quarta-feira, 21 de julho de 2010

O CONTROLE REMOTO É MEU!

Arte de Cínthya Verri


A mulher assumiu a maior parte das direções da vida masculina: a filial, a amorosa, a da casa e a da empresa. Não reclamamos: o mundo está finalmente em ordem e bem mais justo. Mas não aceitamos que a mulher deseje mandar na direção de nosso mijo. É demais, é autoritarismo, é extrapolar o poder. É entrar num dos últimos redutos da masculinidade, ao lado de matar baratas. É promover a extinção da espécie.

Ela vem com um moralismo de faxineira, uma censura de governanta, explicando que é fácil mirar no vaso, que não entende o descontrole, como despejamos a mangueira para o piso, professa o desleixo e a ausência de vontade.

Claro que não entende, faz xixi sentada. Desconsidera uma experiência inacreditavelmente diferente.

Conclui que é prender firme e centrar o ângulo, que é pouca a distância, elementar como bater um pênalti, e esquece a alta taxa de desperdício dos cobradores nos campeonatos.

Muitas mães tentam evitar a sujeira e ensinam os meninos a sentar na patente. É um travestimento perigoso. Não percebem o mal que estão cometendo, gerando problemas na sexualidade dos filhos devido a uma mania de limpeza. Afetará as posições sexuais no futuro e aumentará a preguiça na busca pelo prazer.

A mulher confunde o mijo do seu parceiro com um esporte: dardo ou arco em flecha. Confia na preparação existencial, na força psicológica do exercício e do condicionamento. Falta apenas aconselhar a contratação de um personal trainer e treinador, e incitar a desenvolver o talento e competir nas olimpíadas domésticas. Ficaria estranho entrar no banheiro acompanhado, logo seu varão sairia com camisa cavada e piercing no umbigo.

Receio que instale câmera na descarga para acompanhar as investidas ou, quem sabe, crie uma autoescola de mijo, com um mínimo de 20 aulas práticas e aprovação em psicotécnico a partir de desenhos, placas e passo a passo.

Ela vive dando orientações que desse jeito não dá para continuar. Reclama da tortura de sentar na tampa úmida, do cheiro de rodoviária e recorre a uma filosofia preventiva de infecção hospitalar. Usa, inclusive, o golpe baixo de alardear que não se pensa na bunda da criança que ocupa o trono em seguida.

Por que ela não defende a limpeza depois da bagunça, em vez de insistir para que não aconteça o irremediável?

Não é que o homem distorce a pontaria quando está bêbado. Ele é naturalmente bêbado. Nasceu embriagado, amaldiçoado a segurar um misto de rojão e peteca. De repente, está mole e no meio endurece e muda a frequência da velocidade. Não há monotonia nos movimentos. Não há freio nas veias. É uma guinada abrupta no planejamento do ritmo. Os pilotos mais experientes aguentam a alternância; de qualquer forma, o balanço do final atinge a todos. A balançadinha estraga a operação até então impecável, limpa, escorreita. A saída desmoraliza o andamento higiênico da mijada. O suspiro desordenado do jato acaba impulsionando a venda dos desinfetantes. E sofre muito mais quem tem fimose ou o contrário, aquele que foi circuncidado, sem pele para conter a pressão.

Se a esposa e namorada está magoada com o caos, peça que coloque mictório no toalete. Nas situações extremas, uma banheira para não penar mais com o assunto.

Caso não funcionar, sugiro que segure um dia para descobrir o que significa. Daí acho que vai virar outra coisa e tudo continuará como está.



Crônica publicada no site Vida Breve

35 comentários:

Anônimo disse...

Cara, eu entrei aqui achando que ia ler algo útil ou engraçado, e me frustrei duplamente. Primeiro, porque você tenta ser engraçado e não consegue. Te vi no Jô, te li aqui, e foi o suficiente pra constatar: seu ego não lhe permite ser sensível. Você é não é sensível, é falso poeta. É, no máximo, criativo. Devia ser publicitário, estaria nas rodas certas.

Segundo, você é muito desinformado e preconceituoso. Se fosse informado, saberia que xixi sentado não compromete masculinidade de ninguém, não define opção sexual de ninguém, não faz um homem ser homem. As coisas que fazem um homem ser homem são um pouquinho mais complexas do que ficar de pé na hora de mijar. Se você apóia a sua masculinidade nesse comportamento icônico do homem, tudo bem. Até os médicos (e não só mamães com mania de limpeza) recomendam ao homem fazer xixi sentado pois, apesar de parecer super natural, a posição em pé pressiona o canal urinário, a próstata e é um dos motivos do aparecimento de problemas na terceira idade. Duvida? Vai pesquisar.

