quarta-feira, 24 de abril de 2013

ATÉ O FIM


Arte de Eduardo Nasi

Nunca toque numa mulher por tédio. Nunca toque uma mulher por tocar. Nunca toque uma mulher para completar uma palavra ou ocupar um silêncio.

Nunca toque para apoiar os medos, cobrir mágoas, equilibrar a nudez.

Nunca toque uma mulher por vingança, por carência, por controle.

Não toque se não pode andar na imaginação, se não tem vontade de segurar sua mão enquanto arde, de emparedar a respiração com os olhos.

Não toque se não está disposto a sofrer, se não está disposto a curar o sofrimento.

Nunca toque uma mulher por imprecisa hospedagem, para breve visita das pálpebras.

Toque se quiser morar, se quiser naufragar pelas janelas, se quiser morrer de ansiedade.

Não toque se não deseja, se não assumiu a ponta dos lábios nos dedos.

Não acorde o corpo de uma mulher se não irá acalmá-lo depois. Não importune a mulher se não sonha em laminar o rosto em sua pele.

Não convoque os seios para despistá-los. Não prenda a cintura se não mergulhará no cheiro.

O toque é uma promessa. Não se esvazie na repetição.

Não toque se resta dúvida, não toque se vem desistindo da relação.

Não toque uma mulher por luxo, para experimentar uma fantasia, para justificar uma ideia.

Não toque uma mulher porque não tem nada a fazer, se pensava em outro lugar.

Não toque uma mulher por vaidade, para testá-la.

Não toque para apenas para se deleitar com o prazer do suspiro, pela glória de vê-la excitada.

Não toque uma mulher à toa, por brincadeira, por maldade.

Não desonre a suavidade com a falta de firmeza.

Não toque se não precisa, se não tem urgência. Até a preguiça tem urgência.

Não toque se não ficará mais tempo, se não pode conversar, se não há como gemer.

Não se sinta melhor do que o tato.

Não se aproxime se não busca deitar. Não deite se não busca acordar. Não mexa se não tem como enlouquecer.

Não finja que não chamou, não minta que não ouviu.

Não simule pergunta para fugir da resposta.

Não menospreze a frustração.

Não cumprimente se não abraçar, não abrace se não roçar.

Não toque numa mulher por obrigação, para mostrar virilidade. Não a incomode com os beijos se não pretender soprar os ouvidos.

Não desperte as contradições, os tremores, se não pretende seguir adiante.

Nunca provoque uma mulher se não vai comê-la.





Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira

12 comentários:

céu disse...

Nossa Fabricio vc é incrivel,vc conseguiu transformar o verbo "come-la" num contexto mais poetico e amplo que ja ouvi!!rs Adoro vc!!

Paula disse...

"Comê-la"? Sério mesmo, Carpinejar? E outra coisa: eu entendo e concordo com boa parte do texto, tem certos toques despropositados que incomodam, que eu gostaria que significassem mais, mas eu não acho que esse "mais" se restringe ao sexo. Eu gostaria que demonstrassem amizade, carinho, respeito, admiração... E até mesmo eu, que tenho certa fobia tátil, gostaria que me tocassem mais e gostaria de tocar mais. Esquisita essa redoma de vidro na qual você nos colocou.

Anônimo disse...


Me fez lembrar uma crònica antiga chamada Pingado, da coleção para gostar de ler...rss Tocar e nao comer deixa-nos "AGUADOS", como dizia minha avó.É isso mesmo..rss CONCORDO

Milene Cristina disse...

Se no toque não haver o sentir. Pra mim terá outro nome.

Anônimo disse...

Mais uma vez, fantástico!

... disse...

PERFEITO!!!!!!!!!!

Laura Costa disse...

lindo! talvez eu tenha entendido errado,ao me deparar com o ''comê-la'' que me fiz repensar o que tinha acabado de ler, ao contrário de alguns comentários que vi, para mim essas últimas palavras que tornaram a poesia mais bonita, porque tudo o que foi dito antes é muito mais que o ''comer''do final, na verdade, encheu o ''come-la'' de um significado muito maior e muito mais bonito,tornou a expressao funds e densa, nao banalizou,nao ofendeu, realçou e deu forma a toda beleza que está por trás dessas palvras...

Laura Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roseli Vaz disse...

E assim quando houver esse toque inteiro, tudo fica melhor! Comeria esse texto, mas prefiro deixar aí, quem sabe surta efeito?!


Larissa Danielle Barros disse...

Arrasou!!!

Marina S. disse...

Obrigada pelo belíssimo texto!

Sílvia Veloso disse...

Estou aqui aplaudindo, de pé... Vc é demais! ❤Carpinejar