terça-feira, 18 de dezembro de 2012

CASACO É MEU PAIZINHO



Não tenho sequer um objeto de meu pai.

Nenhum cebolão antigo. Nenhum canivete suíço. Nenhum cachimbo. Nenhum cachecol. Nenhuma caneta especial.

Ele não me repassou talismã para lembrar sua importância. Não me chamou para o escritório em separado a fim de antecipar a mínima partilha. Não redigiu uma carta explicando o que era ser homem.

Mas herdei de meu pai o que sou.

Quando pequeno, eu o imitava. Hoje, ele me influencia.

Tenho dele a risada larga, bonachona, uma gaita que impulsiona o rosto para trás e me pede para fechar docemente as pálpebras.

Nosso pulmão é carregado de sotaque, o pulmão é o nosso CTG.

Tenho dele o jeito de cortar tomates na tábua, horizontal, absurdamente errado e divertido.

Tenho dele a mesma compulsão pelo atraso: sempre acreditando que posso fazer mais alguma coisinha antes de sair.

Tenho dele as mesmas distrações e desculpas furadas, as mesmas canetas explodindo nos bolsos.

Tenho dele o mesmo ímpeto de curar a raiva com uma caminhada pelo bairro.

Tenho dele a barba da juventude, as brotoejas do pescoço e a tendência de levantar as golas das camisas.

Tenho dele a adoração por sentar em balcões e experimentar pastéis em cidades estranhas.

Tenho dele as pernas tortas e os olhos puros de medo.

Tenho dele a vontade de cheirar o cangote dos filhos.

Tenho dele a mania por esculturas de cavalos e Dom Quixote.

Tenho dele a compulsão por riscar livros e escrever diários por códigos.

Tenho dele o dom de perder dinheiro e juntar amores.

Tenho dele o costume desagradável de gemer diante de um prato favorito.

Tenho dele igual fé em Deus e oro quando vejo o mar ou o pampa.

Meu pai está espalhado pelo meu caráter. Não preciso nada dele. Nem uma vírgula emprestada. O que é uma lembrança para quem tem todo o seu passado?

Cada gesto que vim a aprender ao longo da vida é o esforço arredondado de copiar sua letra e repassar seu temperamento ao papel vegetal da literatura.

Ele está escondido em meus dias. Invisível e forte como o vento.

No momento em que viajo de avião, acabo me protegendo do frio transformando o paletó em cobertor. O casaco fica invertido, de frente para mim, com as mangas cruzadas nas minhas costas.

Aquele casaco é também meu pai me abraçando.





Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 18/12/2012
Porto Alegre (RS), Edição N° 17287

8 comentários:

dudv disse...

Bela crônica.

Olho no olho. disse...

Meu caro, você teve tudo. Teve a presença de seu pai para aprender a ser tanto dele. Isso foi um presente precioso na sua vida e agradeça ao seu outro pai, Deus, pelo muito que teve e que muitos não tiveram a mesma sorte.
Belo texto, parabéns!

Fernanda Rodrigues disse...

Você emociona com um texto. Seu pai se orgulha com o filho. Certeza disso! :)

Camila Mancio. disse...

taijuVocê é muito inteligente, gosto do jeito que escreve.

Anônimo disse...

Lindo esse texto! Pai e mãe estarão sempre em nossos gestos, olhares, comentários, manias, hábitos... mais legal é reconhecer e ter orgulho disso. Parabéns!

ace maxs disse...

Bom artigo, eu estou muito interessado em seu artigo .. obrigado por compartilhar

Gislene disse...

Bonito demais, Fabrício. Bonito demais.

Um abraço,

Stephanie Bianca Cañete disse...

Amor de pai, algo que eu pensava ser indescritível, mas que tu transmitiu na forma mais bela e próxima da pureza desse sentimento.