Você não poderia ter sido mais preconceituoso ao falar do pierincing e da camisa cavada. Estereótipos e preconceitos são coisas que não pertencem mais ao mundo "em ordem e mais justo". Imagine o seu clone olhando pro seu cabelo raspado com letrinhas e dizendo: "fala sério, que babaca, que viadinho!". É ruim, né? Teu cabelo é a tua expressão, vc faz o que quiser com ele, e ninguém deveria te rotular de viado mesmo com esse cabelo e esses óculos metidos à cool que você usa. Não julgue, não seja julgado. Gaste menos letras com isso, cara!

E antes que você diga "vc diz isso porque deve ser um viadinho de camisa cavada que mija sentado" (afinal, você provavelmente vai apagar meu comentário, tudo bem, era só pra você mesmo): não, senhor, sou homem tanto quanto você proclama ser. E não tenho nada contra gays. Mijo em pé e mijo sentado quando quero, e tô cagando pra isso. De madrugada, se vou mijar, tô podre de sono e nem me dou o trabalho da mira. Aliás, não me espantaria se um cara como você, que fala o que fala, estivesse só fazendo um discurso que não confere com suas ações.

Quando uma mulher reclama dos respingos da sua mijada, e você faz um hino à macheza por isso... Cara, tu é porco! Simplesmente isso! Qualquer pessoa menos afetada e com um pouquinho de bom senso respeita a higiene do seu lar e dá uma mão pra não fazer porcaria. Pega a porra do papel e dá uma limpada, ou você tem nojinho do seu xixizinho? Fala sério. Se a tua mulher menstruada respingasse sangue no banheiro, vc ia gostar? Você ia achar que ela tem que exercer sua feminilidade e não se importar com o sangue respingado?

Enfim, nem sei por que perdi meu tempo escrevendo isso aqui, acho que fiquei inconformado com seu machismo e seu ego inflado. Tanta gente com talento por aí que ninguém nota, e você vendendo livro... Acho que você tem uns complexos danados e fala muita merda, e seu sucesso não é desculpa: Galvão Bueno faz sucesso, Augusto Cury faz sucesso, e são dois malas que encontram público num país de desinformados e incultos. Você poderia ser um cara legal mas, com tanta máscara, não rola. Se entrega, cara, se entrega.

Ramiro Conceição disse...

Fabro, conheci um casal em que a mulher conseguiu a proeza, o escândalo, de fazer o marido sentar pra mijar. Não deu outra, meses depois o cara virou um solitário corno a mijar sentado. Mulher é, literalmente, foda!

Luciana disse...

nossa! eu vi vc no Jô e pensei: meu que cara chato,besta,se acha engraçadão e com isso fia ainda mais chato e sem graça,até o Jô tava com aquela cara de ...nossa que cara insuportável que se acha o máximo! e agora lendo este texto tenho certeze de que não tive uma impressão errada.TÚ É CHATO E SE ACHA O MÁXIMO MESMO CARA PUTZ

Anônimo disse...

acho um saco lidar com o xixi dos homens nos assentos do banheiro. Aqui são o marido, 2 adolescentes e muitos amigos... os que não tem irmãs, percebo que molham quase toda a tampa. Agora os que convivem com mulheres em casa, são mais cuidadosos. Como conseguem, não sei. Mas já segurei no ... do meu marido e adorei a experiência, consegui dirigir o jato, contrariando ele, naturalmente. Hoje ele faz xixi sentado à noite, pro seu próprio conforto. Eu, prefiro não ver. Gosto de homem que faz xixi em pé, pura tradição, só isso! Ensino os homens a cuidar para que nós, mulheres, não precisemos molhar nossas pernas e nosso bumbum no xixi alheio, e só. Acho que isso é um dos bons modos pra tentarmos ter uma certa paz e um banheiro cheiroso, o que é a mais pura verdade. Vc foi sensível, brincou com coisa séria de maneira muito bem humorada e encontramos pessoas sem humor e insensíveis para perceber todas essas minucias do dia a dia dos sexos opostos. Uma pena! Mas não perca esse seu faro, para sair da rotina de textos óbvios e sem graça que existem por aí! E veja que quando estamos menstruadas, muitas vezes, sem perceber, deixamos um respingo fora do lugar. É assim que é!

