quarta-feira, 8 de setembro de 2010

PERFUME DO BOTO

Arte de Cínthya Verri


Sou apaixonado por mistérios como um cachorro pela rodas de carro.

Passeando pelo mercado de Belém, encontrei a verdadeira farmácia popular. Frascos e frascos encordoados para a venda. Garrafadas para derrame, hipertensão, inflamação, diabetes. Adoecia com vontade de testá-las na hora. Um sem-fim de chás curativos, poções miraculosas, receitas infalíveis.

A vendedora lembrava uma cigana.

— Vem aqui, meu bem!

Eu fui, convicto de que ouvir não compromete. Mas compromete, sim.

— Está com problema de conseguir mulher?
— Não, está me achando feio?
— Não, meu bem, a beleza do homem está no cheiro.
— Tô cheirando mal?
— Para de frescura, meu bem…
— O que deseja?
— Dar desejo, meu bem.
— Pode explicar…
— Tenho aqui o perfume do boto. Quer? É um afrodisíaco, nenhuma madame vai resistir.

Comprei para calar sua boca. Até porque meu bem é sempre usado por aquela que deseja o mal. Ela ainda se despediu:

— Meu bem, depois volte para me contar suas aventuras.

Eu não me vi poderoso, mas profundamente idiota, com três potinhos no bolso do jeans, três por R$ 10, um monte de preservativo líquido.

Apressei o passo ao hotel. As ruas estreitas retardavam o raciocínio, notei que atraía atenção como numa micareta. O mulherio controlava minha cintura, mostrava a língua com malícia, lambia o ar, contornando camadas de um sorvete imaginário.

Será que fez efeito antes de usar? Era o volume da calça, o boto já me enfeitiçava, já me tornava superdotado. Meus braços estavam mais leves, coreografados, as coxas socando o tecido.

Analisei o vidrinho: o lago laranja, dentro pendia algo como um camarão. Cheirei, veio uma nuvem de formol e batata frita. Será que as moças gostam disso? De fritada de múmia?

Descrevi a aquisição ao amigo Mauro. Ele largou uma gaitada:

— O óleo é pai d’égua! Feito da genitália do boto.

Mesmo? Como os homens podem se untar com o pau do boto e arrebatar fêmeas? O efeito não é o contrário: não é para chamar gays?

Não irei espalhar pau do boto em meu corpo, nunca. É a própria decadência. Depois ficarei exigente e não terei mais volta: pedirei porra de baleia e pentelhos de tubarão. Não posso ousar. Será triste se colocar uma vez e a namorada adorar e comentar que está comigo pela química.

— Amo seu cheiro, qual o perfume?

O que responder? Que é o Chanel do Norte?

A fragrância exótica prepara o macho para ser um corno manso. A dar sua vida ao boto. A baixar a cabeça e trocar a virilidade da pele ao cheiro de outro saco.

Não aguentarei se engravidar minha mulher. Pensarei eternamente que a criança é filha do boto.



Crônica publicada no site Vida Breve

26 comentários:

Domingos Barroso disse...

Já pensou:
todas as noites
(no mês de junho)
faria teu filho
botinhos
nas meninas
dos calçadões.

Genial.

Forte abraço,
camarada.

k disse...

presenciei o efeito do óleo do boto!
a paixão se espalhou como se o óleo estivesse na refrigeração do ar-condicionado. principalmente, naqueles q não conheciam teu trabalho...

mas, querido carpinejar, você não precisa de tais recursos de nossa flaura e flora...
a inteligência é mais fascinante, aguça mais os sentidos ;]

Jo disse...

Você foi na barraca da Beth Cheirosinha no Ver-o-peso?? hahaha
Diga a sua namorada que é o Chanel nº 10. rs
Eu comprei o Pega Homem. Não usarei, o cheiro é pessimo.
beijos

Crisneive Silveira disse...

Quem sabe o homem não descubra assim a parte de boto que lhe compõe.


Adorei.

Dinah disse...

Concordo plenamente com K a amiguinha daí de cima: inteligência é uma SUPERBONDER que atrai,liga, cola e adere definitivamente!!!
És um BEM para todos, sem que precisemos utilizá-lo para o MAL.
Um abraço, sem perfume!!!!

