domingo, 29 de julho de 2012

AMORÔMETRO: APARELHO PARA MEDIR O AMOR

Arte de Cínthya Verri

“Olá. A relação tem oito meses e ele não quer nada sério, não muda, é fechado, não se abre. Parece que me quer num potinho para ninguém ficar comigo e me ter quando quiser. A gente vai e volta, não avança o compromisso. Termino de vez? Beijo Sissa.”

Querida Sissa,


Só a morte é séria. O amor é para ser divertido. Ele tem todo o direito de ser reservado. Não é do feitio dele se derramar ou fazer retrospectiva. Integra o plantel dos tímidos que amam amar e odeiam falar sobre amor – traumatizados pela conversa séria de porta fechada dos pais e do SOE.

Não significa que ele não se importa com o relacionamento, tampouco que despreza seus conselhos.

Desabafa de outro jeito: talvez saindo com os amigos, vendo futebol, jogando PlayStation, cozinhando ou dançando.

Não é somente num papo que confessamos os problemas. O corpo é sábio o suficiente para encontrar seu próprio modo de exorcizar as tristezas.

Não pode exigir que se comporte à sua imagem e semelhança e tome atitudes definitivas.

O namorado vem sendo honesto, procurando experimentar a alegria e comunicar as descobertas provisórias. Não está lhe enganando: realmente estão se conhecendo. A insatisfação permanente – vive “terminando de terminar” – estraga a convivência. Sequestra os dias exigindo a eternidade como resgate.

Há uma projeção de vontades. É você que deseja colocá-lo no potinho, para não ter que disputá-lo. O medo de ser aprisionado é disfarce do carcereiro. Transformou seu namorado num bonsai, concentrando suas forças para podá-lo e garantir o absoluto controle das raízes, da sombra e da água.  Cautela: bonsai perece pelo excesso de cuidado.

O que ele oferece já é necessário para seguir adiante: a vontade de dar certo. A felicidade é efêmera.  Pense menos, deseje mais.

Abraço com toda ternura,
Fabrício Carpinejar

Querida Sissa,


Era uma vez uma senhora. Ela tinha uma galinha que botava ovos de ouro. Seu neto sempre lhe dizia:
– Vovó, como pode esperar pelos míseros ovos desta galinha? Se põe ovos de ouro é provável que seja toda de ouro por dentro. Vamos matá-la.

A velhinha hesitou, mas por fim, dissuadida, concordou. Morta a galinha, era por dentro normal como todas as galinhas.

Sissa, querida, que bonito ver seu gostar e que insiste com coragem. Oito meses não é pouco: sendo ele sério, fechado, ao lhe procurar, só o faz por querer. Isso precisa ser considerado. Um homem assim não bajula.

Algumas pessoas são derramadas, outras contidas. Não ama menos quem diz menos. Não existe um amorômetro.

Quem é mais falante tende a acreditar que sente mais, e que o outro está em dívida. Espera por ele. Como o ritmo dele é diferente, parece que há constrangimento ou sobreposição. Mas, ao mesmo tempo, será que não quer impor o seu ritmo a ele? Queria ter a batuta e ditar os compassos? Você escreveu uma síntese do jeito dele. É interessante que pense sobre o seu temperamento.

Procure conhecê-lo mais. Pode inventar um diálogo na frente dele onde diz as suas falas e as dele.  Depois pergunte o que acertou e o que errou.

É comum termos medo de sermos generosos e confundir com submissão. É uma paranoia do desperdício. Mas no relacionamento nunca estamos para ganhar: é o momento de doação. A alegria de amar está na oferta.

Você arrebentou os laços que tinha imaginando que na saudade ele seria todo de ouro por dentro. O amor não tolera a ganância.

Beijos meus,
Cínthya Verri


Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, Caderno Donna, p. 6
Porto Alegre (RS), 29/07/2012 Edição N° 17145

Preservamos a identidade do remetente com nome fictício.
Nossos palpites amorosos não substituem consulta, terapia, exorcismo e qualquer tratamento técnico.
ESCREVA PARA colunaquaseperfeito@gmail.com

6 comentários:

O Rei do Drama disse...

linda resposta. "Só a morte é séria", eu posso epgar emprestado qualquer dia desses?

Amei o desenho.

Dídimo Gusmão disse...

Cara, você é fera mesmo.
Sou fã dos seus textos. Magníficos. Parabéns!

http://didimogusmao.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Em contrariedade, eu prefiro pensar o avesso: "Só o amor é sério. A morte é para ser divertida."

Abraço.

ana disse...

A relação só tem oito meses. Dê tempo ao tempo. Antigamente as pessoas namoravam cinco anos e achavam pouco. Hoje tudo tem que ser rápido e eficiente, até os sentimentos.

Marília Gambi disse...

Passo pelo mesmo problema, e "tomei" o conselho para mim"

Obrigada!

Fátima Silveira disse...

Eu estava precisando "escutar" isso, caiu feito uma luva em minha mão. Obrigadíssima, do fundo do coração.

Fátima Silveira