Rita disse...

Nossa, discordo completamente desses dois comentários acima. Dei altas gargalhadas aqui, e não conigo entender como essas pessoas não acharam engraçado?! A de contratar um personal trainner pro mijo foi demais. Mesmo quando eu (como todo e qualquer leitor) se vê espelhado numa metáfora afiada e que até enerva grrrrr!, acho que são bons. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Acho que o texto cutucou, o que não deixa de ser legal. Também te vi no Jô e achei engraçado. Enfim, não dá para agradar todo mundo... ;) Beijos.

Maria Tereza disse...

Fabrício, você acertou na mosca! Esse lance do xixi irrita qqr mulher! ÓTIMO TEXTO!
E aos anônimos babacas: pra que virem até aqui se não gostam de ler o que ele escreve?? =P

Carpinejar disse...

queridos
Não apago comentários, a discordância é sadia. Vejo que há gente bem entusiasmada que até confundiu o comentário com tese acadêmica. Lamento apenas que a maior parte das críticas não venha com a coragem do nome.
abraço
Fabro

Anne Luka disse...

Esse foi o melhor! Siceramente já ouvi e li muita coisa a respeito do nojento xixi na privada, mas esse texto foi o mais engraçado... Não sou casada (e vai demorar muito tempo pra eu entrar para esse time) mas acho desagradavel quando chego na casa de alguem da minha familia e vejo aquele pinguinho na privada... se eu que sou da familia acho isso imagina o que não acha alguem que está apenas visitando? que não tem nenhum laço afetivo ou familiar com o dono do banheiro... é meu querido... a critica ao pinguinho de xixi na privada feita pelas mulheres não é apenas por uma questão higienica... trata-se tambem de uma questão social... mas vou parar por aqui por que vou acabar falando bobagens...
no mais, parabens pelo texto... adoro textos bem escritos, não importa o que contenha.
acho que vou comprar um livro seu...
até!

Ana Maria disse...

Fico impressionada com os comentários anônimos, gente que gosta de sentar o pau mas não tem coragem de dizer seu nome. Bando de idiotas sem noção. O texto é ótimo, Fabrício. Como sempre...bjos!

Márcia Luz disse...

Só sei que ao ler esse texto fui gostando mais ainda do meu amor.

Ramiro Conceição disse...

Aos anônimos dos blogs


Está comprovado cientificamente que o anonimato, em comentaristas de blogs, é um sintoma patológico da covardia. A causa fundamental de tal patologia está associada a dois genes, que os cientistas denominaram de “genes capengas”.

Basicamente, existem dois “genes capengas” que são constituídos por açúcares, porém sem FOSFATO; consequentemente, faltam ligações fosfodiéster nesses indivíduos anônimos, digamos, abandonados pela mãe natureza.

Na última “Nature”, Fabricius Carpinejarium e Ramirus Concepcione demonstraram que os “genes capengas” são os responsáveis pela nova síndrome, que se alastra pela internet. Os renomados cientistas denominaram a tal desordem sócio-biológica de CAPENGUISMO.

O capenguista é essencialmente um fraco (viva Euclides)! Possui como traço fundamental de caráter a dilapidação, a ratonice. Nunca se deve deixar um capenguista diante duma mesa farta, porque o infeliz, por falta de dotação, criará uma oportunidade à pilhagem.

Tais indivíduos possuem uma mórbida fixação por talheres, mas que se desdobra no latrocínio de canetas, livros, lapiseiras se, porventura, o dito cujo se encontra na casa de um escritor. Nunca se deve mostrar o original de uma obra para um capenguista: é plágio na certa!

O paroxismo do capenguismo é o latrocínio do amor. Como afirmado acima, o capenguista é fruto de um desdém da natureza, isto é, por ser o resultado de um complexo processo sócio-biológico da união sexual de dois capenguistas - seu pai (em geral desconhecido) e sua mãe (em geral muito bem conhecida) – o capenguista associa o ato de amar àquele de afanar.

Por isso que todo capenguista ama às escuras, no vão proibido das escadas, se for possível até no interior de uma lata de lixo. Todo capenguista, essencialmente, é sujo! Por isso que se perfuma tanto no anonimato da sua insignificância.


