quinta-feira, 3 de março de 2011

DESPEDIDA DA REVISTA CRESCER


Quarenta e duas histórias em quatro anos de colaboração. É o fim de minha coluna Primeiras Intenções na Crescer. Abaixo, a última crônica (março/2011).

A partir de abril, não estarei nas páginas finais da revista. A direção alegou mudança no projeto gráfico e editorial.

Eu me despeço feliz: fui falar de minha família e ganhei toda uma família de leitores.

Agora, mande sugestões para
PPerim@edglobo.com.br


ASSOMBRADO PELA VIDA

Arte de Gerhard Richter


No bairro de minha infância, era obrigatória uma casa mal-assombrada. Com heras cobrindo os muros, portão enferrujado e som envenenado de vento e vidro partindo do quintal.

Se não havia uma candidata, a gente criava. Bastava uma residência estar abandonada, gemendo, fechada, ou para vender.

Assim que a imobiliária colocava a placa do negócio, o ponto passava a servir nossa especulação sobrenatural.

A construção tinha que atender alguns pré-requisitos. O maior deles: ser caminho da escola. Para facilitar o registro dos mínimos movimentos e gerar fofocas: vultos nos arbustos, janelas batendo e papéis voando. E também necessitava de gatos selvagens ou vira-latas raivosos em seu território, que avisariam da presença dos demônios com as pupilas mercúrio cromo. E alguém deveria ter morrido nela recentemente, por velhice ou fatalidade, para justificar a dívida com o além.

Nem sabe o que eu vi' costumava ser a senha de nossa chegada na escola. A curiosidade tomava a maior parte das conversas do recreio e provocava uma enxurrada de bilhetinhos por debaixo das mesas.

O coração acelerava só de passar perto do endereço, ou de tocar no assunto. Montávamos planos para a invasão. Durante a merenda, traçávamos rotas de entrada e de fuga usando pão, colheres e bolacha recheada. Havia uma coragem receosa, misto de excitação e dúvida.

Hoje a turma seria confundida com um bando de assaltantes, terminaria com a cabeça raspada na Fase, fichada na Polícia. Mas na época existia uma tolerância dos vizinhos; perdoavam nossa pouca idade: “ah, são apenas meninos!”. Pisávamos em território alheio com lanternas e mochilas. Invadíamos quartos e salas. Não foi uma casa que entrei sem permissão, mas várias, incontáveis. Ou pelas janelas ou pelos telhados. Com meu batimento na garganta, comum colega me dando cobertura do lado de fora.

Desse tempo, compreendi que adulto não soluciona o medo de criança, por querer terminar logo com o susto, dizer que não é nada, que é uma bobagem, que não vale sofrer à toa. Pai e mãe apenas aumentam o terror desprezando as perguntas e a cumplicidade.

As crianças pretendem curtir o medo primeiro, desenvolver o suspense. O medo não é uma ameaça, é um modo de fazer amizades.

Elas resolvem os pânicos falando deles. A terapia consiste em tão-somente partilhar medos. A gratuidade dos medos. O prazer dos medos. A delícia dos medos.

Um medo coletivo é melhor do que os medos individuais, castrados e reprimidos.

Exercitávamos a ansiedade com minúcia e fantasia. Às vezes contávamos histórias de terror à luz de velas somente para sair gritando. Às vezes alucinávamos em equipe.

Meu pavor sempre teve companhia para amadurecer.

12 comentários:

Silene Neves disse...

Me deu saudades de minha infância...!

Sil

Lívia Kyara disse...

Me deu saudades da minha infância...!²
Não só da infância, como dos amigos inseparavéis que hoje nos separamos...
Do banho de chuva...
Das quedas e arranhões...

juliana disse...

Hoje conversava com uma amiga e tb tua fã, falávamos em vc e na Martha adoro essas conversas tentando decifrar os dois, em seguida ligo na rádio Gaúcha e quem está lá?Meu cupido particular, meu escritor contemporâneo favorito...Te escuto sempre paralizada, encantada, extasiada.Bjosss.

Persona Dirla diss disse...

* -Sinceramente, Dirla Severo da Silveira.

Lara Gay disse...

é absurdo como seus textos me envolvem, como suas frases me acertam, como você me encanta.
obrigada por isso.
e parabéns!

Anônimo disse...

Fabrício, o que é realidade ?

Alessandra disse...

Nossa...acabei de reviver minha infância!!!
A M E I

Parabéns... você escreve mto bem, além de tudo sua lógica é muito coerente!

Jefhcardoso disse...

Houve um tempo em que vivi assombrado. Ao ler o seu texto me recordei bem. Jamais imaginei, naqueles tempos, que um dia sentiria saudades das assombrações. Mas confesso que sinto. Basta ligar a televisão para ver que o presente momento é bem mais assombroso que qualquer possível fantasma dos meus tempos de menino.
A cada dia torno-me mais romântico. Parece irreversível.

Fabrício, boa sorte em seus novos vôos, querido amigo!

Abraço do desconhecido: Jefhcardoso

Raquel disse...

Foi na Revista Crescer que te conheci e me apaixonei, pena.. a revista vai perder muito, mas tudo na vida é um ciclo não é mesmo?

Aline Patrícia disse...

Suas crônicas para a Revista Crescer são maravilhosas, aprendi, ri e me emocionei muito com tantos relatos cotidianos que também são nossos. É só mais um ciclo que se encerra, hora dos teus textos de temática familiar-reflexiva conquistarem novos espaços.

Abraços :)

Richelli disse...

Me inspirou! http://richellia.blogspot.com/2011/03/meu-medo-de-crianca_08.html
És maravilhoso, não há o que dizer!
Ou, talvez, sim- só que em palavras que poucos tem sensibilidade suficiente pra usar.
Se me descobrir com elas- volto e te digo como acho grandiosa essa tua inspiração- ou melhor: essa tua vontade de expressão! vontade gloriosa!
Beijos,
Richelli

Derland disse...

Muito legal seu blog e otimo, e muito criativo, se depois vocês quiser olhar o meu blog e dar a sua opnião eu ficarei muito grato: http://derlandreflexivo.blogspot.com/