sexta-feira, 17 de agosto de 2012

ESTACIONAMENTO PROIBIDO

Arte de David Hockney

Os relacionamentos seriam mais fáceis se usássemos menos desculpas. Nunca falamos o que queremos.

Para disfarçar os nossos defeitos. Para fingir que somos melhores do que realmente somos.  Escondemos do outro aquilo que temos vergonha.

Eu não estaciono em balizas, num espaço apertado entre carros. Nunca será. A única vez que fiz isso foi na autoescola e já foi o suficiente.

Só estaciono em esquinas.

Ao levar meu filho Vicente para escola costumava enfrentar o mesmo constrangimento na hora de estacionar.

Quando chegávamos, procurava – devagar - um lugarzinho.

Meu filho gritava:

— Ali, pai, tem uma vaga...
— Não, é muito pequena.

— Ali, pai, tem outra vaga...
— Que pena, agora eu passei.

— Ali, pai, achei mais uma vaga...
— Não quero pagar flanelinha.

E assim estacionava lá longe da escola e tínhamos que caminhar a pé, como se fossemos acampar.  Eu mentia para meu filho.

Sempre criava justificativas para não ser direto e objetivo e descer logo.

Não confessava minha incompetência, meu medo, minha fobia.

Abandonava seu olhar no vácuo. Repetia dia após dia o jogo cansativo de explicações e evasivas.

Um dia me irritei quando ele me apontou mais uma vaga do tamanho de uma colheitadeira.

— Filho, eu não sou bom em estacionar entre dois carros, só estaciono em esquina.

O guri ficou aliviado e feliz. Aceitou na boa a minha dificuldade. Entendeu. E passou a gritar:

— Olha, pai, uma esquina!

Parece que ele me ama mais quando pode me ajudar.

Desabafar os medos - e não ser invencível - é educar os filhos.

Ouça meu comentário na manhã de sexta (17/8) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Antonio Carlos Macedo e Daniel Scola:


4 comentários:

FREICO NORDON disse...

Maravilhoso!! Os filhos devem ser grandes bençãos que nos ensinam e doutrinam mais que nós a eles...

Grandíssimo texto.

Grande abraço

Nayara Magalhães disse...

Lindos, até nisso somos parecidos, só fiz baliza na auto escola

Anônimo disse...

ah se minha mãe soubesse que é assim que se educa os filhos ...

Carine Morais disse...

Sensação gostosa é essa de poder ser você mesmo, sem farsas, invenções ou controvérsias.
Acredito que aceitar o outro do jeitinho que ele é, é mais que uma prova de afeto, é o amor materializado em demonstração.

“Parece que ele me ama mais quando pode me ajudar.”

Parabéns pelo lindo texto!