PS: caro Fabro, deixo um poema ao anônimos…

AMESTRADOR
by Ramiro Conceição


Adestro uma ameba em casa.
Já a ensinei a rir.
Vou ensiná-la a chorar
o bichinho vire - um ser humano.

Ramiro Conceição disse...

Errata: deu pau no poema... Ei-lo:


AMESTRADOR
by Ramiro Conceição


Adestro uma ameba em casa.
Já a ensinei a rir.
Vou ensiná-la a chorar
e por último - a amar.
Espero que após todas as lições
o bichinho vire - um ser humano.

luciana lacerda disse...

Fabricio certa vez vi vc pela tv, no programa "Sempre um Papo" era dias dos pais e vc leu um texto maravilhoso,que dizia sobre a casa dos pais, o relacionamento que modifica deppois que crescemos e saimos de casa, achei tão lindo, me emocionei... procurei muito ele na internet, mas naum achei vc pode me dizer em que livro ele está? se é q já publicou...Super Bju! te adoro!

Ramiro Conceição disse...

Aos sádios anônimos que florescem
muito além dos blogs...


MOQUECA
by Ramiro Conceição


Não sou vermelho, branco,
preto, amarelo; nem sou mulçumano,
judeu ou cristão. Não cuspo no chão.

Santo? Não sou não!

Tenho um estranho hábito de enterrar
— e desenterrar — os ossos do meu destino.
Em desatino, planto girassóis em meu quintal.

Sou um cachorrinho — canibal,
um misto de coveiro e jardineiro,
um ser entre o bem e o mal.

Fiz uma moqueca de estrelas.
E todos estão convidados
— à mesa triunfal!

Ramiro Conceição disse...

errata: é óbvio que é "sadios"

Com Ou Sem Senso disse...

Sou fake, porém não anônimo.

Aliás, como sempre digo, a utilidade de um perfil falso é preservar a dignidade da personagem ou, como no meu caso, a de quem a criou.

Anonimato é abominável: inclusive em seguir blogs, pois, nesta situação, é para não dar mesmo a cara a bater e/ou desonestidade.

Quase sempre, então, é desonesto o anonimato.

Quanto à postagem, cara, mulher é fiscal de mijo e muitas outras coisas. O truque é se esquivar falando que estresse causa celulite: tiro e queda! ;)

Ana SS disse...

Talvez Freud dissesse que é a "inveja do pênis".
Rs...

Anônimo disse...

Nossa, que povo critico... alias, critico e covarde! cada um tem o direito de falar o que quiser, mas sem ofender! se é tão homem, por que não diz o nome! anonimo é foda neh!
Seus textos são bons SIM...

Ana Wládya

Maurício disse...

Gente, não foi covardia. Como não tinha URL pra linkar com meu nome, cliquei na opção que sobrou. Não to acostumado a comentar em blog, raramente faço isso, nem li direito, escrevi, cliquei e já tinha ido, pronto.

Meu nome é Rafael, e eu não tenho site nem conta nessas outras opções aí pra linkar meu nome. Deixo meu e-mail no final.

Em vez de discutir anonimato ou não, discutam o conteúdo, que tal? Vocês mudam o rumo da discussão, ficam fazendo discurso sobre covardia... fala sério. Dá a opinião sobre o assunto e bye bye.

Se vocês acham que homem que faz xixi sentado vira bicha e que a piada é divertida, beleza, boa leitura pra vocês. Mas lamento dizer que o textinho divertido não é tão inocente assim.

A vocês incomodou o incidental anonimato, a mim incomodou o preconceito. Pra isso ninguém liga, né? "Ah, foi piadinha, seu babaca sem senso de humor!!!". Ok, vou passar por ranzinza dessa vez. Só saibam que piadas sexistas, preconceituosas, estereotipantes, quando aceitas socialmente, induzem os indivíduos a perpetuar comportamentos preconceituosos.

"Ahhhhhhhh exagerado!!" Ok, vejam na fonte:

Pesquisa publicada no Science Daily:
http://www.sciencedaily.com/releases/2007/11/071106083038.htm

“Sexist humor is not simply benign amusement. It can affect men’s perceptions of their immediate social surroundings and allow them to feel comfortable with behavioral expressions of sexism without the fear of disapproval of their peers,” "


Sim, criança que cresce ouvindo piada sobre bichinha, ou piada que sacaneia mulher, cresce achando que esses são valores permitidos.