Silvana Alves disse...

Fabro, postei no twitter, mas não resisti e tenho que deixar aqui também: Cheiro de pau de boto foi demais! Que orgia é o Norte do País!huashuashuas Beijos

Aline Patrícia disse...

Muito bom hehehe
Gostei da parte em que perguntas se a dona está te achando feio, certas estratégias de venda nos atiram à baixo-estima, quando não acabam por nos (con)vencer a comprar pelo cansaço.
O Boto realmente tem fama, mas sinceramente não sei se sairia com um cara se soubesse que ele usa um troço desses, me passaria a impressão de que não se garante... rs

Oria Allyahan disse...

Ilário como sempre, fantástico como nunca!
Sempre tento aos detalhes, neh!?

Grande abraço!

^^

Oria Allyahan disse...

atento*

=p

Sole disse...

kkkk, q ótimo td isso Fabro! rsrs, Chanel do Norte é tudoooo, hahahaa, bjos

Nadine Granad disse...

Muito bom!
Conheci-o há pouco... encantada!

Abraços carinhosos =)

Ramiro Conceição disse...

O NENÊ DO PEIXE-BOI
by Ramiro Conceição


Quando o nenê
do peixe-boi nasce,
a mãe,
a peixe-mulher,
o leva à superfície
para respirar…
E depois desce.
No silêncio,
por sete dias
sem descanso,
pois não é Deus,
a mãe vê o seu nenê
aprender a sua parte.
Ora,
não faz a mesma coisa a arte
com seu nenê - de 30000 anos?



PS: felicidades, Poeta!

Aline Veingartner disse...

Genial a sua crônica!

Renata de Aragão Lopes disse...

Risadas à madrugada!

Zélia Guardiano disse...

Show!
Adorei...
Grande abraço!

Ixra disse...

Melhor que isso só a banha do peixe-boi da amazônia...kkk


Se puder(em), visite(m) lá:
http://www.iantonini.blogspot.com

Fernanda disse...

Pra precisar matar um boto e usar um perfume de sua genitália, a coisa deve estar feia mesmo...
Ainda prefiro acreditar no sorriso :)

Bell Souza disse...

Fantástico. Nunca ouvir falar de ser mais viril que o boto. e dali boto nelas!

MOTORISTA BRASILEIRO disse...

Ah! quero botar...o verbo deve ter dado origem ao boto...bota amor...bota tudo!..a bota também tem esse fetiche, quanto mais longa mais sedutora...Carpinejar também é um verbo...ele bota um monte de coisas nas nossas cabeças..ahaha! muito bom esse cara...

moleskine disse...

Pau do boto? Parece coisa de bestialismo. Depois o que fazer? Assistir filmes lésbicos com andorinhas? Bondage entre jaguatiricas? Gang bang de pirarucus? Foi bom vc não entrar nessa. Sexo animal não quer dizer isso...rsrs

ps: e olha que sou paraense!

cronicasdumasviagens disse...

Dos melhores textos teus que já li. Muuuito bom mesmo! Onde ficam essas barracas? Já estive em Belém e não vi.

- "meu bem é sempre usado por aquela que deseja o mal."

Cris Butterfly... disse...

Primeiro, devo elogiar, que delícia de crônica!!
rsrsr
Depois resta-me rir muito e lembrar de cada detalhe pra ser vendido o "pau do boto"

Abraços

Claudia disse...

Encontrei teu blog ontem. Genial!
Nada melhor que ir pra cama bem humorada. Saudacoes geladas de outro hemisferio!!!

Anônimo disse...

Tânia Linda

Pois adoro mistérios, e não é que acabei casando com um boto. A diferença é que cheira muito bem,e
sempre vou ter orgulho de dizer meus filhos são filhos do Boto!
Há!há! adorei tua crônica as o apelido do meu marido é Boto! Abraços sou tua fã.

Rosa disse...

Parabéns !!!!! Adorei a crônica !!!!!
Hiper criativa !!!!!
Mas que funciona.....funciona ...!!!!

Silvia Pimenta disse...

Ameeeei kkkkkkk