sexta-feira, 24 de agosto de 2012

O FOLGADO

 
Arte de Philip Guston

Existem vigaristas dentro de casa. Os preguiçosos.

Não os distraídos, mas os folgados, os que adiam eternamente uma tarefa para não ter trabalho.

É uma figura sempre presente em residências com mais de três integrantes. Pode ser o filho, o marido, a esposa.

Nunca assume a responsabilidade. Explora a sombra da impunidade com talento.

Passou a ser percebido após o afastamento gradual do mordomo e da emprega doméstica do ambiente da classe média.  Não tinha mais ninguém para culpar.

Seu método é um só: apresentar uma cara sonsa e responder "não sei quem foi".

Trata-se de um tumor benigno no seio familiar, mas vale a pena arrancar.
 
Ouça meu comentário de sexta-feira (24/8) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Antonio Carlos Macedo e Fernando Zanuzo:



2 comentários:

Eva Sabbado disse...

Estava com saudades, mas vejo você e a Cínthia na televisão, nos jornais... não estamos tão longes. Nooossa eu amei esse texto, sofro com os folgados, me ensina a arrancar esse tumor benigno, ehhe, bjos, belo final de semana prá vocês. Meu blog é de decoração, passem lá, vá que vocês se inspirem ainda mais? evasabbado.blogspot.com.br

Nana da Ecologia Bela disse...

rivaNossa, pensei q este problema fosse só na família que vivo! Tem filho, cunhado...Acho q a pior parte é quando se fazem de sonso, achando até q são vitimas, mas na verdade não passam de hipócritas gerados pela sociedade capitalista e só querem se dar bem a custa dos outros e dos pais