quarta-feira, 17 de abril de 2013

UM DIA!


Arte de Eduardo Nasi

Um dia você vai agradecer as separações. Agradecer um por um dos rompimentos, uma por uma das fossas, uma por uma das portas fechadas em sua cara, uma por uma das infiltrações pelo pulmão.

Um dia você vai se desculpar por sofrer, você se livrará dos ressentimentos e das vinganças.

Um dia você se verá feliz por ter estado triste.

Um dia entenderá que o destino realmente faz sentido, e que a falta de sentido ainda era caminho.

Um dia você perceberá a clara diferença entre orgulho e confiança, entre obsessão e paixão, entre fantasia e sonho.

Quando você finalmente encontrar a mulher de que precisava não conservará ódio por nenhuma ex. Mesmo a mais ingrata, a mais perversa, a mais intrusiva.

Quando você descobrir que não precisou inventar a mulher que você ama, que ela existe com toda telepatia e compreensão que jurava jamais testemunhar, você olhará o passado com empatia e sincero perdão.

Será generosamente imprevisível. Não mascará fofocas, apagará os desaforos, conhecerá a gentileza de dia e o cuidado de noite. Derramará em seu sangue uma overdose de ternura. Seus olhos estarão empilhados de estrelas. Os engradados das árvores estarão sendo abertos pelo jorro da luz.

O amor é libertador, o amor é a redenção fiscal, o amor de verdade expira as sentenças.

A vontade é preparar uma farta cesta de frutas e produtos especiais para as ex-mulheres. Gastar o salário do mês combinando iguarias de fino trato.

É meu modo de mostrar que estou imensamente feliz por falhar antes e me permitir viver o essencial agora.

O ímpeto é organizar um berço de fragrâncias e champanhes, conciliar vinhos da Nova Zelândia com patês franceses. Reunir bandeiras e promessas do oceano. Montar uma manjedoura com palha ao fundo daquilo que há de melhor e mais caro na estante de importados.

Uma barca com especiarias da Índia, pepinos do México, azeitonas da Itália, ovos de codorna do Peru e doce de leite da Argentina.

Uma caixinha sortida e colorida com direito a Panetone, passas e castanhas de caju.

Uma cesta graúda com celofane amarelo que alegrava os Natais da minha infância.

E escrever apenas “Obrigado”.

Sem maiores informações.

O milagre é cristalino. Não é possível guardar rancor.





Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira

17 comentários:

Anônimo disse...

exatamente assim! um dia, esse dia chega! :)

Camila disse...

Incrível!!!

Alê! disse...

Magnífico!!!!!!!!! :D Pura verdade!!!!

viviane marques disse...

O bom de envelhecermos é exatamente isso, reconhecer nas tristezas e falhas algo de bom! Mas isso só vale quando aprendemos com nossos erros e nos tornamos humildes! Nós merecemos ser felizes, sempre!

Isabela Candeloro Campoi, disse...

Isso, um dia e o final da grande espera. Nada como a maturidade pra desejar presentear com grandes cestas...

Por que você faz poema? disse...

Querer inventar a mulher que ama é o maior dos erros.

"Um dia você se verá feliz por ter estado triste".

Espero por esse dia.

A Ex de Murphy disse...

Porque um dia a gente se livra de todo esse peso que os pensamentos magoadinhos carregam e repara que aprendeu muito com todos os relacionamentos passados (os bons e os nem tanto).


"Um dia entenderá que o destino realmente faz sentido, e que a falta de sentido ainda era caminho." - muito, muito bonito mesmo! =)

ana disse...

Isso é o acontece quando encontramos uma pessoa madura, inteira, corajosa e especial. Bem vindo ao clube...

LUÍS ABRIANOS disse...

Caro Fabrício Carpinejar, concordo com o texto. Quem realmente encontra o amor, aprende a libertar.
Assisto A Máquina, que baita programa. Parabéns pela escolha do próximo entrevistado: Maestro João Carlos Martins.
Um abração!!!

Thiago Costa Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Costa Lima disse...

Só se encontra o amor quando se escolhe amar! No final, é exatamente o que acontece. Se descobre que o que nos da tesão é o amor pelo qual amamos o outro. Aí sim o sofrimento passado serve como uma boa lembraça de uma queda, uma dor, olhos cheios de lágrimas, sentimento de abandono. Tudo isso se vai. Só o amor lança fora todo o medo.

Elem Rosa disse...

Tanta gratidão assim deverá ofender as ex, rs. Adoro ler você.

Galera .Com disse...

http://hotmart.net.br/show.html?a=V441700G

Galera .Com disse...

http://hotmart.net.br/show.html?a=M441712G

Caroline Guterres disse...

PERFEITO!!!

Tenha um lindo e abençoado fim de semana...*-*

Anna disse...

Amei ler este texto, me fez rir em meio as lagrimas de ser deixada, espero mesmo que isso tudo seja verdade.

Paula Marques disse...

Só na hora da morte.