A piada do texto associa xixi sentado à viadice, nitidamente. Quem não enxerga preconceito nisso, paciência. "Ah, Rafael, toda piada sacaneia alguém!". Pois é, mas eu tenho filhos e não gostaria que eles lessem o texto aí e absorvessem esse conteúdo como verdade. Quero que eles aprendam a ser homens que não nivelam sua macheza por joguinhos de poder com suas namoradas/esposas, nos quais sua supremacia masculina advém de uma bela espalhada de mijo pelo chão do banheiro e o prazer de dar a última palavra: "dá licença, nisso aqui tu num manda não!".

Escrevam com ou sem humor, mas reflitam o mundo que vocês querem. Se pra conquistar a simpatia do leitor qualquer coisa vale, boa sorte pra vocês. É legal escrever texto brincando com a relação homem mulher, mas tem tanta coisa por baixo do pano, gente... O humor é terrível nessas horas.

Eu vim aqui pra tentar mudar a primeira impressão que tive vendo-o no Jô, e infelizmente não mudei. Pode ser que o Carpinejar seja um puta cara bacana e eu precisaria de mais um mês lendo seus textos pra quem sabe gostar. Talvez eu tenha pegado pesado com ele. Desculpa, cara, se peguei pesado. Achei escroto o texto e achei escrotas as coisas que vc falou no Jô. Isso não significa que vc seja escroto. Muito pelo contrário, dou valor a cada ser humano com quem cruzo nesse mundo e aposto no valor de cada um. Mas se fico injuriado com valores aparentemente distorcidos, prejudiciais pro mundo ou pra própria pessoa, eu falo. Mas, como diria Paulo Francis "só os imbecis não mudam de ideia". Pode ser que eu esteja errado. Nesse texto vi a expressão de valores que não gosto, um humor que eu não compro. Eu tb tenho minhas falhas, minhas imperfeições e contradições, minhas formas de me expressar e defender o que eu acho.

Quem se incomodou demais e quiser me xingar, comentar, mandar SPAM de vingança ou fazer qualquer coisa maquiavélica, meu e-mail é: rafael.somer@hotmail.com

Rafael disse...

Queridos, o comentário acima foi postado pelo meu filho Maurício a meu pedido, ele colou meu texto redigido em outro PC, e acabou colocando o nome dele no título do post em vez do meu. Só pra identificar, ok? Eu tinha recebido dele o link pro texto, ele viu depois que eu tinha postado e me avisou, então eu criei a resposta e ele colocou aqui. Antes que algum babaca insista na história do anonimato pelo conflito de nomes. Qq coisa mandem e-mail. Boa noite.

Mimi disse...

Gostei do texto! Trata uma questão boba de forma engraçada. Pois, se permitir, nós mulheres controlamos a kira, pois extiste falat de noção. Nada melhor que ensinar a pewlo menos limpar a sujeira que fez. Sinto muito por existir pessoas tão taxativas e amargas, que não conseguem ver a irreverência dos fatos. Cada um tem direito a ter sua opinião e merece respeito. Mas ofensa é algo desnecessário, enfim, precisamos até rspeitar a "ignorância alheia", pois talvez essas pessoas estejam num mal dia. Mas acreditem, que comentário algum vai modificar a forma com que conseguimos ler os textos do Carpinejar! E se caso alguém se incomode com o jeito dele, o ache chato, deve ser pq se identificou, pq apenas nos encomodamos com o outro, quando sofremos do mesmo mal.

TÂNIA CAVALHEIRO disse...

Quase me mijei (sentada) de tanto rir...
Isso é bom-humor com inteligência.

Anonimato...até admito.

Mas as críticas ao teu texto: INVEJA.
PURA INVEJINHA.

Segue assim, por favor!

Rafael Corrêa disse...

Juro que não entendo porque você tem 40.000 seguidores no twitter... maluquices da internet. Seu texto é um rascunho bem pobre dos bons textos do Fábio Hernandez.

Vai entender...

ana disse...

Para fazer uma crítica consistente é necessário conhecer a obra completa do autor e não julgá-lo apenas por um texto. O nosso futuro PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA não mereceu essas palavras tão ásperas.

Rosana Ferreira disse...

hahaha... como explicar uma pessoa que: 1) não gosta do entrevistado e ainda vai procurar o blog do fulano; 2) se dar ao trabalho de ler um texto desse blog e ainda perder um tempão escrevendo um texto pra criticar.

