terça-feira, 2 de abril de 2013

DANE-SE A FILA


Arte de Tristan Tzara

O que sou não deve ser regra de convivência. O que sou morre comigo.

Descobri que amar não é fazer com que o outro siga meu ritmo insano.

Isso é ditadura.

Amar não é puxar a namorada para o nosso fôlego, não é arrancá-la de seu temperamento e forçar semelhanças.

Isso é indiferença.

Amar não é punir atrasos e castigar descompassos.

Isso é tortura.

Amar não é ameaçar com frases egoístas como “A fila anda”. É o contrário: é perder o lugar na fila, é ceder seu lugar na fila, é regressar ao início da fila.

Amar é estranhamente recuar. É encurtar as pernas para melhor passear, alongar os braços para melhor entrelaçar os dedos.

O apaixonado não impõe seu temperamento, acostuma-se a caminhar diferente, olhando ao lado. O lado passa a ser a nossa frente. Quem nos ladeia é o nosso horizonte.

Surgirá um contratempo de sua companhia, uma dificuldade inesperada e se verá contrariando seus planos para ajudar – só tem pressa quem não tem urgência.

Amar é proteger mais do que avançar, é cuidar mais do que atingir objetivos, é apoiar mais do que se vangloriar da distância.

Foi a minha avó Mafalda que me explicou. Ficava muito irritado pelo seu trotear na Rua Corte Real. Era velhinha, manca e, além de tudo, distraída. Ela me obrigava a

participar de sua andança fisioterápica depois do almoço. Um quarteirão correspondia a queimar calorias de quatro quilômetros.

– Meu neto, é bom acompanhar um familiar doente, pois amar é ir aos poucos, é lentidão por fora e interesse por dentro – ela dizia.

Não fazia lógica para mim. Amar parecia voar, correr, atropelar. Amar significava velocidade, superação, afoiteza. Amar traduzia liberdade, transgressão, não se

intimidar com os limites.

Eu me enganei, vó.

Seu andar miúdo, pequeno, de bengala, pesando cada pé no chão, me ofereceu uma aula emocional.

Nenhum casal corre de mãos dadas.

Amar é aguardar se necessário, voltar atrás se preciso, criar um novo passo para atender os dois.

Se fui apressado para conquistar minha mulher, agora devo ser lento, estar com ela é meu destino.




Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 02/04/2013
Porto Alegre (RS), Edição N° 17390

7 comentários:

Maria meyer disse...

Este cara e o Chico do sul. Sabe tudo da alma humana! Meu abraço. Dede de Luca Meyer

Camila Barth disse...

Profundo sem ser piegas. E qual o problema se fosse, não é mesmo? Parabéns pelo texto, achei muito especial!

Fátima Nascimento disse...

Belas reflexões e ações.

ana disse...

Pela foto no seu facebook acho que sei quem é sua nova namorada. Marcia Tiburi. Uma das poucas mulheres brasileiras que merece ser chamada de Sacerdotisa.
Acertei ?

Dani disse...

"Dani"-se, não.
Foda-se.
Ah, assim eu serei obrigada a levar para o lado pessoal...hahahaha
Brincadeirinha.

Um abraço,
sigo assistindo seu programa sempre.

Natália Oliveira disse...

Tem coisa linda. Mas tem coisa muito, muito, muito linda. Mil vezes linda: tipo essa.

Incrível.

Anônimo disse...

Lindo. É isso ai. Mas amar é para poucos.