigos são netos de nossas teimosias.

Castigamos com silêncio quem temos certeza que nos ama, torturamos com silêncio quem temos certeza que nos ama, somos indiferentes a quem temos certeza que nos ama. Por uma palavra dita na dificuldade absoluta de comunicação. Não vale o que foi vivido antes, será enviado um boleto bancário de um grito, de um palavrão, de uma observação injusta. A cobrança será eterna quando seu significado era provisório, próprio do desabafo, de um momento infeliz.

Não conheço dor que não seja desajeitada, ela vai declarar do jeito errado e do modo errado. Por que não desculpar?

Terapeutas conhecem o assunto a fundo. Toda discussão é um desespero e não pode sair agrados e elogios. Mesmo assim, fazemos de conta que é difamação e desrespeito. Mais fácil odiar do que continuar trabalhando as próprias limitações.

O boicote é uma forma de educar pelo sacrifício. A pior forma. É ficar preocupado em honrar o castigo. É preparar uma vingança ao invés de se distanciar um pouco para entender o que gerou a discórdia.

Trata-se ainda de um sacrifício mútuo, os dois vão perder a possibilidade de criar uma intimidade maior e mais generosa.

Aquele que atacou pedia ajuda. E atacou pois não sabia justamente pedir ajuda. Preocupados em nos defender, não alcançamos o apelo e retribuímos o inferno.

A palavra engana. A palavra manda embora e o corpo pede um abraço. Há de se procurar o gesto. O que me interessa é o gesto, o resto da palavra. A origem. Se aquilo foi feito para permanecer mais perto.

Quando viajo para serra gaúcha, as estradas me ensinam a importância do que é torto. Elas seguem a natureza ardilosa dos morros, assustam com suas curvas, mas sempre me deixam na cidade em que nasci.

É na briga que mostraremos nossa criatividade. Poderemos repetir os clichês: desaparecer para impor uma lição ou aparecer com namorado/namorada para humilhar ou fingir que nada sente. Poderemos repetir as convenções, defender o orgulho acima de tudo, nos preocupar com a honra mais do que com a relação, chamar de preguiça a falta de cuidado com o que foi dito, reclamar responsabilidade, impor ao outro a severidade de nossos princípios para mostrar o quanto somos nobres, coerentes e firmes.

Ou poderemos contrariar as expectativas com um talento incomum ao humor e ao entendimento.Só um debate tem tréplica. O diálogo não conta o tempo nem limita o direito de falar.

Se a separação depende de motivos, a reconciliação é muito melhor, não precisa deles.

Amor não dá a última chance, dá chance sempre. O capricho é cuidar do erro. Não há capricho sem usar a borracha e reescrever de novo.

43 comentários:

Polly Sapori disse...

Apaixonada pelas palavras, aprendi que elas dizem, muitas vezes, quando são ditas no silêncio de um olhar, um gesto. Palavra falada as vezes é imposição e palavras escritas muitas vezes é exposição em excesso.
Cuidar das palavras é também, ter cuidado com elas.

Silvana Martins disse...

Perfeito. Pena que as palavras às vezes não tomam conta de cabeças-duras como a água da chuva forte invade lugares inesperados.
Abrirei diques e manterei a esperança.

Elaine disse...

tive a impressão de ler algo que eu mesma havia escrito. Muito obrigada pelo texto, ótimo!

.: Elisa :. disse...

Lindo e verdadeiro. Concordo 100% e não só em palavras, em atos também. Queria que esse texto surgisse do nada na mesa de alguém hoje... triste saudade. :(

Nina disse...

Que texto foda... Adorei!

Mas há que se percorrer a distância entre a intenção e o gesto.

Bj

Raiana Reis disse...

Por descrever tão bem as relações humanas, nos encontramos sempre em algum canto das suas traçadas linhas... esse texto hoje então, é intensamente meu momento, chega a ter as mesmas ideias de 'reescrever com o perdão ou a nova chance de viver de novo' que descrevi no meu último texto "Per-dôa o que doer?"

"Se a separação depende de motivos, a reconciliação é muito melhor, não precisa deles." Porque pra amarrar o fio desatado de uma relação somos sentimentos e não razões jurídicas...

Digo aos quanto cantos que es o meu poeta das relações humanas... Gracias por mais um desses momentos Fabro!
Beijos

Verônica Andrade disse...

Adorei. Você sabe direitinho como tocar na nossa sensibidade. Parabéns

Sole disse...

Eu contrariei as expectativas, com talento como vc disse, que bom 'ouvir' isso Carpinejar, que bom cara, vc é the best viu!

beijos

juliana disse...

Também amo as palavras e nem sempre elas andam juntas com nossos sentimentos, vc brinca com as palavras como ninguém.
Lindo texto.
Bjos, Fabro.

Malva Mauvais disse...

"Enterremos logo nossas maldades para velar as injúrias" >> Que bela frase!!!

Bruna Landim disse...

Como sempre simples, claro e gostoso de ler. Bela crônica! Sem dúvida eu concordo contigo.
Um abraço!

tttamie disse...

"A palavra engana. A palavra manda embora e o corpo pede um abraço."

É, tu me deixa de boca aberta.
Acho que as pessoas se enganam muito quando falam, por se expressarem mal, muitas vezes
não conseguindo usar a palavra certa por não terem conhecimento de palavras no português.
Aí surge os desentendimentos e quando foi dito
não tem como apagar: "-Expliquei errado.
Deleta. Vou tentar outra vez."
Então procura no google alguma frase que
consiga falar por ti.