Internet, TV, etc, são mega demográticos, vc pode escolher o que quer ver/ler/ouvir... experimentem fazer isso... é uma experiência libertadora!!! rs

Quanto à lambança do xixi... nunca entendi muito bem pq algumas mulheres perdem seu tempo brigando com futilidades do tipo... qdo tenho compania masculina em casa já deixo um desinfetante e um paninho no banheiro e limpo antes de usar o vaso, não toma nem 1/2 minuto do meu tempo.

E se minha calcinha pendurada no registro do banheiro te incomoda... coloque-a no varal benzinho, simples assim rsrsrs.

A gente já passa tanto estresse no trabalho, trânsito, etc... pq ficar se estressando com tão pouco em casa??

Flavio de Souza disse...

pô o cara escreve engraçado mas concordei com o outro q disse q tem preconceito no texto sim. prêmio nobel nem a pau... tem muito escritor bacana quenem esse cara.

eu tenho boa pontaria, nunca foi problema mijar em pé. as vezes de manhã o jato sai cortado no meio, vai um pouco prum lado um pouco pro outro, tipo o jim carrey naquele filme eu eu mesmo e irene. aí é complicado, tem que sentar ou pegar o balde e o esfregão huahuahua

monica disse...

adoro seus textos! também consegui fazer com que meu marido fizesse xixi sentado. somos mais felizes assim! porém, quando os amigos dele visitam ou até os meus amigos, aí não tem jeito. o cheirinho de banheiro de boteco de 5ª volta com tudo! parabéns, engraçadíssimo o texto! ótimo tópico!

Kelly disse...

Olha só.. eu amo os texto do Carpinejar mas creio que ele esteja sofrendo de algum bloqueio criativo.
Achei esse texto bobo, vazio, uma pena...
Não sei porque mas desde que o assisti no Jô Soares, dessa última vez, senti uma certa arrogância... críticas desnecessárias, se defendendo demais. Não que o Jô seja grande coisa, as vezes é chato mesmo mas foi constrangedor ver o Carpinejar naquela entrevista, tão diferente da primeira brilhante participação dele no programa. Uma pena, quis ironizar tanto, falou tanto quando deveria não faze-lo, que pouco disse sobre seu livro.
Esse período na vida pessoal está refletindo, e muito, nos seus textos.
Que passe rápido.
Abraços,
Kelly Santos

Leo Curcino disse...

gosto da forma como você transforma coisas simples e cotidianas em frases bem feitas e bem diagramadas.

Sérgio Augusto Sant'Anna disse...

Carpinejar:
tenho-o como o melhor cronista brasileiro da atualidade e os prêmios não me deixam mentir. Brilhante o seu texto, parabéns!

Ixra A. disse...

ÉÉÉÉÉ...pois é...ao ler esse texto e alguns comentários anônimos lembrei do velha expressão popular "gozando com o pau dos outros"...rs.

Agora me vou, pois meu membro - híbrido de "peteca e rojão" - está estourando e precisa de uns tapas.

O texto, embora não traga informação útil (diferente de outros que vc já escreveu) é engraçado.
Abraço, Fabrício.

Colombina disse...

puxa anônimo ....vc bem que podia ter se identificado !! eu até gostei do artigo, mas fiquei fascinada pelo seu comentário !!!
Você tem algum blog também ???

críticas à parte esse saudável confronto de idéias é fundamental !!!!

abs, Ana

Colombina disse...

olha a atrasada aí gente !!!
nem tinha eprcebido que ele se identificou e tudo !!! desculpa aê !!

bruck disse...

Cara!!! achei fabuloso o texto...Nossa toda vez que vou mijar é uma briga ferrenha comigo mesmo hahah, eu não consigo controlar meu jato de mijo, serio!!! Até me esforço, mas é incontrolável.. Minha sorte?! é que eu moro sozinho hahah.

Sole disse...

Eu já segurei, não tem mesmo como controlar, mas eu nunca dei bola pro mijo do cara fora da privada, aff, tem mulher q é chata demais, orra!!! Tem tanta coisa gostosa de se fazer e vai virar bruxa por conta de mijo?! eu heim! ah e já fui casada por 19 anos [só pra constar q sei o q é viver tempo com um cara, rs] bjo Fabro