domingo, 2 de dezembro de 2012

QUASE PERFEITO — Consultório sentimental de Carpinejar

"CONHECI A AMANTE DE MEU NAMORADO"
Arte de Sir John Everett Millais
 
“Olá Fabrício! Acabei meu namoro ontem. Vivi quase dois anos com uma pessoa que hoje não tenho mais certeza de quem era de fato. Descobri uma traição. Mantive contato com a outra garota, que confirmou tudo. Descreveu detalhes que me fizeram ter certeza de que meu namorado (que mora comigo) aproveitava as tardes vagas para vê-la. Viajava 100 km unicamente para encontrá-la. Ele nega. Quero acreditar nele, só que as evidências são esfregadas na minha cara. Desde ontem tento me convencer de que faço muito drama por coisa pequena, mas aí me lembro que essa não foi a primeira vez. Então talvez seja menos drama, e mais verdade. Beijo Manoela”

Querida Manoela,
 
Você cometeu o erro clássico: encontrar-se com a amante dele. Não há maior humilhação. Deveria ter evitado. Deseja se reconciliar, mas vai fracassar. Não há como voltar a acreditar em seu namorado.
 
É comum o fim do relacionamento depois de conversa séria com a outra mulher.
 
Recebeu detalhes que vão fixar a cena da infidelidade a todo instante. Conheceu o rosto dela, o tipo físico, os hábitos, começará a fazer comparações, a reconstituir as desculpas furadas, a desconfiar daquilo que viveu de bom. Verá a triste e inconsolável queda do império amoroso. Não sabe quem ele foi, e pior: não sabe quem vocês foram juntos.
 
Toda a mentira contamina as demais verdades.
 
A dor, acrescida da paranoia, torna-se imbatível. Descobrir a traição é difícil, mas com versão esmiuçada das escapadelas atinge o nível extremo de tortura. Com o roteiro nas mãos, os olhos reprisam automaticamente o filme. Não tem como parar o projetor.
 
Enquanto não identificava cenários e personagens, restava a tênue possibilidade de seguir em frente e tentar de novo. Agora é impossível se enganar, dispõe de atas do romance, atolada em mágoas reais e curiosidades sórdidas. Como justificar 100 km do namorado por sexo? É mesmo para se sentir ultrajada.
 
Só que não caia na lorota da amante. Ela não é mais uma vítima da canalhice dele, disputando o papel de enganada com você. Não mergulhe no corporativismo do sofrimento. Ela possuía a exata consciência de suas ações e dos danos do envolvimento duplo. Aproximou-se com o claro objetivo de ferrar sua relação. Como talvez seu namorado deu um fim para a história paralela, cumpriu a chantagem de contar tudo. Criou aquele apocalipse: se não ficarei com ele, ninguém ficará.
 
Não seja ingênua. Ela veio jogar duro. Não realiza caridade ou procura alertá-la dos perigos da desonra.
 
Como último ato, explique para seu ex-namorado a diferença entre honestidade e desespero. Ele pode confundir os dois.
 
Honestidade é avisar na hora em que as coisas acontecem, já o desespero é avisar tarde demais quando não tem como esconder.
 
Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, Caderno Donna, p. 6
Porto Alegre (RS), 01/12/2012 Edição N° 17271
Preservamos a identidade do remetente com nome fictício.

7 comentários:

WEGLESSON MARCOS disse...

Olá, Você Está Sendo Convidado a Se Escrever No Agrgador "BLOGGER RAR" o Unico Agregador que Multiplica Suas Visitas Diarias em ate 5X ao Dia.

E o Melhor, Tudo Isto é Totalmente Gratis, Então Num Perca Tempo e se Cadastre já.

Por Você Ser Um Convidado, Ja Vai Estar no Plano Vip, 5X Ao Dia.

www.bloggerrar.com

Letícia Moraes disse...

Perfeito, adorei o ponto de vista.

Anna disse...

nossa, que texto maravilhoso.

otimovinho disse...

Conversar com a rival no front de batalha dela... é pedir pra perder a guerra.
Mas perder a guerra nao é perder a batalha...

Marcio Allemand disse...

Fala, cara. Curto teus textos e estou agora mesmo lendo seu livro 'Ai meu Deus, ai meu Jesus - crônicas de amor e sexo', daí que baixou o cara de pau e vim aqui te pedir pra dar uma olhada nos meus textos tb. Tenho um blog de nome esdrúxulo (www.euseicozinhar.blogspot.com), onde eu me arrisco nas poesias, numas crônicas e nuns contos. Seria uma honra se vc tivesse tempo e lesse alguns dos meus escritos. Imagino que centenas de seguidores seus peçam a mesma coisa, mas... eu resolvi pedir tb, ora. No mais, 'toda mulher vive de dúvidas, toda mulher é uma pergunta. Uma insaciável pergunta'. Do caralho isso!

Liza Leal disse...

Adorei o texto.
Duríssimo, mas enfim..
Ensina mto.

=)

ganhar dinheiro disse...

parabens pelo belissimo blog, acompanho o mesmo desde 2010, recomendo a muitas pessoas. Parabens