Bem.. tu conseguiu falar por mim.

Ramiro Conceição disse...

ÚLTIMA VEZ
by Ramiro Conceição


Tudo tem a última vez,
a última imagem da última passagem...

- Pelo amor de Deus!
- Adeus!

Tudo tem a última vez
para que seja possível a próxima:
um novo cenário; uma outra montagem;
uma nova alegria; uma outra viagem.

Tudo tem uma nova vez além da última
pois que tudo não pode estar contido
em uma única.



PS: ao Fabro e à Cínthia

Anônimo disse...

Simplesmente Maravilhoso!

Adriana Lima disse...

Adorei o texto e destempero a acidez do meu companheiro com pitadas de bom humor, carinhos...o Amor Vence (espero que para sempre)Valeu!

Renata de Aragão Lopes disse...

"O boicote
é uma forma
de educar
pelo sacrifício."

Belíssima reflexão.

Maria Tereza disse...

"É só oferecer ao nosso par a mesma capacidade que temos de nos perdoar. Desapareceria metade dos problemas." --> Se todos pensassem assim, não haveria tanto rancor, mágoa, ódio...

Carol Naumann disse...

Pensar na sustentabilidade dos nossos atos e palavras também faz o mundo um pouco melhor! Parabéns pelos textos!

Pâm Maia disse...

lindo Fabro, vc tem uma capacidade incrível de ler meu coração... bjão

Anônimo disse...

O texto certo para repensar a crise e o término do meu relacionamento. A separação aconteceu na noite de ontem e hoje tive a chance de ler essa pérola. Obrigado por colocar na tela do meu pc, com todo estilo do mundo, o que eu estava precisando dizer.

Luciana disse...

Se as pessoas não fossem tão fechadas em si mesmas, se perdoassem mais e tentassem entender mais, provavelmente muitas relações não teriam chegado ao fim.
E, caso chegassem, não haveria tanto rancor espalhado pelos corações.

Ótimo texto, bem verdade tudo que diz.

Beijo!

Mile Corrêa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mile Corrêa disse...

Que lindo!
Um verdadeiro deleite para quem ler.
Concordo com tudo! :D

Leandro Lima disse...

"O gesto é o resto da palavra". Faço dessas palavras as minhas.
Abraço, Fabro!

=D

Augusto Amato Neto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Augusto Amato Neto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Augusto Amato Neto disse...

Meus caros, compartilho a dor da separação com o Fabro em Os Cronistas e as Mulheres [http://tinyurl.com/obscomp].
Buongiorno!

Dalva M. Ferreira disse...

Uia!

Marcos Satoru Kawanami disse...

nós, católicos, vivemos isso sempre no confessionário.

Adriana Torres disse...

Aprender a ouvir o que não está sendo dito... Eis nosso desafio!

Você é espetacular com as palavras. Eu, que achava que as dominava, aprendi que realmente nada sei. Parabéns por mais um texto que diz tudo o que eu gostaria de escrever - sua capacidade de verbalizar sentimentos e opiniões é um Dom Divino!

Abrs

Mônica disse...

cara, como é bom ter alguém que fale exatamente o que eu estou vivendo. obrigada.
Já estivemos juntos aqui em BH.
Beijo

Priscila Zavagli disse...

É tudo tão difícil as vezes...

Bob Bahlis disse...

Que saudades de ti, meu grande poeta....
http://bobbahlis.blogspot.com

Erika Drumond disse...

Você é um cara e tanto. Quando te leio, renasço. Obrigada muito.

Lu disse...

lindo texto!

Luluzita disse...

cuidar das palavras é tambem cuidar das pessoas.. do outro e do eu...
valeu pela traducao de alma.
Lucia(@dra_luluzita)

dani scartezini disse...

carpinejar, vc devia colocar aquela "barrinha" q permite compartilhar seus posts em twitter e facbeook, etc. ;) vale a pena! tenho vontade de compartilhar suas palavras! até e obrigada por compartilhar... dani*

Jacelena Dourado disse...

Palavras, palavras, palavras...
Quando usadas na hora certa fazem uma diferença!!!
Abraços fraternos...
Jacelena Dourado

Lilian disse...

Muito boa tarde pra vc...

Olha... adoraria ter sua autorização pra postar seu texto no meu blog!
Com os devidos créditos, é claro.
Mas se não puder, n tem problema, tá bão?
Está muiiiito lindooo.
Amei de corpo inteiro.
Abração cúmplice e muiiito feliz!

Este seu sensível/brilhante texto me fez um bem tão grande que esta minha/nossa solidão fundante de cada dia, se fez acompanhar de sua poético-amorosa forma de viver e ser a vida.
Parabéns mesmo, por sua sensibilidade, mais que isso, por doá-la a nós dessa forma tão bonita. Definitivamante, saber colocar em palavras faz toda a diferença!
Organiza a nossa cabeça de uma forma que vai redecorando, reestruturando tudo dentro. rs...
Tenha uma vida abençoada.
Ahhh, descobri o seu blog através de outro que lhe fez referência: o "Ora, Bossa!"

Abraço confortável e confortado...

lila*lilian*

Adélia Carvalho disse...

Nesses casos os gestos explicam melhor o que as palavras só complicam...

Luciana disse...

A palavra é algo muito leve só que o vento não leva, a gente complica tudo apenas por querer ignorar isso.

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver meu Curso de Informática online.Emily Nascimento

Milena disse...

Um caso de amor com as palavras...fato!